dcsimg

Zootecnia

Publicado: 02/06/2009

A Zootecnia cuida do desenvolvimento e aplicação de tecnologias para a obtenção, industrializção e comercialização de produtos de origem animal. Assim, como o médico veterinário, o zootecnista também tem o cotidiano profissional intimamente ligado com a criação de bovinos, caprinos, suínos, peixes, abelhas. A diferença básica entre as duas carreiras é que, enquanto a veterinária cuida da saúde, a zootecnia busca aumentar a produtividade do animal. Mas quem imagina que o zootecnista não quer saber da saúde do animal, engana-se. A profissão também tem a parte profilática (de prevenção de doenças). Já o médico veterinário tem a formação para receitar medicamentos, para trabalhar com a clínica médica.

Na zootecnia o profissional lida principalmente com o alimento. O bovino vai ser levado para o abate, o suíno também, e ambos serão vendidos no frigorífico. Zootecnia é produção animal. O curso vai ensinar tudo o que for necessário para criar um animal: a alimentação, o manejo em um pasto, o melhoramento genético, a reprodução, o agronegócio. Você se pergunta: produzir o quê? Qualquer coisa que seja utilizada para o homem, de mel de abelha a búfalo, passando pela criação de frangos, aves, cabras, ovelhas, carneiros até o gado de leite e de corte. Até animais silvestres, como avestruz, entram no rol das espécies. Nenhum outro profissional conhece tão bem técnicas de abate e de inseminação artificial quanto o zootecnista. Ovos sem colesterol e carne de porco light são exemplos do que pode fazer a pesquisa genética em busca de alimentos mais saudáveis. O campo da ciência que se preocupa com aspectos com esse da produção animal é a zootecnia.

Zootecnistas são profissionais que também trabalham também como administradores rurais e planejadores de fazendas e instalações rurais.

As oportunidades de trabalho estão em cooperativas de criadores, fazendas, empresas de agropecuária, frigoríficos, órgãos de pesquisa e consultoria, universidades e instituições de extensão rural. As indústrias de ração e os laboratórios de medicamentos e vitaminas contratam o zootecnista, especialmente se ele tiver conhecimentos em agribusiness e promoção de vendas. O crescimento do consumo do leite longa vida e seus derivados, produzidos principalmente por empresas multinacionais, aumenta as chances de trabalho. Crescem também as oportunidades na área de piscicultura, graças à multiplicação de empresas do tipo “pesque e pague”, que precisam de especialistas em produção. Numa escala menor, zoológicos buscam zootecnistas para cuidar do manejo e da nutrição dos animais e mesmo o turismo ecológico já começa a mostrar interesse por esse profissional. Boa parte dos recém-formados, filhos de agricultores, acaba trabalhando por conta própria, em empresas familiares. Na área de suinocultura, que conta com as novas tecnologias para aumento de produção e oferta de trabalho. Estão estagnadas as áreas de criação de rãs, cuja carne é pouco consumida, e de bicho-da-seda, pela falta de cultura do consumo do produto no país. A caprinocultura, ovinocultura e criação de animais silvestres tendem a crescer, especialmente nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

Apesar das frentes que se abrem em tantas áreas, a Zootecnia passa por momentos difíceis. Não há políticas governamentais que incentivem a transferência de tecnologia para o setor produtivo. Com isso, os pequenos agricultores são os mais prejudicados.

O crescimento da agropecuária é diretamente proporcional ao aquecimento da economia. Basta ver o que acontece com a avicultura: o aumento do consumo de carne de frango, de 8 quilos para 30 quilos per capita em um ano, provocou uma expansão no setor. Se o país retomar o crescimento e oferecer empregos em todos os setores, aumentará o número de consumidores de produtos de origem animal, hoje restritos a apenas 30% da população.

O curso

Duração média: cinco anos.
Os fundamentos da zootecnia são oferecidos a partir do terceiro ano, em matérias como parasitologia, melhoramento genético e bioclimatologia, além de técnicas de manejo de rebanhos e de criações. O aluno também entra em contato com o processo de fabricação de alimentos de origem animal. Algumas faculdades incluem no programa o estudo de espécies silvestres que têm o consumo regulamentado no país - jacaré e javali, por exemplo. Outra opção é a carreira com ênfase em Sistemas Orgânicos de Produção Animal. Para obter o diploma é obrigatório fazer um estágio supervisionado e apresentar o trabalho de conclusão de curso. No país, de acordo com dados do Ministério da Educação (MEC), existem 88 cursos de zootecnia. Segundo norma do Conselho Nacional de Educação, a graduação precisa ter duração mínima de cinco anos – mas algumas instituições oferecem a possibilidade de formação em quatro anos e meio, com estudos em período integral. O curso é composto de 60% de aulas teóricas e 40% de aulas práticas. Na USP, por exemplo, o campus é uma fazenda em Pirassununga e o estudante tem contato direto com os animais.

Currículo básico: Experimentação Física, Climatologia Animal, Biologia Geral, Botânica, Ciências Humanas e Sociais, Ciências do Meio Ambiente, Solos, Higiene dos Animais e de Instalações, Produção e Nutrição Animal, Instalações Zootécnicas, Pastagens e Plantas Forrageiras, Fisiologia da Reprodução, Zoologia, Economia e Administração Rural. Conhecimentos de informática e administração completam sua formação. Os primeiros semestres são carregados por disciplinas básicas e depois é que começam as cadeiras relacionadas à profissão. Para se formar também é necessário realizar um estágio supervisionado e confeccionar uma monografia de conclusão.

Aptidões desejáveis: É preciso ter aptidão mecânica e numérica, ter interesse por atividades científicas além de iniciativa e meticulosidade.

Principais áreas da formação
Há dois troncos principais que norteiam a graduação: melhoramento genético e nutrição animal. O melhoramento é para ter raças ou tipos que produzam mais e melhor com a menor quantidade de comida. Já a nutrição busca a melhor dieta. Um exemplo bem claro do melhoramento genético no dia-a-dia é a carne de porco. Hoje em dia, a carne de suíno é mais light. Há uns 20 anos, vinha uma manta de gordura. Com o manejo e com a genética se descobriu uma forma de o porco acumular mais músculo em vez de gordura.

Especializações:
Nutrição de ruminantes
Produção Sustentável em Ruminantes


A profissão é regulamentada e responde ao Conselho Federal de Medicina Veterinária. Para exercer a carreira, o zootecnista deverá se registrar no cnselho profissional de sua região. De acordo com a Associação Brasileira de Zootecnistas (ABZ), estima-se que 15 mil zootecnistas atuem no país. No entanto, somente metade tem registro no conselho profissional.

MERCADO DE TRABALHO

O mercado está aquecido na região Centro-Oeste e deve continuar assim pelos próximos anos, principalmente porque o agronegócio tem sido o motor da economia da região. Devido aos incentivos fiscais e ao preço mais baixo dos grãos, muitas empresas de alimentos, como Sadia e Perdigão, abriram filiais no Centro-Oeste, onde existem muitas vagas nos grandes frigoríficos.

No Nordeste, as melhores oportunidades estão na criação de caprinos, ovinos e avestruzes, e também na de peixes e camarões.

No sul do Brasil e nos estados de Mato Grosso e Rondônia, surgem empregos em fazendas e propriedades rurais, cuidando do planejamento rural e da saúde animal. O segmento da carne orgânica (em que os animais são criados com uso restrito de hormônios e medicamentos), embora ainda incipiente, também começa a ganhar espaço, pois cresce o número de pessoas que se preocupam com uma alimentação mais saudável. Isso deve aumentar a demanda por profissionais de zootecnia nos próximos anos.

Na região Sudeste, há um crescimento no mercado de caprinos e ovinos e poucos técnicos especializados para ocupar as vagas. No Sul, aumenta a criação de ovelhas para produção industrial de lã.

Nas áreas urbanas das duas regiões, há perspectivas de trabalho em laboratórios de pesquisa e biotecnologia, em empresas de exportação de produtos de origem animal e em companhias de informática, no desenvolvimento de softwares gerenciais específicos para o setor.

ÁREAS DE ATUAÇÃO

Animais silvestres Administra a alimentação e cuida da preservação de espécies silvestres criadas para abate, como jacaré, javali, avestruz. Atua em zoológicos.
Comércio Orienta o consumidor na escolha e na compra de rações e medicamentos para os animais.
Melhoramento genético Faz a avaliação genética e desenvolve técnicas de cruzamento e inseminação artificial para garantir rebanhos mais saudáveis, férteis e produtivos.
Nutrição e alimentação animal Formula e desenvolve suplementos alimentares em indústrias de ração e de vitaminas. Controla a qualidade dos alimentos usados na nutrição animal e dá orientação técnica ao cliente na escolha de rações.
Planejamento e administração rural Planeja e organiza projetos de criação de animais em fazendas, para aumentar a produtividade dos rebanhos e minimizar os custos de produção.
Saúde animal Cuida da saúde de rebanhos, supervisionando as condições de higiene, a aplicação de vacinas e remédios e as condições ambientais.

O piso salarial é o estipulado para médicos veterinários, que é de seis dalários mínimos, por seis horas de trabalho diárias, o equivalente em valores atuais a R$ 2.480,00. No entanto, segundo a Associação Brasileira de Zootecnistas (ABZ), o salário fica a cargo da empresa e da função. É comum um profissional ganhar entre R$ 5 mil e R$ 10 mil.


Comentários



Veja mais artigos de Agrarias

  • Agronomia

    Conheça a carreira em Agronomia: o que faz o profissional, onde estudar, mercado de trabalho e outras informações.

  • Engenharia de horticultura

    São os conhecimentos usados no cultivo de plantas medicinais e ornamentais, na silvicultura e na produção de hortifrutigranjeiros. Esse pro

  • Engenharia agrícola

    O Engenheiro Agrícola tem um perfil parecido com o do agrônomo: ambos gostam da engenharia civil e da agronomia. O que os diferencia é que

<< Outros artigos de profissoes

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: