dcsimg

A Casa do Girassol Vermelho, de Murilo Rubião


No Brasil, Murilo Rubião é um dos pioneiros do conto fantástico, que se destacou na década de 70, por influência de alguns escritores latino-americanos. Mas a linhagem é clássica, machadiana, enveredando quase sempre pelo clima da fantasia. Em 1978, publicou o livro de contos A Casa do Girassol Vermelho.

A mais notável característica da obra de Murilo Rubião é o uso de epígrafes bíblicas que se desdobram num jogo intertextual: uma leitura inicial e isolada revela apenas o referente bíblico ou poético, já uma leitura mais atenta e crítica permite traçar uma profunda interdependência alegórica entre epígrafe e conto.

A contragosto, eis como os personagens de Murilo vivem ou narram os acontecimentos: gostariam de poder escapar da história em que foram lançados. E, além de viverem a contragosto, elaboram o discurso correspondente. Narram-se as descobertas pertencentes a um mundo não muito bom, e a condição de prisioneiro. A questão não interessa apenas aos personagens, atinge de cheio os leitores, que se sentem também prisioneiros.

Exemplo marcante do a contragosto é A casa do girassol vermelho. Os personagens movem-se dentro de um espaço fechado, um lugar atrasado, distante da civilização, em "imensos jardins longe da cidade e do mundo". O único espaço externo que nos damos conta é a vila onde anteriormente moravam os filhos adotivos de D. Belisária. Quando a história está para ser concluída, um trem passa lembrando aos membros da tribo que no mundo há mais alguém. Mas a lembrança nada traz. Naquele momento, coisa alguma poderia dar sentido aos acontecimentos.

A casa do girassol vermelho é o espaço onde se desenrolam os acontecimentos: campo, distante da vila, afastado da cidade. É ao mesmo tempo as pessoas que aí vivem, um tipo social. A brutalidade de Simeão e de Surubi parece ser própria do lugar.

O trem é o espaço em movimento. Não sabemos para de onde vem e nem quem são os passageiros. Ele é rápido e termina por captar alguma coisa da vida dos habitantes da casa de Simeão. O trem transporta ao menos o olhar do narrador: "Além de nós, havia no mundo mais alguém".

A casa do girassol vermelho se passa no meio rural. Seus personagens são seres do mundo agreste. Tudo neles é extremado, sem limites, refinamento e urbanidade. São incivilizados. São mais próximos da natureza. Um mundo de necessidade e escassez. Mundo ao mesmo tempo da orgia, da festa e da punição, da perversão sexual. O grupo é tribal: Simeão e Belisária são pais adotivos dos dois grupos de irmãos. O jogo da sexualidade oscila entre a mais completa repressão (Belisária morre virgem porque "o marido considerava pecado o ato sexual" e Xixiu mergulha na represa para aí desaparecer) e a mais completa permissividade (incestos etc.) Nesse universo, a morte dos pais significa libertação e é festejada.

Antes da passagem do trem, Xixiu mergulhara e desaparecera na represa: "...fora ao encontro de Simeão", o repressor, que morrera na véspera, para o último e verdadeiro combate. O mergulho também é uma forma de deslocamento, como o trem.

Após a morte de Simeão, os filhos comemoram dançando: a casa respirava uma alegria desvairada". Surubi, o narrador, afirma que "Todos os acontecimentos alegres da nossa existência eram comemorados com bailados coletivos".

É notável o determinismo natural a que estão submetidos os personagens. Para exercer o controle sobre os filhos, Simeão separa os homens das mulheres e vigia-os. Xixiu, o mais perseguido, é também o mais vigilante com relação à irmã. Simeão controla os instintos, a natureza interna do homem. Simeão é, assim, alguém que se considera responsável pela formação dos outros personagens, assim como o professor em Os dragões e o narrador de Teleco, o coelhinho.

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: