Auto da Barca da Glória, de Gil Vicente

  • Data de publicação

O Auto da Barca da Glória, pertencente à Trilogia das Barcas juntamente com Auto da Barca do Inferno e Auto da Barca do Purgatório. Foi escrito por Gil Vicente em 1519, inspirado na Divina comédia, de Dante.

Da mesma forma que os outros dois autos, o Auto da Barca da Glória se debruça sobre a temática do julgamento das almas após a morte, com a representação alegórica de duas barcas que conduzem os mortos ao Paraíso ou ao Inferno, segundo os seus comportamentos em vida.

O Auto da Barca da Glória teve a sua estréia no ano de 1519 em Almeirim para D. Manuel I. Além dos Diabos e Anjos, este auto conta com a presença da Morte que vai trazendo consigo os remadores celestiais por ordem hierárquica ascendente de nobreza (o Conde, o Duque, o Rei e o Imperador) e eclesiástica (o Bispo, o Arcebispo, o Cardeal e por fim o Papa). O diabo a todos faz acusações e estão na eminência da condenação, mas Cristo a todos salva. Encontram-se referências ao Livro de Jó, da Bíblia. Alguns autores admitem que a comédia moral de Lope de Vega, Viagem da Alma tenha sido inspirada por este auto. Auto, como os demais da Trilogia, mostra o clero, devasso e descuidado do cumprimento dos seus deveres religiosos.

O texto seguinte é apenas um simples resumo do auto original.

Cena I - v. 1 a 147

O Diabo pergunta à Morte porque que é que esta só lhe traz gente humilde e simples, "os ricos e honrados não aparecem!". Entra, então, a primeira personagem, um conde próspero. O Diabo acusa-o de ter gozado bem a vida. Apesar de denunciar todos os vícios do Conde, este está predestinado a ser absolvido, como todas as outras personagens, pois pertence à classe dos mais altos dignatários das instituições civis e eclesiásticas.

Cena II - v. 148 a 240

A personagem seguinte é um Duque que foi severamente acusado pelo Diabo. Por muita cortesia que esta personagem exija, ela terá que entrar na Barca do Diabo. A daymara também.

Cena III - v. 241 a 328

Segue-se o Rei, que também irá prosseguir para o Inferno, uma vez que pecou, não respeitando os humildes:

Porque fostes adorado
sem pensar que éreis da terra,
como os grandes mui irado,
dos pequenos descuidado.

Cena IV - v. 329 a 408

Entra o Imperador que, ao vangloriar-se dos seus feitos, nada heróicos, é conduzido à Barca do Inferno. Em vida foi cruel e extravagante.

Cena V - v. 409 a 529

Começa a entrar a classe eclesiástica, sendo a primeira personagem o Bispo. Este vem muito cansado e dirige-se à Barca do Inferno para descansar. Apesar de acreditar em Cristo, levou uma vida de pecado.

Cena VI - v. 530 a 629 Entra o Arcebispo, que em vida tratara mal os pobres e desamparados, explorando-os monetariamente. É, por isso, enviado para o Barca do Inferno.

Cena VII - v. 630 a 706

Entra o Cardeal, que não é perdoado pelo Diabo, que o chama de "Vossa Pertinência".

Cena VIII - v. 707 a 816

A última personagem a entrar é o Papa, que pecou por usar da luxúria e da soberba. Os remorsos de nada lhe servem para se salvar do seu destino: as chamas ardentes.

Comentários

Siga-nos:

Confira no Passeiweb

  • O primeiro voo do Homem no espaço

    Em 12 de abril de 1961 o homem decolava, pela primeira vez, rumo ao espaço. Em 2011, no aniversário de 50 anos deste fato, ocorreram comemorações no mundo inteiro e, principalmente, na Rússia.
  • Tsunami

    Tsunami significa "onda gigante", em japonês. Os tsunamis são um tipo especial de onda oceânica, gerada por distúrbios sísmicos.
 

Instituições em Destaque

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo:
 
 
 
-

Notícias e Dicas - Vestibular

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas do Vestibular e dicas de estudo: