Casa-Grande e Senzala, de Gilberto Freyre

  • Data de publicação

Nos tempos de estudante, no exterior, Gilberto Freyre verificara que no sabia o que era o Brasil. Os colegas europeus, asiticos, africanos e americanos tinham perfeita noo do que era seu pas e sua nacionalidade. Mas ele apesar de conhecer bem os principais autores nacionais, achava que nenhum deles lhe dava a idia do que era o Brasil e do que era ser brasileiro. Da que lhe veio a idia de se descobrir e de descobrir o que era o seu pas. A idia tomou corpo na Universidade de Stanford, na Califrnia, onde foi convidado para dar dois cursos sobre o Brasil, um de bacharelado e outro de doutorado. Teve, ento, de sistematizar uma sntese do Brasil para estudantes americanos de primeira ordem, pois Stanford a universidade americana mais seletiva, social e intelectualmente. Nascia ento Casa-Grande e Senzala.

A obra um painel gigantesco da nossa formao. No se trata apenas de um registro das matrizes tnicas e sociais que fundamentaram a atividade exploratria no pas, e sim de uma espcie de romance do Brasil pr-capitalista. Com legtima vocao de romancista, o socilogo Gilberto Freyre pesquisou infinitas fontes primrias, leu tudo: relatos de viagens, dirios de senhores de engenho, sermes, cartas comerciais e privadas, estatsticas mdicas, milhares e milhares de documentos aparentemente inteis. Com a maior sem cerimnia, penetra na vida cotidiana dos sculos passados, surpreendendo num bilhete de alcova ou num registro testamentrio a mentalidade da poca. Descreve os ambientes, os modos de existncia familiar, a rotina de um sistema que, alm de sua rbita econmica, sedimentou os valores mais profundos da civilizao brasileira, pelo menos durante trs sculos.

Em nenhuma outra lngua existe trabalho to minucioso, to copioso em informaes. Lemos Casa-Grande e Senzala como quem lesse uma grande obra narrativa. Para isso contribui a habilidade verbal de Freyre que estabelece o que, em literatura, se chama estilo. Ele tem um estilo sugestivo e brilhante, uma volpia no trato com a palavra. Os efeitos de linguagem tornam-se visveis a todo o instante.

Alguns crticos afirmam que uma obra puramente regionalista, que retrata as razes do homem nordestino e no do homem brasileiro. Mas Gilberto Freyre afirma: "O livro d ateno a Pernambuco, sobretudo, porque em Pernambuco comeou a haver civilizao no Brasil. No foi em So Paulo. Em So Paulo, fundou-se um engenho no Sculo XVI. Enquanto se fundava esse engenho, perto de Santos, surgia uma constelao de engenhos e casas grandes em Pernambuco, constituindo a verdadeira raiz do Brasil. Esta a tese de Casa-Grande e Senzala, pois a famlia - e no o governo ou a igreja - que foi a raiz brasileira, cuja fora germinal voc encontra aqui, e no em outro lugar do Brasil. Essa crtica de gente do sul e voc sabe como so exclusivistas. Eles querem que tudo tenha comeado por l. Veja bem. Eu admiro o bandeirante, mas ele foi um nmade, de pouca fixao. A fixao em algum ponto do Brasil - vamos dizer, vertical - comeou do Nordeste brasileiro. Da, o smbolo casa-grande e senzala ser muito importante, pois foi uma fixao natural. A casa grande era aceita no s como residncia, mas tambm como banco, escola e uma srie de funes."

O trao conservador quase reacionrio reside na exaltao da figura do senhor patriarcal nordestino. Verdade que o autor no lhes esconde os vcios, as mazelas morais e a violncia: eles mandam nas terras, nos engenhos e nos homens com a mesma ferocidade. S que Gilberto Freyre v neles (inclusive por causa de sua brutalidade) o fator fundamental para a implantao de um novo processo civilizatrio no pas. No poupa tintas cruis para descrever os horrores da escravido, mas afirma que a estrutura escravocrata era ainda melhor que a capitalista.

A ambigidade deste posicionamento felizmente submerge na quantidade de acertos que o texto revela. Em pleno apogeu das teorias racistas que imputavam a negros, ndios e mestios a razo maior do atraso nacional, o autor celebra o papel essencial das etnias dominadas na formao do pas. Chega a afirmar que os negros forma mais importantes para a colonizao do que seus donos. Descobre e exalta a fora vital dos escravos: sua capacidade de resistncia ao meio hostil e suas habilidades tcnicas e agrcolas. Isso que hoje nos parece bvio, era uma heresia em 1933.

Tambm o ndio recebe elogios. No se trata de um selvagem bronco e incapaz. Ao contrrio, em muitos sentidos superior ao conquistador branco. Na limpeza, por exemplo, enquanto os europeus eram sujos e repulsivos, os nativos chegavam a banhar-se dez vezes ao dia. O socilogo pernambucano mostra os ndios como vtimas, no apenas dos colonizadores, mas tambm dos jesutas que teriam praticado uma espcie de extermnio indireto das populaes locais.

Gilberto Freyre rompe com a ideologias racistas vigentes e canta a miscigenao como elemento chave da conquista do trpico. o idelogo da mestiagem: ao se entregarem luxria com ndias e negras, os portugueses teriam estabelecido um aspecto democratizador nas relaes tnicas do Brasil. O inverso, por exemplo, dos ingleses na colonizao da Amrica do Norte.

A prpria durabilidade da expanso portuguesa no Brasil atribuda tanto ao furor gensico do colonizador luso, um garanho desbragado, um tipo super-excitado sexualmente e que tinha a sua disposio os corpos das escravas, quanto a um hipottico projeto geopoltico do Estado portugus, preocupado com a falta de braos para a atividade colonial.

O sexo sem limites e a conseqente mestiagem teriam possibilitado a adaptao e o triunfo da civilizao europia em meio s dificuldades oferecidas pelo contexto tropical. E ainda por cima teriam gerado um clima de abrandamento dos rigores morais catlicos, fazendo emergir um ambiente sensual e sem preconceitos, ao ponto de doenas venreas passaram a ser, na cultura brasileira, fatos socialmente aceitos:

"A sfilis sempre fez o que quis no Brasil patriarcal. Matou, cegou, deformou vontade. Fez abortar mulheres. Levou anjinhos para o cu. Uma serpente criada dentro de casa sem ningum fazer caso de seu veneno. O sangue envenenado rebentava em feridas. Cocavam-se ento as perebas, tomavam-se garrafadas, chupava-se caju. (...) No ambiente voluptuoso das casas-grandes, cheias de crias, mulecas, mucamas que as doenas venreas se propagaram mais vontade atravs da prostituio domstica sempre menos higinica que a dos bordis. Em 1845, Lassance cunha escrevia que o brasileiro no ligava importncia sfilis, doena como que hereditria e to comum que o povo a no reputa um flagelo, nem tampouco a receia.

Um dos aspectos mais progressistas do pensamento de Gilberto Freyre sua reao contra as teorias climticas, muito em voga na poca. Segundo elas, haveria uma impropriedade natural do trpico para a efetivao de um verdadeiro processo civilizatrio. Ou seja, o clima nos condenaria eternamente penria. O autor refuta essas concepes, conferindo uma dimenso apenas secundria questo do meio natural e privilegiando, em suas anlises, as motivaes sociais, econmicas e, sobremodo as culturais para explicar a origem dos principais impasses brasileiros.

Claro que Casa-Grande e Senzala no est isenta de contradies. O pensador revolucionrio e o filho do senhor de engenho coexistem em sua escrita. No existe no texto um modelo sistemtico e coerente de investigao da realidade.

Enredo

Casa-Grande e Senzala, alm de um extraordinrio ensaio sociolgico sobre a identidade nacional brasileira, uma notvel obra literria. Parte do seu prestgio deve-se a suas qualidades estilsticas, ao vigor e brilho com a qual o autor descreve a vida colonial, mas a razo principal que o explica constituir-se em obra ideolgica fundamental da nao brasileira enquanto a define como nao mestia, fruto da miscigenao do portugus com o ndio e o negro. Freyre descreve com uma infinita riqueza de pormenores alguns aspectos da vida colonial. Sua preocupao bsica com o sexo e a miscigenao, mas ele trata tambm da vida familiar, da alimentao, da educao, das crenas relacionadas educao das crianas, e de uma infinidade de outros temas.

A vida ou a formao colonial brasileira apresentada como um processo de equilbrio de antagonismos. Antagonismos de economia e de cultura. A cultura europia e a indgena. A europia e a africana. A africana e a indgena. A economia agrria e a pastoril. A agrria e a mineira. O catlico e o herege. O jesuta e o fazendeiro. O bandeirante e o senhor de engenho. O paulista e o emboaba. O pernambucano e o mascate. O grande proprietrio e o pria. O bacharel e o analfabeto. Mas predominante sobre todos os antagonismos, o mais geral e o mais profundo: o senhor e o escravo.

Mas no se imagine que dos antagonismos surja a guerra. Pelo contrrio, o que temos essencialmente a harmonia. Entre tantos antagonismos contundentes, amortecendo-lhes o choque ou harmonizando-os, (temos) condies de confraternizao e de mobilidade social peculiares ao Brasil: a miscigenao Hbrida desde o incio, a sociedade brasileira de todas da Amrica a que se constituiu mais harmoniosamente quanto s relaes de raa: dentro de um aproveitamento de valores e experincias dos povos atrasados pelo adiantado; no mximo de contemporizao da cultura adventcia com a nativa, da do conquistador com a do conquistado. No apenas o nosso carter mestio que se legitima. todo o carter nacional: flexvel, harmonioso seno fraterno. Havia por parte das elites brasileiras um complexo de inferioridade de base racista. Gilberto Freyre resgata a miscigenao, e a transforma, com propriedade e coragem, no fundamento da formao social brasileira. E permite que as elites brasileiras passem a se orgulhar de seu p na cozinha. Mas Freyre paga um preo por essa tese. Embora afirme e reafirme que no nos interessa, porm, seno indiretamente, neste ensaio o aspecto econmico ou poltico da colonizao portuguesa do Brasil, o fato que seu livro tem implicaes econmicas e polticas profundas. Para afirmar sua tese da harmonia social e racial, Freyre transforma a colonizao portuguesa em um grande xito, e os colonizadores portugueses em heris que triunfaram onde outros europeus falharam: de formao portuguesa a primeira sociedade moderna constituda nos trpicos com caractersticos nacionais e qualidade de permanncia pela hibridizao realizaram no Brasil obra de verdadeira colonizao, vencendo as adversidades do clima.

Freyre mostra a semelhana da colonizao portuguesa com a inglesa do Sul dos Estados Unidos (prefcio). Por outro lado, faz a distino com a colonizao inglesa nos EUA, que encontrou clima frio semelhante ao ingls, e a colonizao portuguesa que iria enfrentar um clima tropical. E, com brilho, ridiculariza o complexo de superioridade nrdico. Os anglo-americanos, definidos por um certo Bogart como um virile, energetic people fracassaram nas suas tentativas de colonizao dos trpicos enquanto os weak, easy loving portugueses tiveram xito.

O segundo captulo, sobre o papel dos indgenas na formao social brasileira permite a Freyre desenvolver sua tese apoiada na miscigenao. A miscigenao continua central, mas, neste captulo, assume carter de verdadeira intoxicao sexual, que, segundo Freyre, teria caracterizado o primeiro sculo de colonizao.

A idia geral do captulo simples: os homens ndios foram inteis, porque, provindos de povo nmade, e no tendo hbito do trabalho, que era realizado pelas mulheres, no se sujeitaram ou, melhor, no tiveram competncia para serem escravos; j as mulheres ndias foram muito teis como procriadoras caboclas. Oferecidas para o colonizador portugus supriram o grande problema da colonizao: a falta de mulheres brancas. Assim, a mulher ndia seria a base da famlia brasileira. Enquanto a contribuio do homem ndio para a agricultura foi insignificante.

Freyre no ignora que quem escravizava os ndios e os matava eram os portugueses e mamelucos, os bandeirantes paulistas, a servio dos plantadores de acar. Os portugueses legitimaram sua violncia contra os ndios considerando-os hereges, e chamando-os de bugres que, como ou pior do que o termo gentio, estava impregnado da mesma idia pegajosa de pecado imundo. Os portugueses, escravocratas, consideravam os ndios escravos peas. Freyre admite mesmo que os jesutas defenderam os ndios contra essa violncia. Mas insiste no carter artificial das misses jesutas. Na passagem de seu trabalho missionrio de uma fase herica para outra comercial. E na sua condenao veemente, inclusive porque nunca defenderam as negras como defenderam as ndias.

Na verdade, o partido de Freyre muito claro: so os senhores de engenho, que, em certos momentos, ele identifica com os cafeicultores. So, portanto, os senhores de escravos. Estes so seus heris. Estes so seus aristocratas: A colonizao do Brasil se processou aristocraticamente; O aristocrata brasileiro do litoral de Pernambuco e do Recncavo Quem for de alguma forma contra eles e os jesutas o foram sero seus inimigos.

Freyre distingue os jesutas das demais ordens. Enquanto os padres destas ordens se acomodam ao domnio e servem os senhores de engenho, participam do processo geral de miscigenao, os jesutas os desafiam. Freyre observa o fato, e no o perdoa. O trabalho missionrio centrado no curumim, o menino ndio. O captulo tem tambm interessantssimas informaes sobre natureza de cultura ndia, s sobre a influncia ndia sobre a cultura brasileira.

O terceiro captulo, O Colonizador Portugus: Antecedentes e Predisposies, apresenta uma fascinante anlise das origens sociais dos portugueses. Mas volta a suas teses centrais o elogio da miscigenao, o xito da colonizao, as grandes qualidades dos portugueses, o carter aristocrtico da colonizao. E faz uma anlise equivocada e contraditria da decadncia portuguesa, que atribui ao mercantilismo e ao abandono da agricultura. Ora, Portugal s foi grande, no sculo XV at meados do XVI, enquanto foi a primeira nao burguesa e comercial da Europa. Como ele prprio reconhece, estancadas as fontes asiticas de opulncia, o pas decai. No obstante, Freyre insiste no captulo em criticar a orientao comercial tomada por Portugal. E quem so os culpados? Os judeus: agrria a sua formao nacional, depois pervertida pela atividade comercial dos judeus e pela poltica imperialista dos reis, estes associados aos judeus. (Freyre usa imperialista por colonialista).

H no captulo excelente anlise da influncia rabe e do papel da cultura morabe (rabes convertidos ao cristianismo) na cultura portuguesa. H tambm o elogio das grandes corporaes religiosas, com exceo dos jesutas.

E h uma frase muito significativa sobre o patrimonialismo burocrtico de Portugal, ou de como a monarquia valeu-se de uma classe mdia de letrados para libertar-se das presses do clero e dos antigos senhores territoriais. A frase, citada de Varnhagen, a seguinte:"Essa magistratura letrada, por seu saber, por seus enredos, sua atividade, sua loqela e a proteo que lhe davam as Ordenaes, redigidas por indivduos de sua classe, vem, pelo tempo adiante, a predominar no pas, at alistar-se no nmero de seus primeiros aristocratas, depois de haver em geral hostilizado a classe antes de chegar a ela.

Finalmente, h neste captulo a justificao quase explcita da escravido. No caso brasileiro, porm, parece-nos injusto acusar o portugus de ter manchado, com instituio que hoje tanto nos repugna, sua obra grandiosa (sic) de colonizao tropical. O meio e as circunstncias exigiriam o escravo Para alguns publicistas foi um erro enorme (escravizar o negro). Mas nenhum nos disse at hoje que outro mtodo de suprir as necessidades do trabalho poderia ter adotado o colonizador portugus no Brasil Tenhamos a honestidade de reconhecer que s a colonizao latifundiria e escravocrata teria sido capaz de resistir aos obstculos enormes que se levantaram civilizao do Brasil pelo europeu. S a casa-grande e a senzala. O senhor de engenho rico e o negro capaz de esforo agrcola e a ele obrigado pelo regime de trabalho escravo.

Freyre um mestre da dialtica. Esta provavelmente um dos seus segredos. Uma das razes pelas quais seu ensaio to notvel. Ele trata de um tema imensamente complexo: a sociedade no Brasil colonial e imperial. E para isto ele faz afirmaes contraditrias, mas todas elas com elementos importantes de verdade. No apenas que a escravido terrvel mas necessria. No apenas que houve grande harmonia entre brancos e negros. Em tudo a dialtica est presente. Mas no se tenha dvida, uma dialtica eivada de ideologia conservadora e justificadora.

Depois de narrar os horrores a que os senhores e, principalmente, as sinhs, infligiam a seus escravos, e de defender as negras e mulatas contra a acusao de terem corrompido os brancos, afirma Freyre com grande clareza: A verdade, porm, que ns que fomos os sadistas, o elemento ativo na corrupo da vida de famlia; e moleques e mulatas, o elemento passivo. O que no o impede, algumas pginas alm afirmar com toda sem-cerimnia, a tendncia genuinamente portuguesa e brasileira, que foi sempre no sentido de favorecer o mais possvel a ascenso social do negro.

Os dois ltimos captulos de Casa-Grande e Senzala examinam com grande inteligncia e riqueza de informaes o escravo no vida sexual e de famlia dos brasileiros. A miscigenao continua central, uma tese interessante a do carter de seleo eugnica tomada por ela: os senhores escolhiam as escravas mais sadias e mais bonitas para cruzarem. Os padres, exceto os jesutas, tambm procriaram vontade, produzindo muitas vezes uma elite mulata.

Mas h muito mais nestes captulos finais: higiene ou sua falta, medicina e sade, indolncia, adoo pelas famlias escravas do nome de seus senhores, o amolecimento da lngua portuguesa exemplificado no me diga ao invs do diga-me, o furor nativista dos senhores adotando nomes indgenas depois da Independncia, testamentos, alforrias nos testamentos, enterros, analfabetismo das senhoras e sua virtude (discutvel), prostituio das negras a servio dos senhores. E sobre este tema uma frase notvel: a virtude da senhora branca apia-se em grande parte na prostituio da escrava negra.

Fragmento de Casa grande e Senzala

Todo brasileiro, mesmo o alvo, de cabelo louro, traz na alma, quando no na alma e no corpo h muita gente de jenipapo ou mancha monglica pelo Brasil a sombra, ou pelo menos a pinta, do indgena ou do negro. No litoral, do Maranho ao Rio Grande do Sul, e em Minas Gerais, principalmente do negro. A influncia direta, ou vaga e remota, do africano.

Na ternura, na mmica excessiva, no catolicismo, em que se deliciam nossos sentidos, na msica, no andar, na fala, no canto de ninar menino pequeno, em tudo que expresso sincera de vida, trazemos quase todos a marca da influncia negra. Da escrava ou sinhama que nos embalou. Que nos deu de mamar. Que nos deu de comer, ela prpria amolengando na mo o bolo de comida. Da negra velha que nos contou as primeiras histrias de bicho e de mal-assombrado. Da mulata que nos tirou o primeiro bicho-de-p de uma coceira to boa. Da que nos iniciou no amor fsico e nos transmitiu, ao ranger da cama-de-vento, a primeira sensao completa de homem. Do muleque que foi o nosso primeiro companheiro de brinquedo.

J houve quem insinuasse a possibilidade de se desenvolver das relaes ntimas da criana branca com a ama-de-leite negra muito do pendor sexual que se nota pelas mulheres de cor no filho-famlia dos pases escravocratas. A importncia psquica do ato de mamar, dos seus efeitos sobre a criana, na verdade considerada enorme pelos psiclogos modernos; e talvez tenha alguma razo Calhoun para supor esses efeitos de grande significao no caso de brancos criados por amas negras. ()

verdade que as condies sociais do desenvolvimento do menino nos antigos engenhos de acar do Brasil, como nas plantaes ante-bellum da Virgnia e das Carolinas do menino sempre rodeado de negra ou mulata fcil talvez expliquem, por si ss, aquela predileo. Conhecem-se casos no Brasil no s de predileo mas de exclusivismo homens brancos que s gozam com negra. De rapaz de importante famlia rural de Pernambuco conta a tradio que foi impossvel aos pais promoverem-lhe o casamento com primas ou outras moas brancas de famlias igualmente ilustres. S queria saber de mulecas. Outro caso, referiu-nos Raoul Dunlop de um jovem de conhecida famlia escravocrata do Sul: este para excitar-se diante da noiva branca precisou, nas primeiras noites de casado, de levar para a alcova a camisa mida de suor, impregnada de budum, da escrava negra sua amante. Casos de exclusivismo ou fixao. Mrbidos, portanto; mas atravs dos quais se sente a sombra do escravo negro sobre a vida sexual e de famlia do brasileiro.

No nos interessa, seno indiretamente, neste ensaio, a importncia do negro na vida esttica, muito menos no puro progresso econmico, do Brasil. Devemos, entretanto, recordar que foi imensa. No litoral agrrio, muito maior, ao nosso ver, que a do indgena. Maior, em certo sentido, que a do portugus.

Comentários

Siga-nos:

Confira no Passeiweb

  • O primeiro voo do Homem no espaço

    Em 12 de abril de 1961 o homem decolava, pela primeira vez, rumo ao espaço. Em 2011, no aniversário de 50 anos deste fato, ocorreram comemorações no mundo inteiro e, principalmente, na Rússia.
  • Tsunami

    Tsunami significa "onda gigante", em japonês. Os tsunamis são um tipo especial de onda oceânica, gerada por distúrbios sísmicos.
 

Instituições em Destaque

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo:
 
 
 
-

Notícias e Dicas - Vestibular

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas do Vestibular e dicas de estudo: