Cronistas do Descobrimento, de Org. Antônio Carlos Olivieri e Marco Antonio Villa

  • Data de publicação

O livro Cronistas do Descobrimento é uma antologia organizada por Antônio Carlos Olivieri e Marco Antonio Villa, com introdução ponderada e didática, apresentando um panorama dos textos produzidos pelos cronistas do século XVI.

Os autores selecionaram passagens de mais de doze obras apresentando um panorama abrangente dos primeiros contatos dos europeus com o território brasileiro e com os povos indígenas, dando-nos oportunidade de conhecer fatos sobre o nascimento do Brasil através da palavra de quem viveu os acontecimentos. Os textos dos cronistas se parecem com uma grande obra de aventura, que nos surpreende a cada passo.

A obra reúne trechos começando pela Carta de Achamento de Pero Vaz de Caminha, e encontramos entre outros, trechos de obras de Hans Staden, cartas de jesuítas como José de Anchieta e Manuel da Nóbrega, além de Pero de Magalhães Gândavo. Narrativas menos citadas, como a do Piloto Anônimo e dos franceses Thevet e Léry são incluídas. São textos interessantes que apresentam as impressões de europeus sobre o país e seus habitantes.

A obra descreve os hábitos e as riquezas naturais do Brasil de quinhentos anos atrás; uma natureza rica em pau-brasil, árvores frutíferas, diversidade de animais que não eram conhecidos pelo homem europeu e que despertou o interesse de conhecer cada vez mais o que era realmente o Brasil. Com isso, começou-se um processo de exploração, retirando da nossa terra o que ela possuía de melhor, através do intenso trabalho dos índios, que entregavam nossas riquezas em troca de utensílios sem valor. A admiração dos portugueses pelos índios transformou-se em ambição e avareza, levando-os a acabar com a cultura indígena, provocando assim a aculturação: o índio abandona seus hábitos e costumes para absorver a cultura européia imposta a eles.

Gabriel Soares de Sousa, um dos cronistas cujo texto está inserido nesta obra, tece considerações críticas a respeito da liberdade excessiva dos índios, evidenciando uma sociedade livre, portanto não regida por leis de controle social, fato que dificultava o domínio mais prático e intensivo sobre o habitante local. O texto de Gabriel também nos revela o paradoxo sustentado no fato de que a catequese ou conversão do índio ao cristianismo não está relacionado a um estado de consciência de fé, por parte do Gentio.

Pode-se observar nos textos dos cronistas do descobrimento, que versam, em boa parte, sobre a questão do desrespeito às tradições culturais e intelectuais de um povo - basta lembrar a visão do índio como destituído de saber, de tradição e de cultura a reforçar a discriminação dos valores do povo conquistado, nas inúmeras cartas e nos relatos da época do descobrimento.

Comentários

Siga-nos:

Confira no Passeiweb

  • O primeiro voo do Homem no espaço

    Em 12 de abril de 1961 o homem decolava, pela primeira vez, rumo ao espaço. Em 2011, no aniversário de 50 anos deste fato, ocorreram comemorações no mundo inteiro e, principalmente, na Rússia.
  • Tsunami

    Tsunami significa "onda gigante", em japonês. Os tsunamis são um tipo especial de onda oceânica, gerada por distúrbios sísmicos.
 

Instituições em Destaque

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo:
 
 
 
-

Notícias e Dicas - Vestibular

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas do Vestibular e dicas de estudo: