dcsimg

Divã, de Martha Medeiros


A obra Divã é uma novela curta, um livro de transição entre a crônica e a ficção. É o primeiro livro em prosa de Martha Medeiros e foi publicado em 2002. Seus temas são: casamento, paixão, amor, morte e fidelidade.

Usando o procedimento literário de narrar sessões de terapia, uma conversa com seu psiquiatra, a autora passa a impressão de que o livro poderia ser literatura testemunhal.

Divã conta a história de Mercedes, uma mulher de 40 anos, moderna, inteligente, pragmática, divertida, super-feminina, casada, com dois filhos, com a vida estabilizada - que procura um psicanalista. Para Mercedes, a consulta começa como uma curiosidade e acaba por tornar-se numa experiência envolvente que vai pôr a descoberto as facetas que ela mais reprime. No consultório descobre-se uma mulher ciumenta, insegura, que dramatiza por tudo e por nada. Descobrem-se, também, as memórias que guarda religiosamente: o primeiro namorado, a amiga, as mulheres dos amigos do marido ou a namorada do filho. Nesta aventura, Mercedes conta com o apoio da amiga Mônica e do marido desta, Gustavo.

É interessante notar na estrutura do romance Divã, que os capítulos, curtos e condensados, são sessões de terapia, à busca do conhecimento de Mercedes e seu eu profundo. Cada capítulo tem uma temática diferente, alicerçada na mundividência da personagem central. Assim, os capítulos podem ser lidos estanques e/ou seqüentemente, sem perda de interesse ou profundidade. A estrutura lembra o "romance rosácea", como já foi chamado pela crítica especializada, Vidas Secas, de Graciliano Ramos: os capítulos são verdadeiros contos.

A coragem de desnudar-se diante do público, as confissões ousadas (adequadas, visto que "são" um monólogo com o terapeuta Lopes, - mero contraponto), metáforas notáveis, que concretizam o abstrato: o consultório é a alfândega que vai me dar o visto para passar para o lado mais oculto de mim. Não sei explicar direito. Acho que a terapia vai servir para tirar a clandestinidade da coisa, preciso de um aval para fazer esta alteração de rota (pg.13).

O foco narrativo na 1ª pessoa, o tom pretensamente confessional, a opção por mostrar seu lado incomum, crespo, o que, em geral, se esconde, tudo reforça uma intimidade sem jamais resvalar para o vulgar. Como diz a epígrafe da capa: "São muitas mulheres numa só, e alguns homens também. Prepare-se para uma terapia de grupo". Toda a narrativa de Martha Medeiros traz a transparência de uma verdade confessional: ficção da melhor qualidade. Mercedes é e não é Martha, o tempo todo. Impossível separá-las, saber qual é qual, quem é a máscara de quem. Todas as personagens secundárias são importantes para se conhecer Mercedes, que se atira à procura do auto-conhecimento abissal, sem volta, "sempre asfaltando uma nova estrada para mim, totalmente desfalcada de sinalização. Lopes, não encontro mais placa de PARE nos cruzamentos".

Os mergulhos profundos nas questões metafísicas mais complexas, a procura do eu essencial, de respostas que não existem ("Agora entendo que nunca estarei pronta", pg.154), a coragem de se olhar sem máscaras, o desprezo pelas convenções sociais, essa é a rota de Mercedes/Marta. Como em literatura nada é fortuito, mas deliberado, uma observação: M(ercedes), personagem, e M(artha), autora, têm as mesmas iniciais do nome e sobrenome da autora do romance.

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: