Invenção de Orfeu, de Jorge de Lima

  • Data de publicação

Em Invenção de Orfeu, último livro que Jorge de Lima publicou em vida, o autor combina o catolicismo, o elemento onírico e o surrealismo. É o documento literário da natureza barroca do Brasil.

A obra não nasceu na planificação da brasilidade; por isso mesmo, na sua força caótica e dispersa, é uma poderosa imagem deste país afro-europeu que carreia uma antiga cultura para enriquecer suas nascentes bárbaras.

O texto de Invenção de Orfeu é extremamente complexo e erudito. Apresenta diversas técnicas e faturas: poesias metrificadas e rimadas, outras em metro livre e verso branco, sonetos, canções, baladas, poemas épicos, líricos, poesias de carne e de sangue, poesias de infância, episódios surrealistas, esboços de dramas e de farsas. Propõe uma espécie de teodisséia (= odisséia para Deus) centrada na busca, pelo homem, de uma plenitude sensível e espiritual. ressalta a complexidade do estilo vazado num imenso leque de metros, ritmos e estrofações e em formas de difícil elaboração: oitavas clássicas, tercetos, sextinas etc.

Poema épico e subjetivo, longo em dez cantos fragmentários, Invenção de Orfeu une fragmentos de epopéias clássicas, como a Divina comédia, Eneida, Os Lusíadas e a própria Bíblia a elementos sociais nacionais. O autor constrói uma epopéia moderna e brasileira ao criar uma viagem na qual se depara com o Inferno, o Paraíso e algumas musas.

O  próprio poeta nos revela seus propósitos, na introdução do poema: - "Eu pretendi com este  livro, que é um poema só, único, dividido em 10 cantos, fazer a modernização da epopéia. Uma epopéia moderna não teria mais um conteúdo novelesco. Não dependeria mais de  uma história geográfica, nem, dos modelos, clássicos da epopéia. Verifiquei, depois da obra pronta e escrita, que quase inconscientemente, devido à minha entrega completa ao poema, que não só o Tempo como o Espaço estavam ausentes deste meu longo poema e que eu tinha assentado as suas fundações nas tradições gratas a uma epopéia brasileira, principalmente , as tradições remotamente lusas e camonianas."

SONETO DIDÁTICO

Nem tudo é épico e oitava rima.

(Jorge de Lima. Invenção de Orfeu)

Nem tudo conta em doze ou conta em dez

— a despeito do gênio desta língua.

Usar lira na 4ª, e tambores na 6ª

não preenche no amor a sua míngua.

Nem tudo se descreve arte maior

no decassílabo, que, mais se evita,

impõe-se em privação à nossa sede

— aqui vou, ali vais, gaita galega.

Penetra numa terra sem fronteiras

(sem armaduras e sem rimas raras)

e repousa naquelas altas leiras

a ouvir os imortais sussurros, fartos,

que sequer chegam à escrita em seus perjúrios

— abafados no horror dos sons espúrios.

CANTO PRIMEIRO (fragmento)

FUNDAÇÃO DA ILHA

II

A ilha ninguém achou
porque todos a sabíamos.
Mesmo nos olhos havia 
uma clara geografia.
Mesmo nesse fim de mar
qualquer ilha se encontrava, 
mesmo sem mar e sem fim
mesmo sem terra e sem mim

Mesmo sem naus e sem rumos, 
mesmo sem vagas e areias,
há sempre um copo de mar
para um homem navegar........

Comentários

Siga-nos:

Confira no Passeiweb

  • O primeiro voo do Homem no espaço

    Em 12 de abril de 1961 o homem decolava, pela primeira vez, rumo ao espaço. Em 2011, no aniversário de 50 anos deste fato, ocorreram comemorações no mundo inteiro e, principalmente, na Rússia.
  • Tsunami

    Tsunami significa "onda gigante", em japonês. Os tsunamis são um tipo especial de onda oceânica, gerada por distúrbios sísmicos.
 

Instituições em Destaque

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo:
 
 
 
-

Notícias e Dicas - Vestibular

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas do Vestibular e dicas de estudo: