dcsimg

Losango Cáqui, de Mário de Andrade


Composto em 1922, é, na confissão do autor, um diário em que se juntam rapsodicamente “sensações, idéias, alucinações, brincadeiras, liricamente anotadas”. Neste pot-pourri já se adverte uma das ciladas da concepção modernista (não moderna) de poesia: a falta prolongada de uma forte consciência estruturante que, em nome da espontaneidade, acaba resvalando no gratuito, no prolixo, no amorfo. Mas é um risco-limite, compensado por outros caracteres bem modernos e conscientes em Mário de Andrade, como a assunção do coloquial e do irônico no plano da escritura poética.

Em Máquina de Escrever, poema pertencente ao livro, Mário de Andrade busca a exploração do ritmo poético agora na quebra e no corte contínuo dos versos, desenhando com recuos e enjambements uma poesia que impõe um ritmo já pelo correr dos olhos pelo espaço da folha de papel, ainda que orientada pela ditadura da linearidade, mas tensionando essa linearidade ao máximo:

“Escrevendo com a mesma letra...
................Igualdade
................Liberdade
...........Fraternité, point.
Unificação de todas as mãos...”

A máquina de escrever é a concretização desse novo fazer poético, não é mais a pena, que dançava em volteios pelo papel, imprimindo na caligrafia de cada um a personalidade grafológica de seu autor, agora é a digitalização, os dedos do poeta batendo nas teclas imprimem tipos, letras de forma mecânica, automática. O ritmo é mais veloz, mais barulhento, mais urbano:

B D G Z, Reminton.

Pra todas as cartas da gente.

Eco mecânico

De sentimentos rápidos batidos.

Pressa, muita pressa.

Assim como a poesia moderna busca incorporar a “contribuição milionária de todos os erros” (parafraseando Oswald) do falar cotidiano, da língua viva, também o erro na escrita é incorporado ao poema de forma que tal erro crie o momento de revelação das contradições:

A interjeição saiu com um ponto fora de lugar!

Minha comoção

se esqueceu de bater o retrocesso.

O poeta observa o novo sinal, resultado do erro [|.] e analisa a nova forma:

Ficou um fio

Tal e qual uma lágrima que cai

E o ponto final depois da lágrima.

A seguir o poeta ironiza o sentimento exposto na nova forma, ao dizer que “não tive lágrimas” e que “a máquina mentiu!”, uma vez que “sabes que sou muito alegre”. Por fim, o poeta diz fazer sua “assinatura manuscrita” na folha de papel, uma vez que é preciso marcar sua personalidade no poema uma vez que a máquina de escrever pode reclamar co-autoria. De certo modo, Mário de Andrade colocava no papel a discussão que Marshal Mcluhan levou em seu Galáxia de Gutenberg, acerca da modificação da percepção humana na passagem da escrita manuscrita para o texto impresso.

Texto escolhido

Conversavam

Serenos pacholas fortes.

Que planos estratégicos...

Balística.

Tenentes.

Um galão.

Dois galões.

A galinhada!

...................................................................... 

Mas porém da caserna dum corpo que eu sei

Sai o exército desordenado meu sublime...

Assombrações

Tristezas

Pecados

Versos livres

Sarcasmos...

E o universo inteirinho em continência!

...Vai passando

No seu cavalo alazão

O marechal das tropas desvairadas do país de Mim-Mesmo...

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: