O Gaúcho, de José de Alencar

  • Data de publicação

O Gaúcho, de José de Alencar, é um romance narrado em terceira pessoa. Nesta obra, José de Alencar retrata o Brasil, principalmente os Pampas, focaliza ambientes brasileiros, afastados das riquezas. No capítulo II do livro I, podemos contemplar a paisagem do sul do Brasil: o gaúcho a cavalo correndo pelos pampas. Este romance, publicado em 1870, foi o primeiro da série com qual Alencar tentou um "retrato do Brasil", focalizando ambientes brasileiros afastados do bulício da corte.

Enredo

Conta a vida de um menino de 9 anos, Manuel Canho, que admirava muito seu pai, João Canho, grande conhecedor de cavalos. Presenciou o seu assassinato de forma covarde por Barreda. Manuel Canho jurou vingar-se e por muitos anos seguiu os passos do assassino. Seu pai morreu confundido por outra pessoa, que teria namorado a mulher de Barreda. Loureiro era o homem que deveria morrer.

Loureiro, por sua vez, quando soube do ocorrido veio visitar a viúva de Jaoão Canho e apaixonou-se por ela e com ela se casou. O filho de João Canho, Manuel, nunca aceitou o Loureiro, que tentando montar no cavalo do defunto, este o matou, como se quisesse vingar seu dono.

Após a morte do padrasto Manuel juntou dinheiro para não deixar sua mãe desamparada e à sua irmã, filha de Loureiro, a qual o menino nunca aceitou. Foi falar com o padrinho coronel Bento Gonçalves sobre a sua vingança e neste trajeto viveu peripécias ligadas à guerra dos farrapos, mas particularmente a seu padrinho.

Quando chegou à cidade de Entre-Rios, onde morava o assassino, é desafiado a domar uma égua, aceita o desafio e fica com ela. Como achassem impossível montá-la, começaram a dizer que ela tinha parte com o diabo. Para ele o cavalo era muito importante, aprendeu com seu pai, seu ídolo a gostar e respeitar os animais. Pensava se o homem é o rei da criação o cavalo serve de trono, como o peixe precisa da água, o gaúcho precisa do cavalo para existir. Percebeu que a égua havia parido a pouco tempo e tinha sido afastada de seu filho, resolveu encontrá-lo. Achou-o em uma caverna e a mãe começou a acariciar e alimentar seu filho, o animal sobreviveu.

Provando que não é só amor, paixão e culto à maternidade, é principalmente uma reprodução da existência. À noite depois de quatro dias chegou à pousada com os dois. No dia seguinte foi a casa onde o assassino estava e o encontrou moribundo e abandonado, porque estava com uma doença chamada “bexiga” que era contagiosa. Quando este lhe pediu água, ele deu e cuidou dele até melhorar. Por ironia do destino salvou seu inimigo. Ainda poderia ver a mulher que foi a culpada da morte de seu pai.

Voltou para sua casa sem ter cumprido a promessa de vingar seu pai. Lá encontrou sua mãe e a sua irmã, que lembrava o homem que tinha causado a morte de seu pai. Por mais que ela gostasse dele, ele não se aproximava. Um dia esta aproximação aconteceu por causa de um potrinho, de nome Juca, como seu irmão que havia falecido. Um dia ela brincava com o potrinho e Manuel a viu e a abraçou, e uma nova família surgiu. Mas a vingança não o abandonava e um mês depois voltou à cidade e três meses depois encontrou com o assassino, falou quem ele era e porque estava ali. Travaram uma luta, foi uma batalha honrada e no final ele fincou a lança no peito do desgraçado, mesmo com a mulher implorando que não fizesse. Só ficou com pena do cavalo, pois para este Barreta seria sempre o dono.

Depois de ter se vingado, se aproximou de Catita, uma moça que na primeira viagem tinha conhecido. Durante a outra viagem ela tinha se envolvido com outro homem, mas quando ele regressou ela pediu perdão, jurando amor e fidelidade. Manuel afastou-se no seu cavalo, mas ela lançou-se a garupa. A história termina com os dois cavalgando numa louca carreira em meio a uma tempestade e ventos zunindo.

Comentários

Siga-nos:

Confira no Passeiweb

  • O primeiro voo do Homem no espaço

    Em 12 de abril de 1961 o homem decolava, pela primeira vez, rumo ao espaço. Em 2011, no aniversário de 50 anos deste fato, ocorreram comemorações no mundo inteiro e, principalmente, na Rússia.
  • Tsunami

    Tsunami significa "onda gigante", em japonês. Os tsunamis são um tipo especial de onda oceânica, gerada por distúrbios sísmicos.
 

Instituições em Destaque

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo:
 
 
 
-

Notícias e Dicas - Vestibular

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas do Vestibular e dicas de estudo: