dcsimg

O mistério das cousas, onde está ele? (Poema), de Alberto Caeiro (heterônimo de Fernando Pessoa)


Trigésimo nono poema de O guardador de rebanhos, de Alberto Caeiro, heterônimo de Fernando Pessoa.

O sujeito poético neste poema, ao comparar-se com a árvore e com o rio, pretende realçar a sua tese de não haver mistério nas coisas.

Alberto Caeiro afirma-se um poeta onde diz que a realidade é apenas o que é, e por isso não tem mistérios a desvendar, contrariando tudo aquilo que as outras pessoas pensam sobre as coisas, acreditando que elas contêm algo mais para além daquilo que é visível.

Vê-se também neste poema qual o assunto que toma a maior parte de toda obra do poeta e faz-se presente em boa parte dos versos: o desaparecimento da ilusão metafísica.

Poema na íntegra:

O mistério das cousas, onde está ele?
Onde está ele que não aparece
Pelo menos a mostrar-nos que é mistério?
Que sabe o rio disso e que sabe a árvore?
E eu, que não sou mais do que eles, que sei disso?
Sempre que olho para as cousas e penso no que os homens pensam delas,
Rio como um regato que soa fresco numa pedra.

Porque o único sentido oculto das cousas
É elas não terem sentido oculto nenhum,
É mais estranho do que todas as estranhezas
E do que os sonhos de todos os poetas
E os pensamentos de todos os filósofos,
Que as cousas sejam realmente o que parecem ser
E não haja nada que compreender.

Sim, eis o que os meus sentidos aprenderam sozinhos: -
As cousas não têm significação: têm existência.
As cousas são o único sentido oculto das cousas.

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: