dcsimg

O sorriso do lagarto, de João Ubaldo Ribeiro


Sem perder uma essencial baianidade, como seu conterrâneo Jorge Amado, João Ubaldo Ribeiro tanto enverga o solene fardão da Academia, como espalha pelo mundo suas hsitórias de Itaparica, do Recôncavo e do povo brasileiro, sem preder a leveza e o humor, às vezes cáustico, do cronista que milita com assiduidade na grande imprensa do país.

A obra trata-se de um apanhado de situações-clichê (tem até aquela cena clássica, imortalizada pelo cinemão hollywoodiano e pelas novelas da televisão, da queda da escadaria provocando um aborto providencial) muito bem encadeadas e recheadas de diálogos primorosos.

O Sorriso do Lagarto é um romance escrito na terceira fase do Modernismo (Pós-Modernismo), publicado em 1989, e o autor se permite beber de várias fontes dentre elas: o naturalismo; a degradação do individuo; o cientificismo; o político que quando jovem era de esquerda, depois compromete-se com a direita e o golpe militar de 1964 e, finalmente volta-se para um partido liberal conquistando altos cargos; o homossexualismo; a engenharia genética; o consumo de drogas por parte da elite; a degradação da saúde; a igreja e os pobres; o comportamento sexual feminino.

Em O sorriso do lagarto, João Ubaldo Ribeiro sublimou em conflito metafísico entre o Bem e o Mal a sua hostilidade orgânica contra o estrangeiro em geral e, em particular, contra o capitalismo norteamericano:

O sorriso do lagarto é um livro que lida com a má administração do tempo que a humanidade passa na Terra. Acho que escrevi, sim, um romance sobre o mal, que fica transparente na atitude de uma grande parte da classe dominante brasileira - ela detesta nosso país, ela detesta o que nós somos e acoberta todas as violências: a mortalidade infantil, a violência nas cidades, a miséria. Quis escrever um livro sobre o aniversário (sic, por adversário) que existe em cada um de nós, sobre a figura de Satanás. (LEIA, dezembro de 1989)

Esta obra não é um romance regionalista. É visivelmente uma obra de olho no mundo moderno. Ao mesmo tempo em que se propõe a ser um romance universal e contemporâneo, é também uma exteriorização de desconfiança, uma denúncia e uma negação de certos valores caros à universalidade e contemporaneidade. O livro apresenta constante erotismo naturalista misturado a episódios de pescarias que se somam a reflexões sobre Deus, a evolução, a ciência, em uma narrativa ágil e cheia de surpresas.

O autor vale-se de outros narradores para enriquecer seu texto.O título do livro esboça-se no início do romance, quando dois meninos trazem um lagarto com dois rabos para João Pedroso. No sorriso maléfico do réptil, João Pedroso percebe o presságio do medo e do Mal. Ao longo da narrativa, confirma-se a suspeita de Pedroso: o Mal existe, o Inimigo existe e parece rir da humanidade. A partir do título, forma-se o tema básico do romance: a presença do Mal relacionada com o poder da ciência e da política. Quem poderá dizer aonde levará a manipulação de genes humanos por um cientista amoral? João Ubaldo foi o primeiro, na literatura brasileira, a tratar com profundidade, dessa perturbadora questão.

O Sorriso do Lagarto é o mais pessimista dos romances de João Ubaldo Ribeiro. O Mal vence. O Diabo ri por último. O romance gira em torno de um triângulo amoroso constituído por João Pedroso, um biólogo excêntrico, solteirão e alcoólatra, que abandonou a profissão para ser o proprietário de uma modesta peixaria em Itaparica, Bahia; por Ângelo Marcos, um político corrupto ligado à área da Saúde, que construiu sua vida pública e sua fortuna às custas de falcatruas; e por Ana Clara, esposa de Ângelo Marcos, que, com um casamento fracassado, mas do qual não abre mão para não perder a estabilidade financeira, procura preencher seu vazio interior fora da relação que a oprime. Há ainda uma outra trama, tão importante quanto a do triângulo e a ela imbricada, ligada a Lúcio Nemésio, um cientista que, associado a uma multinacional se dedica a experiências genéticas, criando entre outras aberrações, a mistura de humanos com chimpanzés.

A partir dos conflitos gerados pela cadeia de relações entre as quatro personagens, João Ubaldo Ribeiro constrói um romance absorvente, que dá continuidade à pesquisa sobre a identidade nacional, particularmente sobre a questão da dialética entre o dado local e o cosmopolita. Há todo um empenho, no romance, em não limitar a discussão dos problemas ao contexto nacional, ainda que isso seja valorizado, para abarcar as questões por uma visada universal, que não se intimida frente a variados aspectos de ordem filosófica.

É um livro sobre a corrupção e o novo colonialismo. A personagem Nemésio, que pertence à elite, detesta seu país. O livro é sem dúvida, umas grande alegoria sobre o “Mal”, e seu símbolo maior na narrativa é o lagarto que sorri indiferente ou zombeteiro frente à condição humana, na sua arrogância de espécie dominante. A alma humana é colocada em xeque, com suas zonas de sombra e suas covardias a serviço do Mal, e mesmo a própria noção de humanidade é posta na berlinda. “A partir de que ponto um ser vivo pode ser considerado como ser humano? E que diferenças separam um animal dotado de emoção de um homem?, são questões pertinentes colocadas pela obra.

Não se pode deixar de destacar que um grande mérito do romance é o desfecho sem concessões, na contramão do gênero, com tudo para exercer grande impacto sobre o espírito tanto de um leitor mais ingênuo, habituado aos tradicionais finais felizes dos best-sellers, quanto, por sua contundência, sobre o espírito de um leitor mais familiarizado com a visão desencantada da literatura moderna, particularmente a do pós-guerra.

O próprio autor diz a respeito da obra O Sorriso do Lagarto: "O título é uma metáfora, pois é claro que não há prova científica de que existem lagartos que sorriem. Um canadense, cientista, chegou a me procurar pensando que eu escrevia uma história sobre a evolução dos dinossauros. ( .. ) Mas O Sorriso do Lagarto não se refere necessariamente a uma vingança dos dinossauros e lagartos. E no romance o protagonista nem é o lagarto. O Sorriso do Lagarto é um livro que lida com a má administração do tempo que a humanidade passa na Terra. Acho que escrevi, sim, um romance sobre o mal, que fica transparente na atitude de uma grande parte da classe dominante brasileira - ela detesta nosso país, ela detesta o que nós somos e acoberta todas as violências: a mortalidade infantil, a violência nas cidades, a miséria. Quis escrever um livro sobre o adversárioque existe em cada um de nós, sobre a figura de Satanás".

ENREDO E PERSONAGENS

A obra traz uma belíssima descrição física e individualização das personagens.

Após um longo percurso que somente o álcool aqueceu-lhe a existência, João Pedroso, o protagonista e herói do romance, tem a sua sensibilidade despertada por uma aberração da natureza. Pode um lagarto com duas caudas passar despercebido? Existe uma explicação natural e simples para tal espécie de fenômeno? Sendo um biólogo, embora tenha renunciado à profissão para viver como um simples vendedor de peixe na Ilha, João Pedroso ainda não esqueceu que a explicação pressupõe a ocorrência de um novo fator na história genética do calango. Por que um lagarto sorriria? Seria fruto do alcoolismo crônico de João Pedroso? Acontece que embora beba todos os dias, ele se mantém nos limites da lucidez e prefere acreditar em seus olhos. Bêbado e afastado da biologia, Pedroso não caiu no ateísmo. Se de vez em quando brigava com Deus, é porque não perdeu de todo sua fé. E quem crê em Deus, deve crer no Diabo. Por que um lagarto sorriria de modo hostil e zombeteiro senão tivesse algo a ver com as hostes de Satã? Afinal, lagarto é dragão em miniatura. E dragão é uma tradicional representação do Diabo.

Para João Pedroso, biólogo, o fenômeno testemunhado só pode ser fruto de uma intervenção genética artificial; e como tal intervenção supõe um conhecimento muito avançado, não há porque imaginar que tenha sido obra de amador, brincadeira inconseqüente de algum aprendiz de geneticista? Do outro lado da racionalidade, a intuição do crente adverte para a dimensão demoníaca da experiência. Do contrário, por que o lagarto sorriria com aquele ar de superioridade? O desenvolvimento do relato irá confirmar os temores de João Pedroso. E Itaparica é apenas uma das provetas nas quais cientistas de várias partes do mundo realizam uma experiência sem precedentes no campo da genética. Suas conseqüências, avalia o protagonista, podem ser funestas.

O autor avança sem precipitações, valendo-se quase todo o tempo de outros narradores. Aproveita a lição que manda semear as famosas “pistas falsas” para desnortear o leitor, impedindo-o de descobrir, antes do tempo, o verdadeiro desfecho da história. Até o final do segundo capítulo, O Sorriso do Lagarto transmite a impressão de ser um romance de costumes. João Pedroso perambula pelas praias de Itaparica, pesca em companhia de turistas endinheirados, encara seu sorridente lagarto, belisca-se para ter a certeza de que não está de porre nem delira.

Muito longe dali, o Dr. Ângelo Marcos, Secretário de Saúde, faz um interminável toalete matinal, enquanto sua mente se divide entre a próxima falcatrua que irá praticar e o discurso que logo mais deverá pronunciar na inauguraçãode um hospital. Em outro ponto da cidade, Ana Clara, a mulher de Dr. Ângelo conversa sobre sexo e drogas com sua amiga Bebel, a rainha da futilidade.

A narrativa e os personagens crescem devagar. O Dr. Ângelo cresceu na política à sombra de um velho cacique, ultrapassou-o rapidamente na corrida aos dinheiros públicos, vive como um nababo, é cínico, traz na ponta da língua as justificativas das suas radicais guinadas partidárias. Mais tarde, ao ver-se diante da morte, pois fora acometido de um câncer, e um regresso ao passado farão dele um personagem complexo. Pode-se dizer o mesmo de Ana Clara, do médico-pesquisador Nemésio, do Padre Monteirinho. João Pedroso sabe que fazer biologia é o seu dom, e a razão básica de sua angústia é precisamente a consciência de que abandonou, traindo, assim, o destino que Deus lhe traçou ao alcançá-lo com sopro da vida.

Teologia é material forte na construção deste romance. Ângelo Marcos, depois de submeter-se a um tratamento de câncer, anda “morto de pena de si mesmo, mais dependente do que um filhote de gato, e volta e meia cai em depressões abissais.” João Pedroso se compara a Marmeladov, o bêbado e destrambelhado personagem da obra, Crime e Castigo, de Dostoievski. Ana Clara se transforma em Suzanna Fleischman. Tenta assumir a postura de Molly da obra Ulisses (James Joyce) e as fantasias eróticas da heroína Lady Chatterley (D. H. Lawrence). Com essa mutação, Ana Clara tenta denunciar a hipocrisia ao seu redor.

O romance O Sorriso do Lagarto, tem sexo, experimentos genéticos e cientistas malignos. Aborda, também, temas como Deus, o Homem, o Bem e o Mal, a consciência, o sentido da vida. Tudo costurado no estilo sensual de João Ubaldo. O escritor criou uma aura de malignidade e decadência que permeia toda a ação. Seus personagens, inclusive o vilão, o doutor Lúcio Nemésio, são dolorosamente reais, compreensíveis e humanos. A trama caminha de forma inexorável para um final surpreendente e melancólico. Em seu cerne, o romance conta que pescadores de Itaparica, João Pedroso (ex-biólogo, vendedor de peixes e sociólogo amador) e Padre Monteirinho descobrem, na Ilha, o envolvimento do médico-pesquisador, Lúcio Nemésio, com a Engenharia Genética: criação de monstros em laboratório. As cobaias humanas para as experiências eram mulheres negras que geravam bebês-aberrações (meninos-macacos que o ex-biólogo viu nas fotografias.) João Pedroso, o Padre Monteirinho e o curandeiro Bará personificam as forças do Bem que lutarão contra o Mal. O caso é denunciado, porém por falta de credibilidade e provas é abafado.

João Pedroso envolve-se sexualmente com Ana Clara, mulher de Ângelo Marcos. A mulher do médico engravida-se do amante, mas sofre aborto após uma queda na escada. João Pedroso acaba sendo assassinado, com duas balas calibre 45, disparadas por uma pistola com silenciador, que lhe atravessam o coração, pelo matador profissional, Boaventura, encomendado pelo marido traído.

Ao final da obra, tem-se um encontro entre o Padre Monteirinho e Lúcio Nemésio. Trava-se uma luta entre o Bem e o Mal:

- Não quero discutir questões de fé com o senhor, para mim isso tem importância, para o senhor não tem. Mas veja o problema moral contido nisso, o problema político. O poder político plasmando a Humanidade e a Natureza.

- Isso é inevitável. Quem chegou, chegou, quem não chegou, não chega mais. O poder hoje dispõe de tais instrumentos que se sedimentou definitivamente, jamais vai mudar realmente de mãos e a tendência é isso se acentuar. Isso é bom. Isso significa maiores possibilidades de controle racional. Não haverá revolução, nem alteração radical na estrutura do poder, nem entre nações, nem entre classes sociais, nesse sentido a História acabou. Sempre digo que democracia é um mito supersticioso, assim como a igualdade e outros chavões. Há muito tempo que a democracia não é mais praticada em lugar nenhum, a não ser microscopicamente, e temos que colocar essa situação a nosso favor, ou seja, aperfeiçoar o homem de todas as formas possíveis.

- Para mim, isso é extinguir a Humanidade, tal como a conhecemos. Para mim, é o homem se tornando inimigo do homem, deixando o adversário que traz dentro de si vencer, fazendo com que se volte contra si mesmo. É como se fosse a obra de Satanás.

- Sim, Satanás, ha-ha! Satanás quer dizer “inimigo”, não é? Neste caso, eu seria Satanás, ou pelo menos um satanás, pois creio que há controvérsia na própria Igreja sobre a existência de um ou vários satanases. Engraçado, desculpe-me por estar rindo, muito engraçado mesmo – Satanás. Pois, olhe, eu aceito, e acho tecnicamente certa sua inferência. Eu sou inimigo de Deus, sim, embora o considere um inimigo fictício, vocês me arranjaram esse inimigo fictício, que eu preciso combater. (...) Deus não existe e, se existe, é preciso tomar dele o poder, ele não tem sido competente, para um onipotente tem um desempenho muito pouco satisfatório. E então, diante do exposto, o senhor tem razão, de fato eu sou Satanás, o senhor tem razão, é mais do que lógico.

Vade retro, pensou Monteirinho (...) Aquilo tudo era terrível mesmo, e mais terrível ainda por se passar daquela forma irresistível, como Lúcio Nemésio dissera tão convincentemente. João Pedroso tentara resistir e fora eliminado. Sim, fora eliminado, agora tinha certeza, embora não pudesse provar, embora jamais pudesse dizer a ninguém. Tinha certeza, certeza absoluta de que João fora morto por obra de Ângelo Marcos, ao sedescobrir enganado – não sabia como, mas fora. E, assim, esse agente do Mal cumpriu sua missão, removeuum obstáculo. Tudo se encaixava, o Mal havia tido grande vitória. Dedicaria à vida, tinha dito João, dedicaria a vida a lutar contra aquilo. Mas apenas perdeu a vida, martirizou-se anonimamente.

PRINCIPAIS PERSONAGENS DA OBRA

João Pedroso – Protagonista da obra, ex-biólogo, peixeiro, amargurado. A partir do relacionamento com Ana Clara e da descoberta das mutações genéticas, muda de atitude, torna-se um homem resoluto. É morto a mando de Ângelo Marcos, pelo pistoleiro Boaventura.

Padre Monteirinho – (Olavo Bento) Amigo de João. É transferido de Itaparica após o seu envolvimentocom Bará e a denúncia das experiências científicas.

Dr. Lúcio Nemésio – Foi professor de Ângelo Marcos. Era amigo de João Pedroso, mas se rompe com este após revelar seu projeto científico, que tem apoio de estrangeiros e do próprio Ângelo Marcos (que desconhecia tais pesquisas). O sobrenome Nemésio deriva do grego nêmesis, significando “indignação, desrespeito, ira, tornar-se mau.” Na conversa final entre o Padre Monteirinho e o Dr. Lúcio, fica explícita a relação do médico com Satanás: “Riu novamente, uma gargalhada que lhe sacudiu todo o corpanzil e deixou Monteirinho achando que se tratava mesmo da voz das Trevas e do Inimigo. (...) Vade reto, pensou Monteirinho...”

Ângelo Marcos – Político consagrado e marido de Ana Clara. Depois que seu médico, Dr. Deraldo, comunicou-lhe que estava com câncer, Ângelo pensou em se matar. Mas se recupera e tem até chance de vir a ser governador da Bahia. Foi Secretário da Saúde. Embora afirme detestar homossexuais (como Cornélio, o cozinheiro) mantinha relacionamento sexual com o pistoleiro Boaventura. Mantinha, também, relações com outras mulheres. Era infiel. Como político, Ângelo foi da ARENA, partido da Ditadura Militar de 1964, passando depois para o MDB. Ao fazer um exame de consciência, o médico-político busca amenizar sua posição direitista, alegando ter ajudado amigos subversivos que estavam na mira da Operação Bandeirantes (movimento repressorda época da Ditadura Militar).

Bará da Misericórdia – Curandeiro. É acusado de manter práticas que atentam contra a medicina e a saúde pública. É obrigado a mudar de terreiro, mas não vai preso, pois João Pedroso presta-lhe ajuda. Bará relaciona-se com o Bem. Seu nome verdadeiro é Sebastião Boanerges da Conceição.

Ana Clara – Amante de João Pedroso. Apaixona-se por ele e, depois de seu desaparecimento torna-se esquizofrênica, deixando que a personalidade “Suzanna Fleischman” se apodere dela. É uma burguesa frívola e fútil, assim como sua amiga Bebel, esposa de Nando, traindo-lhe com seu ex-marido, Tavinho, dependente de droga (cocaína).

Boaventura – Pistoleiro que trabalhava para família de Ângelo Marcos. Tornou-se amante do político.

TEMPO E ESPAÇO

O tempo predominante na obra é cronológico (gira em torno de um ano), ainda que o tempo psicológico apareça nas muitas lembranças dos personagens, principalmente de Ângelo Marcos. É o tempo cronológico que dá mais ritmo e velocidade à narrativa. O romance inicia-se na época da soalheira, calor insuportável, mormaço e termina após uma chuva, com um céu azul.

A narrativa se passa, basicamente na Ilha de Itaparica, Bahia, que não é mostrada como um paraíso perfeito, já que existem muitos miseráveis e famintos, muita gente aleijada, como a família de Mãozinha e todo tipo de morte.

- Aqui na ilha, se morre de tudo, não tem essa conversa de que aqui não acontece certas mortes – disse Mero Doido, que desde as cinco horas estava fazendo um levantamento dos mortos ligados ao Mercado e das causas de suas mortes. – Você não diz uma doença, inclusive das mais modernas, que alguém aqui não tenha morrido. Até umas doenças que não são nem bem doenças aqui se morre, como Galo Cego, que teve uma espinha no nariz que foi virando câncer e comeu a cara dele toda e ele morreu fedendo e com a cara toda comida. Isso de uma espinha. Filu foi de hidropisi, Nandá foi derrame, Roque Feio foi diabete, Lazarão foi tifo, mosquete foi tuberculose, Unha Grande foi doença de Chagas e Zoinho dizem que foi de Aids. Até Aids já deu aqui, e Zoinho não era falso ao corpo, pelo contrário. Aqui dá tudo. E agora o neto mais velho de Quatinga morreu de tumor no cérego.

Há, também, referências a Salvador e São Paulo. Na cidade grande, há violência, como narra Tavinho a respeito do assalto em que sua namorada, Kátya, foi estuprada por ladrões. Itaparica é o local onde prevalece o ócio, o lazer, a diversão, os desregramentos sexuais, muita pescaria, praia, bebida. Por dentro daquela pedra (a ilha) busca-se o elo perdido entre o homem e o macaco, entre o Homem e Satanás.

FOCO NARRATIVO

O romance é escrito na terceira pessoa por um narrador onisciente que nos leva a ver o mundo sob a ótica de alguns personagens. Há momentos em que a narrativa apresenta-se sob o ponto de vista de um ou outro personagem e nos diálogos. Nesses instantes, o discurso passa de terceira para a primeira pessoa.

O autor utiliza-se bastante de intertextualidades no romance.

... respondera Deraldo com a mesma cara pétrea, e costumam causar queda de cabelo também, embora eu ache que você está cometendo uns certos exageros poéticos, você sempre foi meio puxado a Castro Alves. (Referindo-se a Ângelo Marcos)

..Não, tipo Lady Chatterley – como era mesmo o nome do peru do amante dela? John Thomas, claro que sim, ela tinha até umas três ou quatro anotações que falavam no John Tomas. (Ana Clara comparada à personagem do famoso romance de mesmo nome, do escritor D. H. Lawrence.)

...Meu ideal de vida é Marmeladov, de vez em quando eu pego Crime e Castigo só para ler as partes emque ele aparece! (João Pedroso se comparando ao personagem de Dostoievski)

...Abraão também teve amante, para não falar em Salomão. E o comportamento de David com Urias foi de uma escrotidão inominável, mau caratismo absoluto. É como eu lhe disse e lhe digo sempre: também já li o Livrão, você não me engabela. (João Pedroso se defendendo com o Padre)

...Creio até que sacrifício como o mencionado nem mesmo é estranho à tradição cristã – embora nisso não reivindique legitimidade, nem pretenda mais que dar um exemplo e espicaçar uma lembrança –, pois, senão me trai a memória que os anos já empanam, são abundantes as referências ao assunto na Escrituras e – corrija-me o Reverendo se laboro em erro – recordo que o começo do Levítico estabelece regras para os sacrifícios ditadas por Deus, que até menciona especialmente carneiros. (Bará, o feiticeiro justificando suas práticas religiosas)

A linguagem da obra é contemporânea (variada) em estilo que vai do erudito – cientificismo; linguagem formal (a linguagem de Bará é muito distante da linguagem popular) ao coloquial (gírias; estrangeirismos; termos chulos; deformações lingüísticas, provérbios...).

Fontes: Prof. Ozório Duarte de Lacerda - Mega Concursos | Revista Iberomania (publicado no Jornal da Poesia)

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: