dcsimg

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia (Poema), de Alberto Caeiro (heterônimo de Fernando Pessoa)


O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, é o poema XX de O Guardador de Rebanhos, de Alberto Caeiro.

Percebe-se neste texto a importância dada às coisas concretas porque elas não fazem pensarem nada, como o próprio poeta afirma nos dois últimos versos.

O estilo simples de Alberto Caeiro revela-se por meio da repetição e do paradoxo, presentes nos dois primeiros versos. Como entendê-los se um parece negar o outro? Nesses versos, há uma contradição aparente, efeito do paradoxo. Aparente porque se pode dizer que o primeiro verso expressa uma afirmação de caráter geral não endossada pelo poeta.

No segundo verso, temos uma afirmação particular do poeta, para quem o rio de sua aldeia é mais belo por estar próximo dele, o que lhe possibilita uma experiência concreta e direta. O Tejo, por sua vez, é uma realidade distante dele.

Poema na íntegra:

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia,
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia.

O Tejo tem grandes navios
E navega nele ainda,
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está,
A memória das naus.

O Tejo desce de Espanha
E o Tejo entra no mar em Portugal.
Toda a gente sabe isso.
Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia
E para onde ele vai
E donde ele vem.
E por isso, porque pertence a menos gente,
É mais livre e maior o rio da minha aldeia.

Pelo Tejo vai-se para o Mundo.
Para além do Tejo há a América
E a fortuna daqueles que a encontram.

Ninguém nunca pensou no que há para além
Do rio da minha aldeia.
O rio da minha aldeia não faz pensar em nada.
Quem está ao pé dele está só ao pé dele.

Créditos: Prof. Valdir Ferreira, Colégio Lúmen

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: