dcsimg

O tesouro da casa velha, de Cora Coralina


O livro O tesouro da casa velha é póstumo, e não contou com a seleção final da própria autora, Cora Coralina. Os contos selecionados não constituem meras reproduções histórico-sociais, pois possuem transcendência e uma peculiaridade narrativa das mais interessantes, resgatando uma linguagem já perdida, mas que na sua voz ganha autenticidade. Seus contos versam sobre a vivência e as mágoas do passado de 96 anos e não apresenta qualquer mudança de estilo.

A obra traz histórias que retratam a preocupação da poetisa pelos personagens marginalizados por uma sociedade feroz. São narrativas de leitura fácil, em linguagem simples, com poucos termos regionais, sem o rebuscamento dos escritores da época.

A coletânea é de poemas que viraram contos, personagens que mudaram de nomes, girando em ciranda ao redor da "Casa Velha da Ponte" e dos "Becos encantados da velha Goiás", às vezes pelo interior do Estado de São Paulo, onde Cora recolheu sua melhor vivência telúrica e que resultou em páginas belíssimas. São imagens que se sucedem, a cada vez enriquecidas de novos detalhes, novas óticas, de tom sempre lírico, mesclado com pitadas de humor e severas críticas de costumes, através dos seguintes títulos:

1. Contas de dividir e trinta e seis bolos
2. A menina, as formigas e o boi
3. O tesouro da Casa Velha
4. Das coisas bem guardadas e suas conseqüências
5. O capitão-mor
6. As capas do diabo
7. As almofadas de dona Lu
8. Zé Sidrach e Dico Foggia
9. Candoca
10. Medo
11. As cocadas
12. Última impressão
13. O corpo de delito
14. Minha irmã
15. O boi balão
16. Sequeira versus Siqueira
17. Ideal de moça
18. Quem foi ela?

Um dos contos traz o testemunho comovente da educação de um jovem oprimido pela palmatória; outro, traça um retrato divertido sobre o excesso de cuidados em se deixar coisas fora do alcance de crianças. A autora ainda escreve sobre achar um tesouro e não compartilhá-lo com ninguém, apesar do receio de uma maldição, entre outros temas.

Cora Coralina ainda conta com nostalgia e compaixão a história do seu primo Zezinho, a quem um velho tio ensinava a ler e a contar, à força de bolos de palmatória, uma história dura e triste que acaba bem, mas donde se desprende uma insinuada revolta contra a humilhação de uma criança que gostava de observar os pássaros e os bichos da Fazenda Paraíso enquanto fazia contas de patacas e tirava provas dos nove, no alpendre de um velho moinho. Fazia sombra nessa construção primitiva, um abacateiro enorme sempre com frutos pendentes se esborrachando na caída e um velho e esgalhado jambeiro onde trilavam todos os beija-flores da terra e dobravam o canto inigualável os velhos sabiás de peito vermelho, nas longas tardes de outubro.

O tesouro da casa velha constitui mais uma fatia de um todo que se manteve coerente durante a existência da poetisa, da poesia feita de memória, o que ela chamou de "minha força tribal" e que já se constitui na sua marca. Cora tinha a sabedoria à flor da pele, fazia poesia ao reproduzir a linguagem bruta do interior goiano, encontrando o melhor de sua expressão literária, mas só teve seu primeiro livro publicado em 1965, aos setenta e seis anos de idade, embora desde moça já escrevesse.

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: