dcsimg

Os fuzis da senhora Carrar, de Bertold Brecht


A peça Os fuzis da Senhora Carrar, foi escrita em 1937 por Bertold Brecht em meio a Guerra Civil Espanhola, que entre os anos de 1936 a 1939 levou centenas de pessoas para as linhas de frente da guerra.

A obra traz à cena a história de Tereza Carrar, moradora de uma pequena vila de pescadores e mãe de Pedro e Juan. Ela não quer que seus filhos sigam para a guerra, mas os generais avançam a cada minuto. A antagônica luta entre a neutralidade e definição de posicionamento político é levada até as últimas conseqüências num desfecho surpreendente.

A obra não exige, necessariamente, do espectador uma participação intelectual definida. Ao contrário, a proposta do teatro brechtiano é justamente a de contribuir para a formação intelectual desse mesmo espectador, demonstrando-lhe a realidade de acordo com os processos, conceitos e formas de abordagem tomadas pelo autor à sociologia, ao marxismo, à economia e ao materialismo histórico.

As atrocidades e os terrores da guerra, o sacrifício humano, a barbárie de toda uma geração entregue à miséria e à morte nos campos de batalha, ou na vida mesma, diária e cotidiana, uma geração que sequer é capaz de compreender a realidade grotesca da qual faz parte, em que está inserida e sobre a qual, não percebe, atua diretamente ou serve de forma subserviente, tudo isso é descrito com um realismo invejável na obra dramática de Brecht, obra que assume, muitas vezes, um tom de denúncia e agravo contra os desmandos e os absurdos amorais de que se revestem os conflitos descritos, sejam eles bélicos ou sociais.

Não há romantismo ou heroísmo em Os fuzis da Senhora Carrar. Há uma espécie de asco, de nojo calculado, de raiva cega contra a estupidez do homem no mundo, uma visão mordaz e clínica dos exageros da guerra, dos traumas ocasionados por ela, das dificuldades em tomar partido, em participar de uma realidade desgastante e corrosiva, angustiante mesma. É o mundo que se desintegra lentamente. É o homem que já não pode fazer frente a si mesmo, entregue, abandonado, miserável e patético: a impotência sempre rediviva.

A peça de Brecht tem como preocupação maior demonstrar que situações de conflito coletivo, como foi a guerra civil espanhola, como foi a Primeira Guerra Mundial, desumanizam as pessoas, minam a capacidade humana de transcender sua desigualdade, de vencer suas diferenças, de ensaiar um mundo justo, que nenhum véu encubra, levando os homens a um abismo moral sem precedentes ou justificativas, como o mesmo Brecht demonstraria, anos mais tarde, com uma outra peça determinante em sua carreira: Mãe Coragem.

Dessa forma, o público de Brecht não precisa ser um leitor dedicado e atencioso de todas as teorias sociológicas ou filosóficas da época para compreender o mundo e a sociedade em que vivia, bastava direcionar-se a um espetáculo do autor e se deparar, clara e precisamente, com sua auto-imagem projetada sobre os palcos, com a realidade transfigurada em motivos cênicos, ainda que, na maioria dos casos, Brecht não deixasse transparecer, graças ao recurso do distanciamento narrativo, que se referia ao mesmo público ali presente, à mesma realidade de todos os dias, aos mesmos dramas, misérias, desesperos e frustrações de que se compõem mesmo o mais inocente de todos os públicos.

Os fuzis da senhora Carrar procura uma estética do “distanciamento” para que o espectador não seja conduzido apenas pela emoção, mas também pela reflexão a respeito dos fundamentos da sociedade capitalista e da necessidade de criar uma ordem social alternativa.

Créditos: Márcio Scheel, escritor

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: