dcsimg

Os negros (Conto), de Monteiro Lobato


O conto "Os negros", de Monteiro Lobato, é o mais longo da coletânea "Negrinha". Contém vinte e seis páginas e está dividido em vinte e dois capítulos. Conta a trágica história de amor entre a filha de um fazendeiro e um empregado português.

O narrador e seu amigo Jonas param no meio de uma viagem a cavalo pelo interior, na casa de Adão, um negro ex-escravo, que lhes oferece pouso. Sem espaço em seu barraco, todos vão dormir na casa grande da fazenda, abandonada e amaldiçoada. Durante a noite, Jonas é possuído pelo espírito do jovem Fernão, um português pobre, funcionário da fazenda no tempo da escravidão, e que teve um namoro escondido com a filha do patrão, o temível Capitão Aleixo. Isabel, a filha do capitão, acabou mandada para a corte e enlouqueceu, longe de seu amado. A escrava Liduína, que ajudou o casal, foi morta a relho. O jovem Fernão foi emparedado vivo. Depois do transe, Jonas de nada se lembrava, de modo que ficou só na memória do narrador a história da tragédia dos jovens amantes.

Esta narrativa, semelhante o conto "Negrinha", é digno de nota porque mostra a discordância do autor em relação à discriminação racial e denunciam o aviltamento dos negros no Brasil, fruto de nossa história escravagista.

O conto reúne diversos estereótipos. Um dos estereótipos mais recorrentes nesse texto talvez seja o do negro rude cativo do campo, desprovido de qualquer vestígio de inteligência. O destaque maior é dado à idéia de que o negro foi feito para obedecer, submeter-se, uma vez que tem a alma servil. Os trechos a seguir dão a dimensão dessas características:

– Há de morar aqui por perto algum urumbeva, disse eu.
Não existe tapera sem lacraia.
– Pai Adão, viva!
– Vassumcristo! Respondeu o preto.
– Era dos legítimos...
– Tio Bento, pra servir os brancos.
O excelente negro sorriu-se, com a gengiva inteira à mostra...

No texto aparece reforçando o vazio social do negro: sem família, sem bens próprios, ele se assemelha aos bichos do mato, conforme citou-se:

O melhor é acomodar-nos na casa grande, que isto cá não é casa de bicho-homem, é ninho de cuitelo...
E fomo-nos à casinhola do preto engulir o café e arrear os animais.
Morreu tudo, meu branco, e fiquei eu só. Tenho umas plantas na beira do rio, palmito no mato e uma paquinha lá de vez em quando na ponta do chuço.
Como sou só...

Há que se ressaltar o estereótipo da submissão, do negro bom e trabalhador, fiel ao branco e disposto a qualquer sacrifício para agradar o mesmo, como se pode observar:

Contente de ser-nos útil, Tio Bento sobraçou a quitanda e deu-me a levar o candieiro.
Era mau, meu branco, como deve ser mau o canhoto. Judiava da gente à toa pelo gosto de judiar.
Ninguém, entretanto, estranhava aquilo. Os pretos sofriam como predestinados à dor. E os brancos tinham como dogma que de outra maneira não se levavam os pretos.
O sentimento de revolta não latejava em ninguém...

Na penúltima transcrição, vê-se a figura do negro digno de compaixão, indefeso e sem nenhuma ação concreta de auto-defesa, como se os castigos recebidos por ele pertencessem à ordem natural das coisas, de forma que, assim, ele os compreendia.

A personagem Liduína, uma crioula muito viva que desde bem criança passou da senzala para a casa grande, como mucama de Sinhazinha Zabé, encarna exaustivamente os estereótipos já assinalados. Ela também, como os outros personagens negros, aparece desprovida de vida própria; suas atenções estão voltadas para a sua Sinhá, como demonstração de subserviência e lealdade. Além disso, seus movimentos e atitudes estão mais próximos dos animais:

Amor? Respondeu a arguta mucama em quem o instinto substituía a cultura.
Bobagens, muxoxou a mucama, trepando à pitangueira com agilidade de macaco.
Pois Sinhazinha não sabe que sou mais sua amiga do que sua escrava?

Conforme se pode observar, a personagem Liduína vem apenas reforçar, dentre outros, o estereótipo da submissão e do servilismo do negro. Suas atitudes também servem para escamotear e dissimular os conflitos da escravidão.

Crédtos: Prof. Manuel, Colégio Sagrado Coração de Jesus, Marília, SP | Elizamari Rodrigues Becker, Doutora em Literatura Comparada, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRSG) | Enio Passiani, Mestre em Literatura, Unicamp, SP | São Paulo - Educando pela diferença para a igualdade - UFSCar - Mód. 2.

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: