dcsimg

Poesias incompletas, de Antônio Girão Barroso


Poesias Incompletas faz uma retrospectiva da produção literária de Antônio Girão Barroso, começando com "Alguns poemas" (de 1938). Reúne, praticamente, toda a sua produção, cuja linguagem, sem sombra de dúvidas, é ponto de destaque em estética, com acento ao português popular, coloquial, pleno de brasileirismos, de neologismos, expressões populares e emprego irregular dos sinais de pontuação.

"Estação do Trem" é dedicado ao poeta Manoel Bandeira - que, vê-se, tem influência preponderante na poesia de Barroso. Antônio Girão Barroso, à semelhança de Bandeira (a quem dedica esse poema, ressaltando a intertextualidade com "Trem de ferro", do poeta pernambucano) sabe, muito bem, unir humor, calor humano e ritmos sugestivos. É o poema de abertura, onde Antônio Girão Barroso já aponta a sua intenção em romper - particularmente aqui, no Ceará - com os padrões tradicionais da poesia, que se impuseram como verdadeiros cânones antes do advento do Modernismo: do ponto de vista formal, há o livre emprego de versos longos e curtos, sem métrica regular, bem como a presença apenas de rimas ocasionais, a dessacralização da linguagem por meio da fala matuta vem danado pra chegá - aqui, estabelece-se uma intertextualidade com Ascenso Ferreira, poeta pernambucano, autor dos versos:

Vou danado pra Catende
com vontade de chegá

e a exploração de recursos sonoros:

Lá-e-vem o trem
lá-e-vem
com seu apito tão fino
vem danado pra chega

Pacatú-b-a-bá
Paratú-b-a-bá

Corre, menina
teu pai chegou
o trem das nove
não já apitou?

Banana seca é o pau que rola.

Lá-e-vem o trem
lá-e-vem
com seu apito tão fino
vem danado pra chegá

Pacatú-b-a-bá
Paratú-b-a-bá

Donde vem esse povo?
Vem do Ceará!

Pacatú-b-a-bá
Paratú-b-a-bá

Seu moço, me dê uma esmola
pelo santo amor de Deus...

esse cego tá fazendo verso?

O trem vinha puxando noventa
Ah trem espritado!

Um bando de colegiais
tão fazendo sururu na vila.
Tem um bebendo até cachaça
o Acarape é tão perto
cachaça é quase de graça
contudo ele já gastou seiscentos reis...

Fiu...
O trem partiu
Pacatuba sumiu.

(Mas que vontade de voltar...)

Pacatú-b-a-bá

Ainda deste primeiro livro, um certo desencanto existencial

a vida todinha
eu passo dizendo
me acudam me acudam

e a consciência do tempo que passa (como no poema "Inútil dizer"), além de recordações da infância sertaneja - em "Menino", o pedido na procissão para Nossa Senhora: "faça de mim um homem bem-bom". E, claro, há o amor e suas inquietudes, num recorte pró-feminino:

todas as mulheres são iguais
e os homens também
.

A influência de Bandeira e Drummond fica explícita em "Canção do noivo aflito", um rondó para a noiva "raquitinha" que morreu:

minha noiva não vá não
senão me jogo no mar
.

E em versos de sutil densidade lírica, como no poema "Imagem simples": eu também espero pelo sol que é você.

Vemos ainda o poeta e sua consciência do mundo, um olhar sobre a cidade e os homens calados, que "espreitam o bonde das onze e cinco". Em "Único poema proletário", Antônio Girão Barroso dá forma estética ao "drama cotidiano da fábrica de tecidos". E a uma cena praiana no Pirambu. Em "Nihil", o poeta deseja não pensar em nada, "ser apenas um animal que pobremente se alimenta". Mas, adiante, diz:

a vida me convida
a de novo mover minha imaginação
.

A segunda parte do livro traz poemas de "Os hóspedes", publicado em 1946. O que ressalta é o sentimento da solidão, a angústia derramando-se no papel branco, mas há o sonho de um mundo melhor. Em "Moscou", por exemplo, onde "então ouviremos falar do mago Lenine".

Mas o poeta finca versos é na esquina de sua rua, espia os arrabaldes, a chuva (sinônimo da esperança), derrete-se de amor:

meu coração, bate devagar
pode bater devagarinzinho
,

diz em "Poeta moderno arranja namorada". Mas a lírica não empana o drama real da vida, e por isso ele registra o sofrimento do sertanejo, em mais um momento de seca e retirada:

os pobres sofrem, Maria, porque às vezes
falta-lhes a água e sobra-lhes o sol
.

Em "Novos poemas" (de 1950), o poeta ainda louva o amor, mesmo sem rimas, o "que é difícil, mano!", e canta loa à mulher latino-americana,

dançando rumba e valsa
num mundo de cinema pintura e organdis
.

Há até, no "Soneto de bodas", uma experiência de poema concreto com o nome da amada, Hermelinda.

Em "Trinta poemas para ajudar", de 1964, nenhum deles tem título. O poeta Antônio Girão Barroso está em sua melhor forma. Há, aqui, ecos de surrealismo:

a eurritmia do verso
e o fragor das batalhas
o cardume de peixes
e a donzela morta
o moço suicida
(num punho de rede)
e o laço de fita
.

Em "Poesia" (simultânea) com o sol e a lua, a mescla da quadrinha popular com o espírito jocoso cearense resulta num quase haikai:

o sol é lindo
como um limão
A lua é uma grande traficante
.

De "Universos", publicado em 1972, a metalinguagem do poema Obrigado, poesia - porque posso carregar fantasmas a tiracolo. E mais experiências concretistas.

Em "Os dias preguiçosos", um poema decantando a semana, o belo ócio e a leitura dos jornais:

as manchetes nos alimentam mais do que o pão
porém quando chega no fim do dia
vemos que havia muita coisa errada nas manchetes
.

E arremata: a filosofia é esta, conversar é bom e beber é melhor. No "Último poema", a profissão de fé do poeta, seu compromisso primordial - com

o homem e sua vida
sua sobrevida
sua suada subvida
.

Dispensando a rima e incorporando o cotidiano, Girão bem representa o impacto do modernismo nas letras cearenses.

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: