dcsimg

EAD e seus índices de crescimento


O que é EAD (Educação à distância)?

Educação à distância é o processo de ensino-aprendizagem, mediado por tecnologias, onde professores e alunos estão separados espacial e/ou temporalmente.

É ensino/aprendizagem onde professores e alunos não estão normalmente juntos, fisicamente, mas podem estar conectados, interligados por tecnologias, principalmente as telemáticas, como a Internet. Mas também podem ser utilizados o correio, o rádio, a televisão, o vídeo, o CD-ROM, o telefone, o fax e tecnologias semelhantes.

Na expressão "ensino à distância" a ênfase é dada ao papel do professor (como alguém que ensina à distância). Preferimos a palavra "educação" que é mais abrangente, embora nenhuma das expressões seja perfeitamente adequada.

Hoje temos a educação presencial, semi-presencial (parte presencial/parte virtual ou à distância) e educação à distância (ou virtual). A presencial é a dos cursos regulares, em qualquer nível, onde professores e alunos se encontram sempre num local físico, chamado sala de aula. É o ensino convencional. A semi-presencial acontece em parte na sala de aula e outra parte à distância, através de tecnologias. A educação à distância pode ter ou não momentos presenciais, mas acontece fundamentalmente com professores e alunos separados fisicamente no espaço e ou no tempo, mas podendo estar juntos através de tecnologias de comunicação.

Outro conceito importante é o de educação contínua ou continuada, que se dá no processo de formação constante, de aprender sempre, de aprender em serviço, juntando teoria e prática, refletindo sobre a própria experiência, ampliando-a com novas informações e relações.

A educação à distância pode ser feita nos mesmos níveis que o ensino regular. No ensino fundamental, médio, superior e na pós-graduação. É mais adequado para a educação de adultos, principalmente para aqueles que já têm experiência consolidada de aprendizagem individual e de pesquisa, como acontece no ensino de pós-graduação e também no de graduação.

Há modelos exclusivos de instituições de educação à distância, que só oferecem programas nessa modalidade, como a Open University da Inglaterra ou a Universidade Nacional à distância da Espanha. A maior parte das instituições que oferecem cursos à distância também o fazem no ensino presencial. Esse é o modelo atual predominante no Brasil.

As tecnologias interativas, sobretudo, vêm evidenciando, na educação à distância, o que deveria ser o cerne de qualquer processo de educação: a interação e a interlocução entre todos os que estão envolvidos nesse processo.

Na medida em que avançam as tecnologias de comunicação virtual (que conectam pessoas que estão distantes fisicamente como a Internet, telecomunicações, videoconferência, redes de alta velocidade) o conceito de presencialidade também se altera. Poderemos ter professores externos compartilhando determinadas aulas, um professor de fora "entrando" com sua imagem e voz, na aula de outro professor... Haverá, assim, um intercâmbio maior de saberes, possibilitando que cada professor colabore, com seus conhecimentos específicos, no processo de construção do conhecimento, muitas vezes à distância.

Crescimento da modalidade

Com impressionantes índices de crescimento em diversos países, a educação à distância se tornou não apenas uma alternativa ao ensino presencial, mas uma nova linguagem que veio para ocupar espaço em diversos pontos do globo.

O fenômeno da educação à distância tem atravessado fronteiras. O desenvolvimento tecnológico possibilitou a diversificação do tradicional ensino por correspondência e abriu oportunidades para que países com baixo acesso à educação melhorassem seus índices. E mesmo nações reconhecidas pelo padrão educacional aproveitam a modalidade para a capacitação profissional ou para a educação continuada. Ou seja, a EAD se transformou em um fenômeno global.

A França, por exemplo, oferece suas mais renomadas universidades como opção de formação de suas ex-colônias. Os Estados Unidos provam que estão à frente na questão tecnológica e já investem em redes sociais, ambientes virtuais e até iPods, mas estudam prioritariamente pela internet.

E a Espanha vai em busca de outros mercados, amparada pela abrangência da língua espanhola. Prova de que esse mercado também já se globalizou, como já constataram algumas instituições brasileiras que começam a mirar no mercado internacional.

Outro dado impressionante é que, mesmo em países com processo educacional já amadurecido, os números da educação à distância não param de crescer. Nos Estados Unidos, mais de 3,9 milhões de estudantes fizeram, pelo menos, um curso on-line durante o outono de 2007. Cinco anos atrás, a marca era de 1,6 milhão de alunos.

Pesquisa da Alfred P. Sloan Foundation afirma que os dados de 2007 representam um salto de 12,9% em relação ao ano anterior, superando, de longe, os 1,2% de crescimento da população universitária obtido em igual período.

Segundo o diretor de programas da Sloan Foundation, Frank Mayadas, o número de matrículas em cursos à distância cresceu anualmente 20% nos últimos seis anos. "Este modelo continuará crescendo rapidamente, a taxas, talvez, de 10%", diz. Ele acredita ainda que há uma forte tendência para a adoção de cursos híbridos, que combinam aulas presenciais e on-line.

No Reino Unido, a Open University é a maior e a única universidade da região dedicada ao ensino à distância. Seus cerca de 200 mil alunos, inclusive de outros países da Europa, possuem acesso a aulas por meio de recursos da web, podcasts e CD-ROMs. A cada semana, mais de 50 mil de suas faixas são baixadas do iTunes.

Segundo informações do Conselho Britânico, cerca de 90% das universidades presenciais da Grã-Bretanha já desenvolveram segmentos de ensino à distância em muitas áreas e em vários níveis. Os setores empresarial e industrial também estão utilizando intensamente este modelo na formação de seus funcionários.

Em Portugal, o ensino à distância também segue a tendência de crescimento. A Universidade Aberta, fundada em 1988, tornou-se, no ano letivo 2008-2009, a primeira e única universidade pública do país a oferecer todas as licenciaturas e mestrados pela internet, em regime de e-learning.

E a Universidade de Coimbra lançou no ano passado 17 cursos de ensino à distância, em setores como o empreendedorismo e robótica à gestão escolar e ao comércio eletrônico.

Para além dessas referências, a educação à distância se tornou um importante mecanismo de inclusão especialmente para os países muito populosos. Assim como o Brasil, Índia, Indonésia, Turquia e China se destacam pela qualidade dos modelos de suas universidades abertas. Ao contrário da forte regulamentação brasileira, esses países têm preferido o sistema de "funil ao contrário". Na Índia todos os alunos são aceitos, o difícil é completar os cursos, que exigem muita dedicação.

O Instituto Symbiosis, por exemplo, possui mais de 100 mil estudantes em cursos profissionais de ensino à distância. O governo indiano também anunciou este ano o lançamento de um laptop de US$ 20, como forma de ampliar o acesso à educação e impulsionar a educação à distância no país. E algumas estimativas consideram que o mercado de EAD indiano movimentou cerca de US$ 23 bilhões ainda em 2004.

Vista como um fenômeno global, fica claro que a EAD veio para ficar. Instituições com tradição no ensino presencial estão tendo de se adaptar à modalidade, mesmo que seja no caráter de semipresencialidade.

Créditos: Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo | Revista Ensino Superior

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: