dcsimg

Grã-Bretanha autoriza pesquisa com embriões híbridos



Cientistas dizem que esse tipo de
pesquisa é essencial
A Autoridade de Fertilização Humana e Embriologia (HFEA, na sigla em inglês), órgão regulador da Grã-Bretanha, autorizou nesta quarta-feira que embriões híbridos, com genes humanos e de outros animais, sejam criados em laboratórios e usados em pesquisas. Os embriões em questão são mais de 99% humanos. Os cientistas querem usá-los para extrair células-tronco para pesquisas sobre tratamentos para doenças como o mal de Alzheimer.

Os cientistas interessados em usar esses embriões terão que fazer pedidos à HFEA, que irá analisar as solicitações caso a caso.

Caso tenham autorização, os cientistas terão que destruir os embriões em um prazo de 14 dias.

Com a decisão da HFEA, a Grã-Bretanha passa a integrar um restrito grupo de países que permite esse tipo de pesquisa. Em alguns deles, como a Austrália, foram aprovadas leis proibindo a prática.

Polêmica

Uma porta-voz do HFEA disse que a decisão foi difícil. "Não é uma luz verde total para pesquisa com híbridos, mas é um reconhecimento de que essa área de pesquisa pode, com cuidado e avaliação detalhada, ser permitida", disse.

Equipes de pesquisadores de duas universidades britânicas, a Universidade de Newcastle e a King's College de Londres, já solicitaram autorização para criar os embriões híbridos.

Lyle Armstrong, cientista da Universidade de Newcastle, disse que não é a intenção dos pesquisadores "criar um bizarro híbrido de vaca com ser humano, nós queremos usar essas células para entender como aprimorar as células-tronco humanas".

Outro pesquisador, Stephen Minger, da Universidade King's College, disse que a decisão é a única opção eticamente justificável para que os cientistas possam avançar em suas pesquisas.

Mas a medida também provocou críticas na Grã-Bretanha. Josephine Quintavalle, da ONG Comment on Reproductive Ethics, disse que o HFEA cometeu um erro ao tomar uma decisão que deveria ter ficado a cargo do Parlamento.

"Usar embriões híbrido nunca foi aceitável – isso ofende a dignidade de humanos e animais", disse.

Por sua vez, Helen Wyatt, da ONG Linacre Centre for Healthcare Ethics, disse que a técnica é "mais um desrespeito aos direitos do embrião".

No Brasil, a Lei de Biossegurança não especifica o caso dos embriões híbridos.

A legislação, que entrou em vigor em 2005, permite o uso de embriões produzidos in vitro, congelados há mais de três anos, e que sejam doados para pesquisa com o consentimento dos familiares.

Uma ação de inconstitucionalidade contra a lei argumentando que a legislação desrespeita o direito à vida está sendo analisada no Supremo Tribunal Federal (STF).

As leis em outros países

Austrália - Embriões podem ser criados para pesquisa, mas híbridos com genes humanos e de animais são proibidos. A única exceção é para testes de qualidade de esperma.
Brasil - A lei não especifica o caso dos embriões híbridos.
Canadá - A lei proíbe a criação de embriões híbridos.
Estados Unidos - Fundos federais só são destinados para pesquisa envolvendo embriões já existentes - como os que sobram após tratamentos de fertilidade. Os embriões híbridos são proibidos.
Outros países - A maior parte dos países não tem legislação específica sobre híbridos. Na Itália e na Alemanha, só embriões já existentes podem ser usados em pesquisas. Em outros lugares, como Áustria, Noruega e Tunísia, todo tipo de pesquisa com embriões é proibida.
 

Fonte: BBC Brasil

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: