dcsimg

Henry Ford


Henry Ford foi o grande fabricante de automóveis norte-americano que revolucionou a indústria com seu Modelo T, além de ter sido o responsável pela popularização do automóvel como meio de transporte.

Ford nasceu em 30 de julho de 1863, em Springwells, a sudoeste de Detroit, hoje um distrito de Dearborn, Estado do Michigan. Seu pai, William Ford, nasceu próximo a Cork, Irlanda, e veio para a América em 1847. Muitos membros da família Ford estabeleceram-se próximo a Dearborn. Mary Litigot, sua mãe, nasceu nos Estados Unidos, filha de holandeses, e morreu quando Henry tinha doze anos de idade.

Frequentou escolas rurais até aproximadamente seus quinze anos, trabalhando na fazenda de seu pai depois das aulas e nos períodos de férias escolares. Desde cedo demonstrou habilidades para a invenção, particularmente na mecânica. Ele cuidava dos reparos nas máquinas da fazenda de seu pai e atendia aos fazendeiros vizinhos, além de consertar relógios nos arredores de onde morava. Ford não tinha interesse no pagamento de seus trabalhos, simplesmente tinha uma ardente curiosidade de ver como as coisas funcionavam mecanicamente. O conserto de relógios geralmente era feito à noite e secretamente, pois seu pai desaprovava a prestação de serviços de graça do filho, além de sempre desejar que Henry se tornasse fazendeiro. Em 1879 mudou-se para Detroit, conseguindo ali, após breves experiências nas lojas da Michigan Car Company, um emprego como aprendiz na James Flower and Brothers Machine, trabalhando dez horas por dia. Depois de aproximadamente um ano, passou a trabalhar na Detroit Dry Dock. Em poucos anos ele trabalhou em muitas empresas, não deixando nunca o conserto de relógios como trabalho paralelo. Por algum tempo chegou a frequentar a escola de comércio. Buscava sempre aumentar seus conhecimentos de mecânica tanto com a leitura quanto com a prática. Depois de seu aprendizado concluído, ligou-se à Westinghouse Engine, no sul de Michigan, sendo ali seu primeiro contato com um motor de combustão interna Otto, em 1885, quando o reparou e aproveitou para estudá-lo intensamente.

Em 1886 seu pai lhe ofereceu 80 acres de terra, com mata fechada e uma pequena casa. Ford aceitou, operou uma serraria, vendeu tábuas e reparou motores aplicados às fazendas. A razão para seu retorno ao solo foi ter-se tornado noivo de Clara J. Bryant, filha de um fazendeiro vizinho, com quem acabou se casando. Construindo uma nova casa, Ford instalou uma oficina onde tentou construir um arado a vapor. Conseguiu fazer um trator a vapor com um motor de um cilindro, mas não podia fazer uma caldeira que fornecesse pressão suficiente sem que o motor ficasse muito pesado para o que visava. Desistiu de seu trator até que pudesse inventar um motor mais eficiente. Muitos tratores a vapor já existiam nesta época, mas o pensamento de Ford era na direção de um aparato simples, barato e econômico.

Em 1888 mudou-se novamente para Detroit, conseguindo um emprego na Edison Illuminating Company e tornou-se, dois anos depois deste retorno, engenheiro-chefe. Muito impressionado com o automóvel de Charles Duryea, que surgiu em 1892, e por artigos em revistas sobre motores em revistas americanas e britânicas, Ford direcionou seus objetivos para a construção de seu próprio modelo de carro em um pequeno galpão nos fundos de sua casa. Nesta pequena oficina ele trabalhou sete anos, usufruindo de sua associação com Charles B. King, um engenheiro já renomado. Na primavera de 1896 Ford completou sua primeira "carruagem sem cavalos". Ela tinha dois cilindros com 2,5 polegadas de diâmetro e curso de 6 polegadas, sendo dispostos lado a lado em torno do eixo traseiro e desenvolviam aproximadamente 4 HP, os quais eram transmitidos do motor para um eixo por uma correia e do eixo para a roda traseira por uma corrente. Depois de rodar seu carro por aproximadamente 1000 milhas, Ford o vendeu por 200 dólares de forma que pudesse construir outro, que fosse mais leve e forte. Por volta de 1899 ele havia feito três carros e, sentindo que havia ganho a experiência necessária, deixou a empresa de Edison, com o apoio deste ao desenvolvimento do projeto do ex-funcionário, e começou a fabricar carros como negócio, junto a dois sócios e com o apoio de um pequeno grupo de empresários: organizou, assim, a Detroit Automobile Company, da qual era engenheiro-chefe.

A companhia acabou em 1900, depois que Henry Ford queixou-se que os diretores estavam indispostos a adotar a produção em massa de um modelo padrão. Com outro grupo, no ano seguinte, organizou outra companhia, que também dissolveu-se depois de produzir modelos de corrida impraticáveis. Com a cooperação do projetista Harold Wills e poucos ajudantes, continuou a construir carros de corrida, construindo o "999", com o qual Barney Oldfield disputou várias corridas e conseguiu vitórias e recordes que renderam, principalmente, publicidade, e esta por sua vez permitiu suporte financeiro às ideias de Ford. Organizou a Ford Motor Company em 16 de junho de 1903, aliado a um empresário de carvão de Detroit, Alexander Y. Malcolmsom, e um pequeno grupo de investidores. Desta vez possuía muito mais trunfos, aliando ao seu próprio talento o de seu assistente, C. H. Wills, por sua vez assessorado pelo gerente de Malcolmsom, James Couzens (que mais tarde viria a ser senador por Michigan). O primeiro carro produzido pela nova companhia demorou um mês para ser vendido, mas a partir daí tanto os pedidos quanto a produção aumentaram rapidamente. Durante seu primeiro ano a companhia enfatizou os carros com dois cilindros e 8 HP com "chain drive", dos quais 1708 foram produzidos e vendidos a 850 dólares cada. Os primeiros lucros representavam um lucro de mais de 100% no investimento inicial. Com esse dinheiro disponível foi possível melhorar os modelos, aumentar a produção e a venda de carros tornou-se a principal publicidade nacional. Mais de 5000 veículos foram vendidos em 1904-1905.

Em 1905 Malcolmsom e Ford, apesar de concordarem que a companhia deveria concentrar suas atenções num único modelo, divergiram sobre qual: enquanto Malcolmsom defendia um modelo caro, Ford achava que um modelo simples seria mais interessante para os negócios. Essas divergências levaram Ford a assumir a presidência em 1906, a partir de quando pôde executar sua ideias. Por todos os anos seguintes ele travou uma batalha judicial, pois George Baldwin Selden tinha a patente para a fabricação de uma locomotiva, que datava de 1879. A patente abrangia máquinas de estrada de um modo geral. Ford venceu na Corte Federal em 1911, embora houvesse tido sentença contrária em 1909.

Desde o início, Ford desejava construir um carro que custasse 500 dólares ou menos, mas foi a decepção na venda do Modelo K que o convenceu que um modelo de baixo preço representaria um futuro melhor. Nos anos de 1906-1907 ele implantou na companhia a política de produzir um carro padronizado e relativamente barato, que necessitasse um mínimo de cuidado e custos em sua manutenção. Usando uma liga de aço-vanádio leve porém forte, projetou primeiro o confiável Modelo N, e então o melhorou, fazendo o Modelo T, que acabou conhecido por todo o mundo como o "carro Ford". Em 1909 anunciou que a companhia fabricaria somente o chassi do Modelo T, e que "o cliente pode ter um carro pintado com a cor que desejar, contanto que seja preto". A fábrica de Ford formulou planos para a fabricação em quantidades até então impensáveis. Durante 1912-1914, foram instalados os métodos da produção em massa, incluindo as linhas de montagem de movimento contínuo, e imediatamente foi possível montar um carro a cada 93 minutos. Em 1915 já havia um milhão de Modelos T fabricados. O carro tinha demanda contínua, e antes de 1925 as vendas anuais atingiram cem milhões de dólares. Neste período, filiais da companhia já se espalhavam, sendo as principais as localizadas em Ontario (Canadá), fundada em 1904, e em Manchester (Inglaterra), fundada em 1906.

Para Henry Ford o ciclo de produção começava com o cliente: achava que a mercadoria deveria ser antes de tudo ajustada de forma a atender o maior número possível de consumidores em qualidade e preço, e consequentemente o número de clientes tenderia a aumentar continuamente conforme o preço do artigo fosse caindo. Ao mesmo tempo, pelo pagamento de um salário substancial para aqueles que trabalhavam com a produção e a distribuição, o poder de compra aumentaria. Em janeiro de 1914, ele e seu sócio James Couzens aumentaram todos os salários em suas indústrias para um mínimo de 5 dólares por oito horas de trabalho (a média até então era de 2 dólares e quarenta centavos por nove horas de trabalho). Esta última medida provocou rápida economia pois serviu como incentivo até então desconhecido aos funcionários: o índice de retrabalho diminuiu sensivelmente, assim como as horas improdutivas.

Com o aumento da produção e das vendas o preço do Modelo T caiu de 950 dólares em 1909 para 295 em 1922, e a marca de 15 milhões de unidades produzidas foi atingida em 1927. A teoria geral nas fábricas de Ford foi que tudo deveria estar em movimento: "o trabalho deve vir até o homem, e não o homem até o trabalho". Assim, em 1925 um carro a cada 15 segundos emergia das linhas de montagem.

Ford fez planos nos quais suas fábricas se auto manteriam, evitando o lucro de intermediários. Por volta de 1925 elas tinham suas próprias minas de ferro e carvão e fontes de madeira, suas próprias estradas de ferro e uma grande esquadra de barcos a vapor, tanto de uso marítimo como lacustre. Importante é dizer que todos operavam segundo os princípios dos relevantes salários, alta produção e baixos custos. A economia em todos os setores era a regra predominante: todo o desperdício de madeira tinha destino até a destilaria de madeira, todo o refugo era convertido, todas as sobras das fornalhas iam para a fábrica de cimento.

Como os negócios se desenvolviam, tornou-se claro que era desperdício montar carros somente numa fábrica, se os barcos eram disponíveis. A manufatura na fábrica de Highland Park, e mais tarde na do rio Rouge, cessou de montar completamente um automóvel: passaram a ser responsáveis por partes, que eram transportadas até unidades responsáveis pela montagem final. Então houve uma grande difusão das instalações rurais, onde fabricavam-se pequenas partes e utilizava-se mão-de-obra dos arredores. Filiais eram instaladas em várias partes do mundo, desde que os custos permitissem. A grande central no rio Rouge, nos arredores de Detroit, foi a mais completa e equipada do mundo.

Depois de 1916, quando James Couzens deixou a companhia, Ford comandou absoluto, não poupando tempo para as questões a seu respeito. Em 1918 candidatou-se ao senado norte-americano pelo Partido Democrata, sendo derrotado por muito pouco por Truman H. Newberry, e desde então nunca mais se envolveu com política.

No ano de 1927 a fabricação dos Modelos T caiu bastante, pois os consumidores passaram a exigir não só economia, mas também velocidade e estilo. As estradas da época já podiam acomodar carros mais modernos. O novo modelo, o A, exigia uma completa restruturação da produção em relação ao velho T, tanto em projeto quanto em métodos de fabricação.

O projeto do Modelo A incluía o uso de recentes desenvolvimentos na fabricação, particularmente no uso da solda elétrica, dos metais forjados e do repuxo em tornos ("spinning"). Praticamente toda a madeira que existia em modelos antigos foi abolida. Aproximadamente 40000 máquinas-ferramentas tiveram que ser remodeladas ou substituídas. O novo modelo utilizou uma alavanca de mudança padrão e um novo tipo de motor capaz de responder rapidamente e de manter velocidades entre 60 e 70 milhas por hora. O chassi foi rebaixado e o projeto do corpo sofreu mudanças visando uma melhor aparência. Os avanços na fabricação permitiram que as tolerâncias no Modelo A fossem da ordem de 5 décimo-milésimos de polegada, enquanto no velho modelo a máxima precisão que se conseguia era de um milésimo. O custo total da conversão efetuada nas fábricas de Ford foi em torno de duzentos milhões de dólares, aos quais devem ser adicionadas as perdas de fornecedores e distribuidores devido ao período em que a produção parou (aproximadamente 6 meses). Aparentemente absurdo, mas quando comparado ao patrimônio total das fábricas, correspondia a um quinto do seu valor. Muito dos gastos estava relacionado à adoção de novos métodos e ao maquinário, e não ao projeto do novo carro.

Enquanto isso, na metade dos anos 20, a General Motors Company superou a Ford Motor Company, e enquanto Ford mudava para seu novo modelo, a General Motors já possuía dois quintos do volume de negócios de automóveis, proporção esta que continuava a crescer. Por algum tempo o Modelo A foi altamente lucrativo, mas seu projeto permaneceu praticamente estático por cinco anos. Outras companhias introduziram motores de seis cilindros, freios hidráulicos, transmissões mais eficientes e melhores linhas, mas a engenhosidade de Ford estava estagnada. Walter P. Chrysler, comprador da Dodge Automobile, tornou-se um competidor destacado, particularmente depois que introduziu o modelo de baixo preço Plymouth, em 1931. Assim, foi necessário que novamente Ford restruturasse sua fábrica para outro modelo, o V-8. Este encontrou boa resposta do mercado, atingindo um quinto da produção norte-americana. Entretanto seu modelo de luxo, o Lincoln, teve resultados decepcionantes.

Desde sua infância Henry Ford tinha interesse em tratores para trabalhos na terra, como já foi dito. E foi quando o Modelo T estava estabelecido que Ford entrou neste campo. Por volta de 1920 ele vendia três quartos dos tratores fabricados no país, e conseguiu reduzir o preço de seu produto, o Fordson, de 750 para 395 dólares. Mas a General Motors e a International Harvester Company tornaram-se grandes competidores, e por volta de 1930 a Harvester estabeleceu claramente sua supremacia. Entretanto, Ford foi responsável por contribuições inquestionáveis na mecanização do campo. Foi também um dos pioneiros na fabricação de motores aeronáuticos, construindo o motor Liberty na Primeira Guerra Mundial, e um trimotor para aviões logo depois. Em 1935 organizou o National Farm Chemurgic Council, visando ampliar o alcance dos produtos ligados ao campo e conquistar novos mercados.

Ford colocou antes do governo um plano para o desenvolvimento racional de Muscle Shoals, Tennessee, visando aproveitar os poderosos recursos naturais, Ele pagou 5 milhões de dólares para que a fábrica de nitrato arrendasse por 100 anos a grande represa, e lançou um grandioso programa que combinava a agricultura e a indústria no vale do Tennessee. O objetivo era sadio, mas os meios inadequados, e apesar do apoio do presidente Calvin Coolidge, o senado colocou-se inflexível contra o esquema de Ford. O interesse de Ford em fazer uma vida campestre mais atrativa e rentável foi exemplificada pela sua compra e administração de grandes regiões modelos na Inglaterra, Georgia e Michigan. Em Detroit, construiu o Hospital Henry Ford, com equipamentos muitas vezes únicos, e em 1919 comprou um jornal semanal, o "Dearborn Independent". Também iniciou numerosos experimentos de interesse educacional, baseado no princípio de que os livros didáticos não deveriam ser isolados de experiências de vida.

Desde o início da grande depressão em 1930, Ford, assim como muitos outros industriais norte-americanos, caiu em contradição: havia conseguido popularidade por suas realizações revolucionárias na tecnologia, o salário-minimo diário de 5 dólares, seu ponto de vista original sobre a combinação campo-indústria, seu prazer com as danças folclóricas, sua veneração por relíquias do passado americano que eram por ele colecionadas no Greenfield Village Museum, próximo a Detroit, e, seus modos democráticos. Seu círculo de amizades era composto de nomes como Thomas Edison, John Burroughs e Harvey Firestone, personalidades de repercussão nacional que sempre o acompanhavam em excursões e passeios de barco. Seu pacifismo enraizado, o qual o levou a encabeçar uma campanha no barco "Oscar II" para a Europa "para tirar os garotos das trincheiras pelo Natal", foi lembrado muitas vezes como um crédito ao seu coração, muitas vezes à sua cabeça. A viagem veio a não acontecer, mas não pode-se negar que foi um gesto idealista. Nos anos de 1923-1924 houve movimentos em vários pontos do país para lançar o nome de Ford como candidato à presidência pelo Partido Democrata. Até seu violento embate através do "Dearborn Independent" contra uma imaginada "conspiração judia internacional" (pela qual ele relutantemente desculpou-se) acabou deixando-o mal. Mas desde 1930 até sua morte ele foi alvo de ataques tanto extremos quanto de congratulações.

Três elementos foram fundamentais nas mudanças que ocorreram com Ford. Primeiro sua política de trabalho, uma das marcas de seu "paternalismo feudal", que cessou devido às mudanças de época. A ascensão da United Automobile Workers como parte do Congress of Industrial Organizations (C.I.O.) levou a uma série de conflitos na indústria automotiva, e a Ford Motor Company foi eminente nas discussões. Ford teimosamente contestou as oficinas fechadas. Mais tarde, quando a administração Roosevelt estabeleceu as National Labor Relations, moveu uma vigorosa batalha judicial contra ela. Em 1941 perdeu sua luta na corte, e então a fábrica de Ford rendeu-se à C.I.O. Segundo, Ford estabeleceu dentro de sua companhia uma organização chamada de Ford Service Department, encabeçado por Harry B. Bennett, o qual exercia funções de policiar dentro da fábrica e dava a muitas operações da companhia uma má-reputação. Terceiro, quando a Segunda Guerra Mundial começou, Ford ainda exibia seu pacifismo inquestionável. Juntando-se a isolacionistas extremos, opuseram ajuda aos Aliados e aos Estados Unidos para entrar na guerra. Quando finalmente estes entraram na guerra, de qualquer modo, a Ford Motor Company cedeu e forneceu o suporte que o governo pretendia, e criou uma grande fábrica de aviões em Willow Run, Michigan.

Henry Ford morreu em 7 de abril de 1947, em Dearborn. Desde então tornou-se uma figura legendária, e enquanto uma avaliação exata de seu caráter e suas realizações é uma tarefa extremamente difícil, o mundo reconhece o quanto mais que outras simples figuras ele representou para a revolucionária mudança que forjou com a implantação da produção em massa. Antes de morrer ele transferiu grande parte de suas propriedades para a Henry Ford Foundation, a qual tornou-se uma das mais ricas instituições filantrópicas do mundo. A Ford Motor Company permaneceu nas mãos da família até 1956, quando uma sociedade fechada passou a administrá-la, tendo como líder seu neto, Henry Ford.

Créditos: Luciano Antonio Gileno, Faculdade de Engenharia Mecânica, Unicamp

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: