dcsimg

Karl Marx


Karl Heinrich Marx nasceu em Trèves, ao sul da Prússia, a 5 de maio de 1818. Foi o segundo de oito filhos do advogado Hirschel Marx e de sua esposa, a holandesa Henriette Pressburg. Seu avô paterno era um rabino judeu, porém, Hirschel, por temer as conseqüências das leis anti-semitas promulgadas pelo rei da Prússia, converteu-se ao protestantismo quando Karl ainda era criança. A mãe de Marx também descendia de rabinos judeus, mas em momento algum de sua vida interessou-se em exercer influência doutrinária sobre o filho. Os pais de Karl constituíam uma casal harmonioso, o que parece ter contribuído de forma substancial para a formação de sua personalidade. Como indicam várias avaliações de seus professores, Marx foi excelente aluno. Completou o segundo grau aprovado com êxito no exame de maturidade.

Desse modo começou a manifestar um agudo sentido de justiça e uma ampla visão acerca da humanidade. Em 1835 e 1836 faz cursos de direito, mitologia clássica e história da arte na Universidade de Bonn. De volta a Trèves, nas férias, conhece uma amiga de sua irmã Sofia. Era sua futura esposa, Jenny von Westphalen. Uma jovem quatro anos mais velha que ele, muito inteligente, de grande energia e filha do conselheiro de Estado privado prussiano, um alto cargo. Este logo se torna admirador da excepcional inteligência do já noivo de sua filha. Porém, o pai de Marx temia que seu filho levasse a moça a uma vida aventureira e cheia de perigos. Conseqüentemente, manda o filho à longínqua Universidade de Berlim, onde começa a fazer o curso de direito. Porém, o que lhe desperta maior interesse são as lições de filosofia e história. De lá envia inúmeras cartas apaixonadas à Jenny.

Nessa época, Karl freqüentou um círculo de poetas, porém, reconheceu que sua poesia não tinha valor artístico. A partir desse momento começa a ter contato com a obra de Hegel, antigo professor da universidade, Spinoza, Kant, Aristóteles e Epicuro. Marx logo se opõe ao sistema de Hegel, que justifica a ordem social e política existente, como resultado necessário da marcha do espírito absoluto através da história. Ao contrário do que alguns dizem, a relação de Marx e Hegel não foi uma revolta do discípulo contra o mestre. Marx jamais foi discípulo de Hegel. Antes disso, foi seu crítico, seu adversário político, buscando apropria-se de alguns aspectos do hegelianismo, principalmente da dialética, para voltá-los contra o sistema.

Defendendo idéias igualitárias, Karl passou a sofrer perseguições do regime de Frederico Guilherme IV. No início de 1842 encontra-se como professor desempregado em Bonn, sem meios de se casar. Não podendo expressar suas idéias na universidade, resolve apresentá-las nos jornais. Seu primeiro artigo, sobre a censura à imprensa, foi... censurado!!! Então passou a enviar seus textos para o jornal liberal A Gazeta Renana. Obteve grande sucesso e assumiu a direção do jornal em Colônia. Porém, após violento texto contra o regime czarista de Nicolau I na Rússia, o mesmo pressiona com sucesso o governo prussiano a fechar o jornal. Então, em 1844, Marx combina a criação de uma nova revista com o amigo Arnold Ruge. Publica um único número - Anais-Franco-Alemães. Muito perseguido na Prússia muda-se para Paris logo após sua lua-de-mel. Lá envolve-se no movimento dos operários franceses e reencontra seu futuro maior amigo Friedrich Engels, depois de conhecê-lo não muito profundamente em Colônia. Na capital francesa, passa necessidades, escassamente supridas pela retribuição recebida pelo trabalho na revista Vorwäts!, em português: Avante! Porém, por seus artigos sobre a situação política na Alemanha, é expulso da França por pressão de Guilherme IV. De lá parte para Bruxelas, onde pôde entrar mediante a assinatura de um documento comprometendo-se a não redigir artigos sobre a atualidade política nacional ou internacional. Lá associa-se à Liga Socialista pela Justiça, posteriormente denominada Liga Comunista. Logicamente não cumpriu a determinação de não escrever artigos políticos, e acabou sendo expulso da Bélgica, voltando para Paris. Em 1848, aproveitando a morte de Guilherme IV, pôde voltar com Engels e sua mulher para Colônia, onde iniciam a publicação da Nova Gazeta Renana, fechada no ano seguinte. Engels acabou sendo exilado em Londres devido a um mandato de prisão expedido contra ele. O mesmo aconteceu com Marx mais tarde. Exilou-se em Londres, onde permaneceu até o fim de sua vida.

O período de fins de 1843 a princípios de 1845 que passou em Paris, constituiu verdadeira reviravolta no curso da vida de Marx e de suas atividades. Lá, percorreu os lugares históricos da Revolução Francesa. Sua impressão foi tão forte e intensa , que passou a ler historiadores franceses. Descobriu assim, a luta de classes que a burguesia realizou contra a nobreza. Vê que a filosofia das luzes não ocasionara, por si só, a revolução, e que, antes, acompanhara e estimulara o movimento objetivo da luta entre as classes. Concluiu que a alta burguesia que estava no poder não tinha mais nada de revolucionária, sendo incapaz de cumprir as tarefas democráticas, e que, agora, o impulso da libertação viria de uma nova classe, a dos trabalhadores e assalariados. A classe do proletariado. A capacidade de libertar a sociedade das mais variadas formas de opressão estava agora nas mãos dessa classe, desde que ela tome consciência de seus interesses de classe e atue de forma organizada. Marx parte para uma profunda crítica contra o capitalismo, que considera a maior causa da alienação da humanidade. Descreve a economia como sendo de importância central para os demais aspectos da existência humana. Passa a se dedicar inteiramente a atividades que procuravam melhorar as condições de vida dos trabalhadores. Criticou, assim, os comunistas essencialmente teóricos, e defendeu a ação, o comunismo concreto. Paul Lafargue, seu genro e secretário, relata que Marx descansava andando de um lado para outro da sala, chegando a formar uma trilha no assoalho. O trabalho era tanto, que freqüentemente Karl se esquecia de comer. Era extremamente meticuloso, rigoroso e caprichoso com seus trabalhos. Foi assim com O Capital, publicado em 1867 e que se transformou na referência central na área das ciências sociais e, como no Manifesto Comunista, fixou os princípios de uma doutrina fundamentada na análise histórica das sociedades humanas. Com o objetivo de coordenar a ação do proletariado contra a exploração capitalista, em 1864 criou-se a Associação Internacional dos Trabalhadores, em Londres. Com aprovação unânime do Comitê Geral, Marx obtém consentimento para a publicação dos textos que redigiu, contendo os estatutos indicando o objetivo da Associação e torna-se dirigente principal da mesma.

É impossível falar de Marx sem lembrar Engels. Suas atividades políticas, intelectuais e militantes estiveram estreitamente ligadas. Engels era filho de um industrial muito religioso e conservador e fora criado num ambiente dominado pelo pietismo, a tendência mais rigorosa do protestantismo alemão. Aos 19 anos começou a publicar artigos com conteúdo democrático na revista da cidade. Com 24, Engels visitou a redação da Gazeta Renana. Foi recebido friamente por Marx, por ter prevensão contra a falta de seriedade dos Liberados, grupo extremista do qual Engels fazia parte e que promovia atividades ruidosas. Mesmo assim, Marx publicou dois de seus artigos. Os dois encontraram-se novamente em Paris, em 1844. Engels estava terminando um estudo sobre o sistema capitalista inglês, trabalho que muito interessava a Marx. Começava aí uma forte e duradoura amizade. Engels foi um dedicado consultor do trabalho de Marx, debatia muito com seu amigo e em diversos momentos socorria financeiramente a família de Marx. Em 1848, juntos abalariam e transformariam o mundo escrevendo o glorioso Manifesto do Partido Comunista. Após a morte de Marx, Engels pôs-se a completar e divulgar o trabalho do amigo pelo mundo. Em 1895 Engels morreu de câncer no esôfago. A amizade entre ele fica clara nessas declarações:

"QUERIDO FRED:
ACABO DE CORRIGIR A ÚLTIMA FOLHA DO ÚLTIMO CADERNO DE O CAPITAL; O PREFÁCIO, REMETI-O CORRIGIDO ONTEM. ESTA PARTE ESTÁ CONCLUÍDA, ENTÃO. SOMENTE GRAÇAS A TI FOI POSSÍVEL. SEM TEUS SACRIFÍCIOS NÃO ME SERIA POSSÍVEL LEVAR A CABO O ENORME TRABALHO QUE OS TRÊS VOLUMES EXIGEM.
UM ABRAÇO. E MUITO, MUITO OBRIGADO.
KARL"

Sete anos após a morte de Marx, Engels escreveu:

"MEU DESTINO É ESSE: COLHER A GLÓRIA E AS HONRAS DAS SEMENTES QUE FORAM PLANTADAS POR ALGUÉM MAIOR QUE EU: KARL MARX. POR ISSO, SÓ POSSO PROMETER DEDICAR O RESTO DA MINHA VIDA AO SERVIÇO ATIVO DO PROLETARIADO PARA, SE POSSÍVEL, UM DIA TORNAR-ME DIGNO DESSA HONRA"

Relata-se que Marx era um pai meigo e amoroso. Gostava muito de caminhar com a família e dizia que os filhos devem educar os pais. Ele e sua família sofreram vários infortúnios materiais, porém sua família sempre o apoiou. Dizia que a relação homem-mulher é uma troca de valores. Mas quando um dos parceiros deixa-se alienar pelo dinheiro, os valores são opostos: o amor se transforma em ódio, a fidelidade se dilui. "O amor é o meio de o homem se realizar como pessoa", dizia.

Marx nunca teve qualquer inimigo pessoal. Porém, tinha por hábito debater suas teses com os outros filósofos, o que rendeu muitas polêmicas. Uma delas foi com o filósofo Proudhon, o homem mais popular do movimento operário francês. Marx escreveu a ele convidando-o para participar dos Comitês de Correspondências Comunistas, que promoveria o intercâmbio de comunistas de vários países. Proudhon respondeu recusando participar do movimento por contestar o internacionalismo de Marx e suas concepções econômicas. O ideal de cooperativas de Proudhon estava muito distante do empenho de Marx e Engels em organizar a luta da classe do proletariado contra a burguesia. Essas opiniões do filósofo francês foram relatadas em seu livro Filosofia da miséria, escrito contra Marx. Nesse livro defendia ideais anarquistas, com uma sociedade baseada na pequena propriedade. A resposta de Marx veio com o livro Miséria da filosofia onde diz que, de Hegel, Proudhon só havia adquirido o vocabulário, além de criticar seu reformismo e chamar suas idéias de pequeno-burguesas e descomprometidas com a classe trabalhadora.

Também polemizou com Bakunin, o "pai do anarquismo". Este era um revolucionário de formação hegeliana e defendia a greve geral, contestada por Marx, que dizia que a mesma era um mito que poderia prejudicar a organização da classe trabalhadora, que deve amadurecer com paciência. Bakunin admirava o conhecimento de Marx, porém o considerava prepotente e defendia a auto-organização do trabalhador. Disse Marx sobre o programa de Bakunin: "é uma salada de lugares-comuns, de palavrório sem sentido, uma grinalda de conceitos e improvisação insípida".

Os dez últimos anos da vida de Marx foram marcados pela deterioração de seu estado de saúde. Sofria distúrbios hepáticos há mais de 20 anos e era vítima de violentas e insistentes dores de cabeça que o levavam à insônia. Contrariando ordens médicas continuava trabalhando até tarde da noite, devorando uma quantidade de livros ainda maior que antes. Já em 1881 é um doente condenado pela medicina da época. Não consegue se dedicar muito na redação dos livros II e III de O capital. Passa a apenas ler, tomar gigantescas notas para Engels e a se encontrar em casa com militantes revolucionários comunistas de todo o mundo. O golpe definitivo vem com a morte de Jenny no fim do mesmo ano e com a de sua filha mais querida, que levava o nome da mãe, em 1883. Dois meses depois desse acontecimento, a 14 de março, Karl Marx falecia na mesa de seu escritório tuberculoso e morando num casebre. Foi sepultado no cemitério de Highgate, em Londres, no setor reservado às pessoas banidas e rejeitadas pela igreja anglicana.

Marx morreu, porém seu legado é imortal. Até hoje inspirou grandes revoluções que tornaram o proletariado uma classe mais digna. Ainda é subjugada pelo capitalismo, vive nas sombras, porém não podemos negar os avanços obtidos durante anos de luta contra uma burguesia exploradora. Cooperativas, e mais tarde sindicatos, foram criados para defenderem os direitos dos operários. Manifestações e revoltas reivindicaram respeito para com essa classe. E tudo começou com Marx. Ainda é escassa de cultura e dignidade a vida dos trabalhadores, mas são mais dos que tínhamos há duzentos anos. E tomando como exemplo lutadores do povo como foi Karl Marx, um dos mais célebres pensadores já produzidos pela humanidade, é que conseguiremos edificar uma sociedade mais justa.

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: