dcsimg

Oswald de Andrade


José Oswald de Sousa Andrade nasceu em São Paulo em 1890. Fez o curso secundário no Ginásio de São Bento e formou-se em Direito em 1919. Viajou pela primeira vez à Europa em 1912, retornando, diversas vezes, no período de 1922 a 1929. Essas visitas lhe possibilitaram entrar em contato com o futurismo ítalo-francês e a conhecer, mais profundamente, as vanguardas surrealistas francesas. Antes, em 1911, fundou o semanário humorístico O Pirralho, publicando aí ensaios; em 1920, criou outro jornal: Papel e Tinta.

Nos anos que antecederam a Semana de Arte Moderna, foi um ativo organizador, clamando pela ruptura com a tradição européia por meio de rebelião estética, o que estimulou o meio artístico a buscar novos rumos. Ao encontrar-se, em 1920, com Mário de Andrade, o apresenta ao público como "o meu poeta futurista", marcando a luta pela renovação. Em l924, iniciou o movimento Pau-Brasil, cujo programa era libertar a poesia "das influências nefastas das velhas civilizações em decadência", apontando o primitivismo como caminho a ser seguido. Em 1928, lançou outro movimento, o Antropofágico. Com o "crack" da Bolsa e a Revolução de 30, a fortuna familiar passa por grave crise. O escritor assumiu posição esquerdista, filiando-se ao Partido Comunista.

Participou da luta operária e antifascista, nos anos que antecederam o golpe de Estado de l937, ao mesmo tempo em que era redator do jornal O Homem Livre. Em 1943 e 1946, publicou dois volumes da obra inacabada Marco Zero, dedicada à análise da crise econômica de 1930 e à sociedade burguesa paulista. Em 1945, tornou-se livre-docente em Literatura Brasileira na Universidade de São Paulo. De acordo com Antonio Candido, pode-se afirmar que a "importância histórica [de Oswald de Andrade] de renovador e agitador (no mais alto sentido) foi decisiva para a formação da nossa literatura contemporânea". Morreu, em São Paulo, em 1954.

Oswald de Andrade manteve-se sempre fiel ao projeto do Modernismo e, sobretudo, às rupturas com os cânones do passado. Sua poesia "pau-brasil" prima pela linguagem reduzida, telegráfica, coloquial e repleta de humor; uma "poesia brasileira original, de exportação". Sua prosa pode ser dividida em três momentos: crepuscular, relativa ao período de transição para o Modernismo, apresentando já o embrião de uma "prosa cinematográfica", mas um tanto incerta, revelando imaturidade; parodística e cubista, encontrada no "romance-invenção" Memórias Sentimentais de João Miramar (1924), composto de frases curtas, fragmentos justapostos, montagens, poemas intercalados e emprego da paródia ("canto paralelo"), marcando as peripécias dos heróis e o período experimental do movimento.

Memórias Sentimentais de João Miramar em especial, encerra simultaneísmo, exposição das "ordens do subconsciente", riqueza de neologismos, estilo telegráfico e quebra da ordem sintática Seus capítulos são curtíssimos com a condensação de sensações, numa técnica próxima do cinema, representada pelo processo de "colagem rápida de signos". Essa "técnica cubista" dá "ao estilo de Oswald o que ele tem de mais inesperado e intrigante", e por ser concentrada se aproxima da poesia, representando o "primeiro passo do Modernismo".

O último momento corresponde à prosa de tese, aplicada ao romance cíclico inacabado, Marco Zero, espécie de romance mural. Contudo, os romances-invenções, de 1924 e 1933, são representativos do bom Modernismo praticado por Oswald, cuja obra é definida por Alfredo Bosi como "um leque de promessas realizadas pelo meio ou simplesmente irrealizadas".

As obras poéticas do Pau-Brasil e da Antropofagia representam, também, esse Modernismo, satirizando a vida burguesa levada pelos "aristocratas" do café nas grandes capitais. Em Pau-Brasil, o escritor se utiliza da síntese para unir além da vida pré-colonial e colonial brasileira o espaço moderno e essa união, nas palavras de Alfredo Bosi, "define a visão do mundo e a poética de Oswald".

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: