dcsimg

Biotecnologia: 1. Células-tronco

Página 3 Pedagogia & Comunicação

Células-tronco são células primitivas, produzidas durante o desenvolvimento do organismo e que dão origem a outros tipos de células. Existem vários tipos de células-tronco:

1. Totipotentes - podem produzir todas as células embrionárias e extra embrionárias;
2. Pluripotentes - podem produzir todos os tipos celulares do embrião;
3. Multipotentes - podem produzir células de várias linhagens;
4. Oligopotentes - podem produzir células dentro de uma única linhagem e
5. Unipotentes - produzem somente um único tipo celular maduro.

As células embrionárias são consideradas pluripotentes porque uma célula pode contribuir para formação de todas as células e tecidos no organismo.


Embrião humano na fase de blastocisto, do qual se
extraem as células-tronco embrionárias
São encontradas em embriões recém-fecundados (blastocistos), criados por fertilização in vitro - aqueles que não serão utilizados no tratamento da infertilidade (chamados embriões disponíveis) ou criados especificamente para pesquisa; embriões recém-fecundados criados por inserção do núcleo celular de uma célula adulta em um óvulo que teve seu núcleo removido - reposição de núcleo celular (denominado clonagem); células germinativas ou órgãos de fetos abortados; células sanguíneas de cordão umbilical no momento do nascimento; alguns tecidos adultos (tais como a medula óssea) e células maduras de tecido adulto reprogramadas para ter comportamento de células-tronco.

As células-tronco podem ser utilizadas para substituir células que o organismo deixa de produzir por alguma deficiência, ou em tecidos lesionados ou doentes. As pesquisas com células-tronco sustentam a esperança humana de encontrar tratamento, e talvez até mesmo cura, para doenças que até pouco tempo eram consideradas incontornáveis, como diabetes, esclerose, infarto, distrofia muscular, Alzheimer e Parkinson. O princípio é o mesmo, por exemplo, do transplante de medula óssea em pacientes com leucemia, método comprovadamente eficiente. As células-tronco da medula óssea do doador dão origem a novas células sanguíneas sadias.

Atualmente, as células-tronco podem ser mantidas em laboratório por meio de culturas celulares, sendo utilizadas na pesquisa sobre o tratamento de doenças como leucemia, diabete, infarto, entre outras. O objetivo desses tratamentos é realizar a reposição de tecidos danificados, devido a doenças ou acidentes, substituindo-os por células saudáveis.

A totipotência das células-tronco embrionárias desperta grande interesse científico, uma vez que podem originar diversos tipos celulares. O tratamento de algumas doenças - como, por exemplo, câncer, mal de Alzheimer, osteoporose, problemas do coração e cegueira - pode ser auxiliado pela terapia com essas células. As células-tronco são formadas no embrião apenas até este atingir entre 32 e 64 células, ou seja, muito antes da formação de qualquer tecido embrionário.

As células-tronco embrionárias geralmente são provenientes de embriões não utilizados durante o processo de fertilização artificial. Esses embriões excedentes são congelados e armazenados. A lei brasileira diz que, após três anos, esses embriões, se não utilizados e mediante autorização dos pais, podem ser usados para pesquisa científica.


Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: