dcsimg

Europa - Portugal - A independência de Portugal

  • Data de publicação

Se rápida foi a invasão árabe, a reconquista pelos visigodos foi francamente mais lenta. Este processo gradual originou o nascimento de pequenos reinos que iam sendo alargados à medida que a Reconquista era bem sucedida. Primeiro, o Reino das Astúrias, que viria a dividir-se entre os filhos de Afonso III das Astúrias quando morreu. Assim nasciam os reinos de Leão e Castela e, mais tarde, de Navarra e Aragão e da Galiza.

Para ajudar na ambição de Afonso VI de Leão e Castela (autodenominado Imperador de toda a Espanha), vem um conde da Borgonha, D. Henrique a quem, por mérito, lhe é conferido o governo do território meridional, o Condado Portucalense. A sucessão do título far-se-ia, naturalmente, pela linhagem, não fosse seu filho, Afonso Henriques, almejar a soberania do seu território e revoltar-se contra Leão e Galiza. Em 1139, sob o título de Conde de Portugal, depois de uma estrondosa vitória na batalha de Ourique contra um forte contingente mouro, D. Afonso Henriques auto-proclama-se Rei de Portugal, com o apoio das suas tropas, conseguindo, em 1143, a Independência de Portugal. Durante o período que se segue, as atenções seguiam, sempre que possível, em assegurar essa soberania (que ficou dificultada durante a crise dinástica de 1383) e prolongar o território para Sul.

Segundo a tradição, a independência de Portugal foi confirmada mais tarde, nas míticas cortes de Lamego, quando recebeu do arcebispo de Braga a coroa de Portugal, se bem que estudos recentes questionem a reunião destas cortes. O reconhecimento de Castela chegou em 5 de Outubro de 1143 e deve-se ao desejo de Afonso VII de Castela em ser Imperador (e como tal, necessitar de reis como vassalos). Desde então, Afonso I procurou consolidar a independência por si declarada. Fez importantes doações à Igreja e fundou diversos Conventos. Procurou também conquistar terreno a sul, povoado então por Mouros e conquistou Santarém em 1146 e Lisboa em 1147. Em 1179 o Papa Alexandre III, através da bula Manifestis Probatum, reconhece Portugal como país independente e vassalo da Igreja.

O que garantiu a Independência de Portugal foi a expansão marítima, “sair da Europa”, ou “levar a Europa para fora da Europa”. É sintomático que para garantir a continuidade da independência, a aliança tenha sido feita com a Inglaterra, fora do continente europeu. O que havia no continente eram ameaças, concretizadas em episódios históricos como a União Ibérica (1580-1640), as invasões francesas e holandesas às colônias e, principalmente, a invasão francesa a Portugal (1808), provocando um evento histórico singular que foi a mudança da corte (cerca de 10.000 pessoas) e da capital do Império colonial português para a cidade do Rio de Janeiro.



A PHP Error was encountered

Severity: Notice

Message: Undefined offset: 1

Filename: subjects/article.php

Line Number: 60

>> AINDA SOBRE Europa - Portugal

Comentários

Siga-nos:

Confira no Passeiweb

  • O primeiro voo do Homem no espaço

    Em 12 de abril de 1961 o homem decolava, pela primeira vez, rumo ao espaço. Em 2011, no aniversário de 50 anos deste fato, ocorreram comemorações no mundo inteiro e, principalmente, na Rússia.
  • Tsunami

    Tsunami significa "onda gigante", em japonês. Os tsunamis são um tipo especial de onda oceânica, gerada por distúrbios sísmicos.
 

Instituições em Destaque

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo:
 
 
 
-

Notícias e Dicas - Vestibular

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas do Vestibular e dicas de estudo: