dcsimg

Brasil - A Revolução Farroupilha (7) - O Rio Grande na época

  • Data de publicação

Não obstante o "caráter guerreiro" que era atribuído ao Rio Grande pelas populações das demais províncias, os moradores locais conseguiam organizar o seu dia-a-dia de forma pacata.

Nas cidades e vilas a grande atração eram as procissões e os atos ligados à religião. As irmandades, organizações de leigos que se dedicavam a festejar um determinado santo ou a certas práticas caridosas, estavam presentes em quase todas as cidades e vilas, e tratavam de dar a pompa necessária às comemorações religiosas, desfilando pelas ruas com seus mantos coloridos. Os moradores, por sua vez, contribuíam para embelezar a festa colocando colchas trabalhadas nos balcões das casas.

Mas nesse Rio Grande de então não só se vivia de forma diferente daquela de agora - também se morria de forma diversa. A morte era anunciada pelo sino da igreja - com toques especiais para homem adulto, mulher adulta, moça virgem e crianças. Isto, em certas épocas, chegou a provocar conflitos entre as autoridades civis e eclesiásticas. Quando, no final do século passado, a província enfrentou uma epidemia de cólera, o presidente da província insistiu, junto ao bispo, para que fossem suspensos os toques de sino que anunciavam as mortes, porque "traziam a população em constante sobressalto".

Um dos principais atos da preparação para a morte era a confecção de um testamento. Ao contrário dos testamentos atuais, em que a preocupação central é realizar uma distribuição de bens, os de então eram uma espécie de acerto de contas espiritual, em que o testador procurava garantir a redenção de sua alma e comandar o espetáculo de sua morte.

Além de determinarem a repartição dos bens, estabeleciam esmolas para os pobres a serem distribuídas no dia da morte do testador, missas a serem rezadas em benefício de sua alma e, em algumas vezes com minúcias incríveis, descreviam como deveria ser o enterro - que, pelo menos até a década de 40 do século passado, era na maioria das vezes feito bem no centro das cidades, atrás da igreja, onde ficavam os cemitérios.

Curiosamente para nós, as pessoas não eram enterradas em caixão. Esse hábito só iria surgir a partir da segunda metade do século passado. Antes disso, os caixões eram emprestados ou alugados pelas irmandades que os possuíam, servindo para conduzir o falecido até a cova, onde era retirado do caixão e baixado à terra.

Os mais devotos requeriam, em seus testamentos, que fossem enterrados vestindo a roupa de algum santo de sua devoção - São Francisco de Assis, com seus trajes marrons, era especialmente cotado. Mas, de maneira geral, usava-se a mortalha, pano cozido sobre o corpo do defunto: branca para as moças virgens, branca ou azul para as crianças; roxa para as mulheres e homens adultos.

Apesar do enorme peso da religião, não se pode imaginar o Rio Grande de então como um enorme paraíso de devotos. Se as exterioridades do culto eram apreciadas e mantidas, eram, entretanto, muitos os problemas. Havia uma falta crônica de sacerdotes, principalmente na Campanha.

A presença dos primeiros protestantes provocava atritos relativos à realização de casamentos pelos pastores e ao local de enterro.

As sociedades maçônicas floresciam. A maçonaria, aliás, contava com muita força. Nela estavam presentes até sacerdotes, e a maioria dos homens influentes da província era maçom. Entre os maçons ilustres, destacava-se Bento Gonçalves, que organizou diversas lojas na fronteira, e cujo codinome, na maçonaria, era Sucre.

Veja também: A origem do nome FARRAPOS | Antecedentes | Causas | Combates e Balanço | Locais e eventos | Personagens | O Rio Grande na época | O fim

Fontes:
A Revolução Farroupilha, Sandra Jatahy Pesavento, Editora Brasiliense | Riogrande.com, Lígia Gomes Carneiro | Raízes Sócio-econômicas da Guerra dos Farrapos, Leitman, Spencer - Ed. Graal, 1979 | A Revolução Farroupilha: história e interpretação, Freitas, Décio et alli. Ed. Mercado Aberto, 1985 | Rio Grande do Sul, prazer em conhecê-lo (como surgiu o Rio Grande), Lessa, Luís Carlos Barbosa. Ed. Globo, 1984 | História Geral do Rio Grande do Sul, Ferreira Filho, Arthur. Ed. Globo, 1978 | História do Rio Grande do Sul, Flores, Moacyr. Ed. Nova Dimensão, 1996 | Bento Gonçalves, o herói ladrão, Golin, Tau. LGR Artes Gráficas, 1983 | Memória da Guerra dos Farrapos, Brito, Francisco de Sá, Corag / Arquivo Histórico do RS | A Revolução de 1835 no Rio Grande do Sul, Barcellos, Ramiro Fortes de Corag / Arquivo Histórico do RS | Guerra Civil no Rio Grande do Sul, Araripe, Tristão de Alencar, Corag / Arquivo Histórico do RS | A Revolução Farroupilha - história documental para a juventude, Corag / Arquivo Histórico do RS.

A PHP Error was encountered

Severity: Notice

Message: Undefined offset: 1

Filename: subjects/article.php

Line Number: 60

>> AINDA SOBRE A Revolução Farroupilha

Comentários

Siga-nos:

Confira no Passeiweb

  • O primeiro voo do Homem no espaço

    Em 12 de abril de 1961 o homem decolava, pela primeira vez, rumo ao espaço. Em 2011, no aniversário de 50 anos deste fato, ocorreram comemorações no mundo inteiro e, principalmente, na Rússia.
  • Tsunami

    Tsunami significa "onda gigante", em japonês. Os tsunamis são um tipo especial de onda oceânica, gerada por distúrbios sísmicos.
 

Instituições em Destaque

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo:
 
 
 
-

Notícias e Dicas - Vestibular

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas do Vestibular e dicas de estudo: