dcsimg

O surgimento da escrita (6) - Considerações finais


A introdução da escrita, enquanto sistema capaz de exprimir graficamente a linguagem, acelerou todo o processo de construção da cultura.

Por tudo o que ficou dito, podemos concluir que os primeiros registros ocorreram nos locais onde tiveram lugar as primeiras civilizações urbanas, e por força da necessidade de um sistema padronizado de valores e de notação para controlo administrativo, sendo os interesses do Estado e seus dirigentes confiados a um grupo especializado de indivíduos – os escribas.

Mas a criação dos sistemas alfabéticos não tive lugar sem que antes tivesse decorrido um lento processo evolutivo, que teve início com a escrita ideográfica (composta por signos pictóricos que representavam objetos e idéias) e a escrita fonética (pela qual os signos passaram a ter também um som que identificava os valores ideográficos).

Num segundo período, o desenvolvimento do comércio facilitou a divulgação dos sistemas de escrita, que foram entretanto adaptados a outras línguas.

Os Fenícios, por questões de menor complexidade, simplificam a sua escrita, diminuindo o número de sinais utilizados. O resultado é o desenvolvimento do primeiro alfabeto composto por apenas vinte e dois sinais.

O mesmo seria, mais tarde, adotado pelos Gregos. Este alfabeto «quase perfeito» foi aperfeiçoado com a introdução das cinco vogais [a, e, i, o, u] que não faziam parte do alfabeto fenício, que só continha consoantes. Outra inovação foi a orientação da escrita, que passou a fazer-se da esquerda para a direita.

A opção dos Gregos pelo alfabeto fenício remonta ao século XI a. C. e, a partir dele foi criado o alfabeto grego clássico no século VI a. C., o qual por sua vez originou o desenvolvimento do alfabeto etrusco.

Em relação ao alfabeto latino, os historiadores avançam com a hipótese de que por volta do século I a. C. o mesmo já fosse constituído por vinte e três letras.

Na senda da longa evolução destes vários sistemas de escrita – desde a invenção de signos gráficos até à decomposição das palavras em sons simples – a nossa civilização apenas assimilou o estádio de maturação das fases anteriores que constituíram o âmago deste trabalho.

Veja também: O surgimento da escrita | Os caracteres chineses | A Escrita Hieroglífica no Egito | A escrita cuneiforme da Mesopotâmia | O alfabeto: uma nova forma de escrita | Considerações finais

Fontes: UFRJ | Revista Temas

>> AINDA SOBRE O surgimento da escrita

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: