dcsimg

O Largo da Palma, de Adonias Filho

  • Data de publicação

Análise da obra

O Largo da Palma, livro de novelas de Adonias Filho, foi publicado em 1981.

Resumos / Análises

1. A MOÇA DOS PÃEZINHOS DE QUEIJO

Espaços: Largo da Palma, Igreja e Ladeira da Palma (visão animista). Os encontros entre Gustavo e Célia são no Largo da Palma e no Jardim de Nazaré. A casa dos pãezinhos de queijo e a de Gustavo.

Foco narrativo e Tempo

A narrativa é em terceira pessoa, com um narrador onisciente. Conhece presente e passado dos personagens, os fatos e os sentimentos internos dos personagens diante dos fatos.

Percebemos como os aspectos psicológicos são tão intensos que torna extremamente subjetiva a percepção do mundo exterior.

Embora a narração dos fatos enfatize sempre os aspectos psicológicos, interiores, o decurso temporal é cronológico, com pequenos flashes de volta ao passado (por exemplo: a morte do pai de Célia, a doença da mãe de Gustavo).

A narrativa é bastante lírica, embora aqui e ali se percebam aspectos críticos como quando fala de Largo “sempre mal-iluminado que parece em penumbra” ou quando fala da postura capitalista do pai de Gustavo em sua “decepção de ter um filho, quando não inválido, praticamente inútil”

Linguagem

Linguagem concisa, períodos curtos, incisivos. A linguagem narrativa é intensamente lírica. O narrador explora os aspectos poéticos da linguagem. Presença constante de metáforas, símbolos, comparações.

Uso do Discurso Livre Indireto: Falará com a mãe, à noite seguinte, pouco antes de sair para encontrar-se com o rapaz. E se a mãe perguntar quem é ele e o que faz, como responderá? Dir-lhe-á que não sabe sequer o nome porque não houve tempo para maior aproximação. Confessará, porém, o detalhe: “Ele é mudo”. Inútil discutir, procurar explicar, tentar justificar-se frente ao espanto da mãe. Sabe que ela não compreenderá, ninguém entenderá, o sobrado inteiro a dizer que tem um parafuso a menos. Uma doida, apenas uma doida se deixará seduzir e fascinar por um mudo.

Personagens

Há nos dois personagens protagonistas uma intercomplementaridade (carência, desejo, complementação no outro).

Joana - viúva de Roberto Militão.

Célia - protagonista, moça de dezoito anos, cabelos de carvão que chegam aos ombros, olhos também negros que combinam com a pele amorenada. Há quem afirme ser mais bonita que o canto do pássaro. Gustavo - protagonista, ele adora, com a música, os ruídos das ondas do mar, do vento nos coqueiros e os cantos dos pássaros. Falar, porém, não fala. Expressa-se com as mãos e o rosto. Responde escrevendo ou gesticulando, porque é mudo. A avó, mãe do pai, é a sua verdadeira mãe. Sua mãe desaparecera e a avó corta, enérgica, qualquer pergunta a esse respeito dizendo: é uma doente da cabeça.

Enredo

É no Largo da Palma, tão velho quanto Salvador, na esquina da ladeira que desce no caminho da Baixa dos Sapateiros, é precisamente aí que fica “A Casa dos Pãezinhos de Queijo”. Ali vive um bocado de povo, cobertas coloridas enfeitam as janelas, e a gritaria dos rádios sufoca os pregões dos vendedores de frutas da Bahia.

Joana faz os pãezinhos no andar de cima e Célia, sua filha, os vende na loja, embaixo, com a freguesia aumentando dia a dia. Todos comentam a delicadeza de quem os vende.

Gustavo escuta a voz de Célia pela primeira vez quando vai comprar pãezinhos de queijo para a avó. Nada permanece a não ser a voz que acabara de ouvir. Doce e macia, ao lado do riso alegre, a voz da moça é música melhor de ouvir-se, nas manhãs de domingo, que o próprio órgão da igreja.

No dia seguinte volta à "Casa dos Pãezinhos de Queijo". O que deseja, no íntimo, é retroceder. As pancadas do coração, porém, ordenam que prossiga. Mas prosseguir para quê? É um homem sem voz que, ao tentar falar, consegue apenas guinchar como um bicho.

Apoiando-se no balcão, escreve: "não sou surdo e, porque ouvi, sei que você se chama Célia." Célia, sentindo mais que percebendo, sabe que ele fora para declarar-se como um namorado. Permanece, pois, fascinada pelo rapaz que não fala e que de rosto faz lembrar um dos anjos da igreja.

Sabe que não esquecerá jamais, com os cabelos negros e os olhos cor de avelã, o rosto do rapaz que reflete enorme amor de homem. Como entender o que acontece? Homem ele já é com o peito largo e forte que é quase um lutador. Alto e belo como uma árvore. E por que – Senhora Santa da Palma – e por que é mudo? Nasceu assim? Houve um acidente? Doença? Uma doida, apenas uma doida se deixaria seduzir e fascinar por um mudo!

O pai de Gustavo não ocultava a decepção de ter um filho, quando não inválido, praticamente inútil. Os médicos não admitiam a cura. Que moça, afinal, o aceitaria como namorado? Ou seria uma criatura extraordinária e incomum ou apenas uma vigarista que, sabendo-o rico, a ele se chegava por causa do dinheiro.

Ele tem medo. Medo de que ela escape qualquer dia por ele ser mudo e – ela escapando – sentir-se novamente desesperado e só.

O milagre

- Não quero que você escreva mais! Quero que você fale!

Gustavo ouve e sente que o amor e o beijo de Célia podem gerar o milagre. (...) As bocas se afastam, as mãos mais se apertam, as lágrimas nos olhos que parecem sangrar. Tudo, agora, é nele angústia e dor. (...) é como num parto, a voz está nascendo. (...) E ele a rir e a chorar ao mesmo tempo, exclama, em tom ainda fraco, mas exclama:

- Amor!

2. O LARGO DE BRANCO

As personagens desse conto são Eliane, Odilon e Geraldo.

Espaços

Externo - Largo e Igreja da Palma (como já vimos, presente em todas as novelas e tratado como ser vivo), e Rua do Bângala.

Interno - Quarto em que mora Alice e que Eliane subloca. Casas em que Eliane morou na infância (Itapagipe), quando casada com Odilon e quando viveu com Geraldo (Campo Grande, Barris e Rio Vermelho).

Linguagem

Concisa, períodos curtos, incisivos. O narrador explora os aspectos lírico-poéticos da linguagem. Percebe-se o uso de metonímias: “Você, Eliane, casou com um hospital”.

O autor usa os mesmos recursos poéticos presentes nas outras novelas: metáforas, comparações, inversões, frases nominais e enumerações, assíndetos etc.

Foco narrativo e Tempo

A narrativa é em terceira pessoa, embora centrada no personagem Eliane. Está muito presente o estilo indireto livre. É como se Eliane estivesse fazendo uma revisão de suas vivências: a vida com Geraldo e a vida com Odilon.

Coloca-se como tempo presente narrativo aquela “manhã de junho”, em que, “gasto o vestido que usa, fora de moda, o melhor de todos os que restaram”, Eliane espera reencontrar-se com Odilon no Largo da Palma.

Inclusive, neste início, as formas verbais estão no indicativo presente; ressaltam a idéia dos fatos que estão em curso.

Não raras vezes se fundem presente – fatos que estão sendo vividos, e passado – fatos recordados, pois vividos no passado.

Mudam, então, os tempos verbais (imperfeito, perfeito, mais que perfeito, ressaltando a idéia de fatos já ocorridos.) Inclusive, em longos trechos, utilizam-se as aspas, para indicar que esses trechos são “narrados” pela memória da própria Eliane, como em um longo discurso indireto livre, dentro do qual aparecem formas do discurso direto.

O narrador, além de marcar o tempo, usando verbos no presente e no passado, usa os advérbios “agora” e “lá” que ressaltam o tempo presente e o lugar. Eliane no Largo da Palma, à espera de Odilon.

Lê-se e percebe-se a passagem do passado, visto através da lembrança de Eliane, para o presente:

Essa lembrança a perseguiu durante bastante tempo, era como uma idéia fixa, hora a hora a rever as notas sobre a cama. Parecia-lhe uma coisa tão venenosa e viva quanto uma víbora ou um escorpião. O dinheiro na cama, sobre o lençol, nele refletido o desprezo do homem. E como se aquele dinheiro pudesse compensar a ingratidão e resgatar a mocidade e a vida que a ele dera em troca de alguma coisa. Tudo, dera tudo mesmo em troca de nada.
O sol, agora, invade o Largo da Palma e parece que vem mostrá-lo como uma das coisas mais preciosas da Bahia . Habituara-se aos poucos com ele, o Largo da Palma... Eliane, detendo-se para aquecer-se, esmorece os passos. Lá, no quartinho onde mora, o sol não entra.


Pelo exposto, percebe-se que o tempo da narrativa é basicamente psicológico.

O mundo interior - mundo invisível

Gasto é o vestido que usa, fora da moda, o melhor dos que restaram. Os cabelos agora brancos, sempre sedosos, não melhoram o rosto cansado. Olhos sem brilho, boca um pouco murcha, as rugas. Este é o lado, o lado de fora, que Odilon verá. Sabe que o Odilon – e se não mudou inteiramente – examinar-lhe-á o rosto com atenção a observar todos os detalhes. Não poderá ver, porém, o lado de dentro, precisamente o lado da consciência e do coração.

O mundo interior traz uma percepção subjetiva do mundo exterior: (...) a rua não era a mesma e certamente não era a mesma por causa dela própria.

Apesar de menos de sete meses, ah, quanto tempo.

A tensão nervosa expulsando-a do quarto, empurrando-a para a rua. A tensão nervosa e os olhos de Alice sempre cheios de curiosidade.

(ver mundo interior = tensão nervosa; mundo exterior = olhos de Alice = expressão mundo interior = curiosidade)

Desfecho: E, como se nada houvesse acontecido naqueles trinta anos, desde que se separaram, ele apenas diz:
– Vamos, Eliane, vamos para casa.
(...) Ela se lembra das manhãs de chuva que sempre escurecem o Largo da Palma. Agora, como a vingar-se daquelas manhãs, o sol ajuda o céu tão azul. E Eliane, ainda com o coração a bater muito forte, não tem dúvida de que o seu velho largo, como num dia de festa, está vestido de branco.


3. UM AVÔ MUITO VELHO

Tema central: eutanásia. Abordagem lírica de um tema polêmico: amor extremado x sofrimento da amada. Morte Provocada

Foco narrativo

Narração em terceira pessoa, centrada no personagem Negro Loio.

O presente narrativo é o momento posterior a todos os fatos narrados:

O velho, quando aquilo aconteceu, trancou-se em si mesmo. (...) Sempre calado em seu canto... No quarto e no quintal, a tocar sua sanfona, como a esperar a morte e que todos o esquecessem.

O narrador desenvolve dois núcleos narrativos:

1- Núcleo Central: O Negro Loio e sua neta Pintinha.

2- Núcleo secundário: A vida do negro Loio.

Espaços - Largo da Palma (visão animista = tratado como ser vivo); a casa do Gravatá e Mercado Modelo.

Linguagem

Linguagem bem trabalhada, concisa, períodos curtos, incisivos. Tratamento lírico dado à narrativa e aos conflitos humanos abordados. Inversão como forma de enfatizar sentido do termo invertido "Companhias, se teve, foram duas: a sanfona e a saudade de Aparecida". Observe a junção do concreto (sanfona) com o abstrato (saudade de Aparecida).

4. UM CORPO SEM NOME

Foco narrativo

Narrativa em primeira pessoa. Narrador não se identifica: “quem sou, isto não importa”. Associação: presente – passado – identificação:

“Hoje, dois meses após a morte da mulher”...

"Ontem, quando reencontrei o inspetor na Rua Chile, quase dois meses após o meu depoimento na Delegacia da Polícia...”

“Dezoito anos, pois, a minha idade. (...) Loura e bonita, os cabelos corridos, os lábios finos, os seios pequenos e cheios, muito azul nos olhos. Não a vi, nem a ela e nem ao amigo, quando me levantei. E, ao levantar-me, já gritava:
- Eu quero esta mulher!”

Crítica social - "A cafetina a expulsa do bordel porque ela “já não dá no couro”, não arranja mais homem".

A narrativa do passado, termina quando essa mulher exclama para o narrador que “morte deve ser melhor. Deve ser melhor mesmo porque não tem medo nem fome”.

Espaços - Largo da Palma, bordel (Sobradinho da Ajuda).

Enredo - Mulher que morre nos braços do narrador e o faz lembrar fatos que viveu aos 18 anos.

Hoje, dois meses após a morte da mulher, o Largo da Palma já esqueceu porque, velho como é, não tem memória para todos os acontecimentos. Não deve sequer lembrar-se de quando levantaram as casas mais baixas e estreitas, estas de telhas tão pretas quanto o tempo, com o verde e o azul das tintas fortes ocultando as cicatrizes e rugas, e certamente, não se lembra quando foram plantadas as árvores e chegaram os primeiros pombos. Vendo-os agora, nesta penumbra que sempre avisa a aproximação das noites na Bahia, com a igreja vazia e os sobradinhos em silencio, penso na mulher que morreu em meus braços. Ela, a pobre, pareceu-me que vinha de longa viagem.

5. O ENFORCADO

Embasamento histórico: Revolução dos Alfaiates (1798).

Foco narrativo - Narrativa em 3ª pessoa, mas enquadrada à ótica de um personagem: o ceguinho da Palma.

Presente narrativo: “dia dos enforcados” – “quatro homens, um quase menino, todos mulatos”: A “execução, um espetáculo exemplar”.

Personagens - Ceguinho da Palma e Valentim.

Crítica sócio-histórica - “o governo e os graúdos”, a opressão, o terror, o medo, a insegurança.

Ambiente - Largo da Palma, Piedade.

Linguagem - Uso dos mesmos recursos expressivos que se fazem presentes nas outras novelas: metáforas, comparações, frases nominais, enumerações etc.

Inversão (explorando o valor expressivo do adjetivo): Inúmeros os que passavam por ele, todos apressados, alguns como que corriam.” “E porque grande era o silêncio e ouviu o barulho dos grilhões de ferro, soube que se arrastavam os que caminhavam para a morte.”

Linguagem coloquial - Adequada ao personagem central (o ceguinho), encontramos expressões e palavras de linguagem coloquial. Palavras como: “birosca”, “porrete”, “estrebuchavam”. Expressões como “quero um gole da melhor” “engolir a aguardente” “boa pinga!” “é de arrebentar o coração” “exemplo de merda”; e o uso do pronome sujeito como complemento verbal: “Que a Senhora da Palma ajude eles”.

6. A PEDRA

Aspectos regionais: garimpo, Jacobina.

O enriquecimento gera a migração para a capital.

Foco narrativo - Narrativa em terceira pessoa, centralizada em Cícero e Zefa.

Espaços - Largo e Igreja da Palma, e o bordel onde Flor trabalha.

Linguagem - Inversão: “Maior que a peste, de verdade, só o medo”; “E tinha os seus dengues, Flor!”; “Farta estava cheia de tantas mentiras e malandragens”.

Personagens - Cícero Amaro, Zefa, Flor.

Enredo - A ingenuidade de Cícero, a exploração, as mulheres, o empobrecimento.

Clímax - “Fique de uma vez com suas putas... Vá e não volte, Saia, saia logo seu bêbado sujo. Vá logo antes que te meta o braço.”

Desfecho - “E no largo, ao ver a igreja bem defronte, (Cícero) pôs-se a andar, cabisbaixo, como perdido em profunda meditação. A ingratidão de Zefa, o desprezo de Flor, chô, o mundo era mesmo uma boa merda”.
(p.101) “Grandes, porém, eram os olhos de Deus. Todos pagariam semelhante na própria terra.”
E procura arranjar um pouco dinheiro para voltar à sua vida de garimpeiro em Jacobina.

Comentários

Siga-nos:

Confira no Passeiweb

  • O primeiro voo do Homem no espaço

    Em 12 de abril de 1961 o homem decolava, pela primeira vez, rumo ao espaço. Em 2011, no aniversário de 50 anos deste fato, ocorreram comemorações no mundo inteiro e, principalmente, na Rússia.
  • Tsunami

    Tsunami significa "onda gigante", em japonês. Os tsunamis são um tipo especial de onda oceânica, gerada por distúrbios sísmicos.
 

Instituições em Destaque

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo:
 
 
 
-

Notícias e Dicas - Vestibular

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas do Vestibular e dicas de estudo: