Sintaxe: 1. Regência Verbal e Nominal - 2ª Fase

  • Data de publicação
Profª Odete Antunes


A sintaxe de regência cuida especialmente das relações de dependência em que se encontram os termos na oração ou as orações entre si no período composto. Os termos, quando exigem a presença de outro, chamam-se regentes ou subordinantes; os que completam a significação dos anteriores chamamse regidos ou subordinados. Quando o termo regente é um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio), ocorre a regência nominal.

Veja:

Agora note:


Quando um termo REGENTE é um VERBO, ocorre a REGÊNCIA VERBAL.

Voltemos:

Agora veja:



Como você deve ter notado, quando o termo REGENTE é um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio), ocorre a REGÊNCIA NOMINAL, tanto no período simples quanto no composto por subordinação.

Nota: Na regência verbal, o termo regido pode ser ou não preposicionado: na regência nominal, ele é obrigatoriamente preposicionado.

A palavra REGÊNCIA vem do verbo reger (reger = -ência), e este do latim Regere = dirigir, guiar, conduzir, governar.

Dessa forma, regente é aquele que DIRIGE, CONDUZ, GOVERNA, e regido é aquele que é DIRIGIDO, CONDUZIDO, GOVERNADO.

Fique atento a isto:

O termo que completa o sentido de um verbo é chamado OBJETO. O objeto (termo regido) pode estar ligado (ao termo regente) por meio da preposição ou não. Se completar o verbo sem preposição obrigatória, recebe o nome de objeto direto, e pode ocorrer em período simples ou composto por subordinação.

Veja o exemplo:

Notou no exemplo que este verbo CHAMAR não pede a preposição para ter significação no seu complemento? Temos aqui um período simples, (oração que apresenta apenas um verbo ou locução verbal).

No caso de dúvida(s) se o a é preposição ou artigo, tente substituí-lo pela preposição para. Se não der é porque não é preposição. Caso permaneça em dúvida consulte em nosso site a aula sobre Crase.

Outra dica para saber também se o complemento verbal é objeto direto ou indireto é só você fazer a pergunta depois do verbo, por exemplo, chama quem? Resposta: A atenção.

Troque o complemento a resposta pelo pronome isto, assim: chama quem? Resposta: isto. O pronome "isto" pediu preposição? Não, então o complemento do verbo é objeto direto.

Se o termo completar o sentido do verbo por meio da preposição obrigatória, então, o complemento verbal é objeto indireto. Veja o exemplo:

Notou que o verbo pede a preposição para que o complemento verbal tenha sentido?

Agora troque o complemento verbal pelo pronome NISTO. Acredita em quê? Resposta: Nisto (contração da preposição "em" + o pronome "isto" = nisto). Fácil, não é?

No período composto por subordinação o processo é o mesmo.

Veja o exemplo:

Que é que o público exigia? Resposta: que os ingressos fossem devolvidos.

Trocando a oração subordinada pelo pronome ISTO, temos como resposta: O público exigia isto.

Notou que o verbo EXIGIR não pediu a preposição? É por isto que a oração exemplificada é classificada como oração subordinada substantiva objetiva direta.

Note agora:

Substituindo a oração subordinada pelo pronome NISTO, temos: Meus pais insistiam nisto.

NISTO é a contração da preposição em + o pronome isto.

Espero que você tenha entendido e gostado da explicação!

Para lembrar, veja o quadro abaixo:

TERMOS INTEGRANTES DA ORAÇÃO
VTDverbo transitivo direto (não exige preposição)
ODobjeto direto (completa o sentido de um verbo transitivo direto)
VTIverbo transitivo indireto (exige a preposição)
OIobjeto indireto (completa o sentido de um verbo transitivo indireto)
VTDI verbo transitivo direto e indireto
CNcomplemento nominal (completa o sentido de um substantivo, adjetivo ou advérbio)
VVvozes verbais
VAvoz ativa: sujeito agente
VPA voz passiva analítica (verbo ser + particípio)
VPSvoz passiva sintética (com o pronome se)
VPRvoz passiva reflexiva (sujeito agente e paciente)

REGÊNCIA DE ALGUNS VERBOS

ASPIRAR


• No sentido de 'almejar', 'pretender', pede complemento com a preposição 'a' (objeto indireto):

  

  

• No sentido de 'cheirar', 'sorver', 'inalar', pede complemento sem preposição (objeto direto):

  

  

ASSISTIR


• No sentido de 'prestar assistência', 'dar ajuda', é normalmente empregado com complemento sem preposição (objeto direto):

  

  

• No sentido de 'ver', 'presenciar como espectador', pede complemento com a preposição 'a' (objeto indireto):

  

  

• No sentido de caber, pertencer pede complemento com a preposição 'a' (objeto indireto):

  

  


CHAMAR

• No sentido de convocar, mandar vir, exige complemento sem preposição (objeto direto):

• No sentido de 'cognominar', 'dar nome', pode ser tanto transitivo direto como indireto (com o objeto indireto regido pela preposição 'a' seguido de predicativo do objeto introduzido ou não pela preposição 'de'. Há, portanto, quatro construções possíveis:

Caso o complemento (objeto direto ou indireto) esteja representado por um pronome oblíquo átono, teremos as seguintes construções:

Chamei-o de covarde.                            Chamei-lhe de covarde.

Chamei-o covarde.                                 Chamei-lhe covarde.

ESQUECER, LEMBRAR

• Quando não forem acompanhados de pronome oblíquo átono, pedem complemento sem preposição (objeto direto).

• Quando forem acompanhados de pronome oblíquo átono, pedem complemento com preposição 'de' (objeto indireto):

CUSTAR

Empregado no sentido de 'ser custoso', 'ser difícil', pede complemento introduzido pela preposição 'a' (objeto indireto) e tem seu sujeito representado por uma oração com verbo no infinitivo:

IMPLICAR

• No sentido de 'trazer como conseqüência', 'acarretar', exige complemento sem preposição (objeto direto):

• No sentido de 'mostrar-se impaciente', 'demonstrar antipatia', exige complemento com a preposição 'com' (objeto indireto):

INFORMAR

Normalmente é usado com dois complementos: um sem preposição (objeto direto) e outro com preposição (objeto indireto). Admite duas construções: informar alguma coisa a alguém ou informar alguém de (ou sobre) alguma coisa.

Esta regra a respeito do verbo INFORMAR aplicar-se também aos verbos AVISAR, CERTIFICAR, CIENTIFICAR, NOTIFICAR e PREVENIR.

OBEDECER

Na linguagem culta deve ser empregado como transitivo indireto, com o complemento introduzido pela preposição 'a':

NAMORAR

Quando usado com complemento, é transitivo direto; portanto o complemento não deve vir introduzido por preposição:

PAGAR / PERDOAR

Se o complemento denota coisa, deve ir sem preposição (objeto direto); mas se o complemento denota pessoa, deve vir regido pela preposição 'a' (objeto indireto).

PREFERIR

Na linguagem culta, o verbo preferir deve ser empregado com dois complementos: um sem preposição (objeto direto) e outro com a preposição 'a' (objeto indireto)

PROCEDER

• No sentido de 'ter fundamento', 'mostrar-se verdadeiro', é empregado sem complemento (verbo intransitivo):

• No sentido de 'originar-se', 'provir', é transitivo indireto com complemento regido pela preposição 'de':

• No sentido de 'levar a efeito', 'executar', 'realizar', é transitivo indireto com complemento regido pela preposição 'a':

QUERER

• No sentido de 'desejar', 'ter vontade de', pede complemento sem preposição (objeto direto):

• No sentido de 'estimar', 'ter afeto', é transitivo indireto com complemento regido pela preposição 'a':


SIMPATIZAR

Pede complemento com a preposição 'com' (objeto indireto).

VISAR


• No sentido de 'mirar' e de 'dar visto', pede complemento sem preposição (objeto direto):

• No sentido de 'ter vista', 'objetivar', é transitivo indireto com complemento regido pela preposição 'a':


PARA NÃO ESQUECER

Os pronomes o, a, os, as deve ser empregados como complemento de verbos transitivos diretos e os pronomes lhe, lhes como complementos de verbos transitivos indiretos:

Quer uma mesa nova.
—> Quero-a.
Quero a meus pais.
—> Quero-lhes.

Paguei o empréstimo.
—> Paguei-o.
Paguei ao gerente.
—> Paguei-lhe.

Convidei meus pais.
—> Convidei-os.
Obedeço a meu pai.
—> Obedeço-lhe.


> Exercícios

Comentários

Siga-nos:

Confira no Passeiweb

  • O primeiro voo do Homem no espaço

    Em 12 de abril de 1961 o homem decolava, pela primeira vez, rumo ao espaço. Em 2011, no aniversário de 50 anos deste fato, ocorreram comemorações no mundo inteiro e, principalmente, na Rússia.
  • Tsunami

    Tsunami significa "onda gigante", em japonês. Os tsunamis são um tipo especial de onda oceânica, gerada por distúrbios sísmicos.
 

Instituições em Destaque

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo:
 
 
 
-

Notícias e Dicas - Vestibular

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas do Vestibular e dicas de estudo: