dcsimg

Questões: A Hora da Estrela, de Clarice Lispector - 4


16. (ACAFE) Sobre o romance A hora da estrela, de Clarice Lispector, é FALSO afirmar que:

(A) ao ser atropelada e morta por um caminhão Mercedes Bens, a protagonista tem, enfim, um grande momento, à maneira de uma estrela de cinema, no centro da cena cinematográfica.
(B) narra a história de Macabéa, uma alagoana simples que se muda para o Rio de Janeiro, onde passa a morar numa pensão.
(C) distante de seu meio, alheia ao mundo da cultura e sem compreender claramente os valores que regem uma cidade grande e competitiva como o Rio de Janeiro, Macabéa não consegue definir sua própria identidade.
(D) opondo-se a um curso sentimental, retórico, ornamental da poética nacional, a autora construiu uma poesia antilírica, anticonfessional, presa ao real e dirigida ao intelecto.
(E) Olímpio, namorado de Macabéa e também nordestino, ao contrário dela, deseja ascender na vida a qualquer preço.


17. (PUC-CAMP) Maquiavel (...) admitia que a posição dos subalternos é estratégica para a análise de quem está por cima.

Relacionando-se a frase acima com o romance A hora da estrela, de Clarice Lispector, verifica-se que a afirmação de Maquiavel

(A) se confirma, pois Rodrigo faz excelente análise das classes privilegiadas.
(B) se confirma, pois Macabéa faz análise crítica do poder de seus superiores.
(C) não se confirma, pois Rodrigo tem reduzida consciência de sua classe social.
(D) não se confirma, pois Macabéa não tira proveito crítico de sua posição.
(E) não se confirma, pois Olímpico não se interessa por quem tem algum poder.


18. (PUC-RS) ___________, a personagem de Clarice Lispector em A hora da estrela, é uma nordestina, pobre, feia, sem vida interior, incapaz de manter a relação com o namorado.
Sua “hora da estrela” só acontece quando sai feliz e distraída da cartomante e ____________.
No romance, os problemas existenciais estão relacionados às ____________ da moça.

As lacunas podem ser correta e respectivamente preenchidas por:

A) Gabriela – é assassinada e desaparece – crenças religiosas.
B) Macabéa – é atropelada e morre – condições sócioculturais.
C) Aurora – encontra Fernando e casa – debilidades físicas.
D) Capitu – é atropelada mas salva-se – dificuldades financeiras.
E) Diadorim – volta ao sertão e vive só – necessidades econômicas.


19.
01. (FUVEST) Em A Hora da Estrela, o narrador apresenta a seguinte reflexão: " Pois na hora da morte a pessoa se torna brilhante estrela de cinema, é o instante de glória de cada um e é quando como no canto coral se ouvem agudos sibilantes".

Com base nela, explique:

a) Por que o romance tem o título A hora da estrela?

b) Por que é irônica a relação entre o título e a história de Macabéa?

RESPOSTAS ESPERADAS:

a) A hora da estrela alude, metaforicamente, à morte, ao instante de fulguração rápida, mas reveladora de todo um sentido de existência. É a epifania à maneira de Clarice Lispector, dentro da ótica existencialista da busca do sentido da experiência humana.

b) A ironia, trágica no caso, dá-se pela discrepância entre a breve aspiração de glória de Macabéa, insuflada pela cartomante (a miragem da estrela hollywoodiana), a sua condição social (migrante nordestina marginalizada no Rio de Janeiro) e seu destino: atropelada por um carro de luxo, na porta do Copacabana Palace. A hora da estrela, banal e reveladora, é o instante maior de Macabéa, anônima, estatelada na rua, mas objeto da atenção fugaz de transeuntes anônimos.


20. (FUVEST) Leia este trecho de A Hora da Estrela, de Clarice Lispector, no qual Macabéa, depois de receber o aviso que seria despedida do emprego, olha-se no espelho:

Depois de receber o aviso foi ao banheiro para ficar sozinha porque estava toda atordoada. Olhou maquinalmente ao espelho que encimava a pia imunda e rachada, cheia de cabelos, o que tanto combinava com sua vida. Pareceu-lhe o espelho baço e escurecido não refletia imagem alguma. Sumira por acaso sua existência física? Logo depois passou a ilusão e enxergou a cara toda deformada pelo espelho ordinário: o nariz tornado enorme como o de um palhaço de nariz de papelão. Olhou-se e levemente pensou: tão jovem e já com ferrugem.

a) Neste trecho, o fato de parecer, a Macabéa, não se ver refletida no espelho liga-se imediatamente ao aviso de que seria despedida. Projetando essa ausência de reflexo no contexto mais geral da obra, como você interpreta?

b) Também no contexto da obra, explique por que o narrador diz que Macabéa pensou "levemente"?

RESPOSTAS ESPERADAS:

a) O fato de Macabéa não se ver refletida no espelho remete ao fato de ser a nordestina uma " Maria Ninguém" que sequer é nomeada em boa parte da obra. A datilógrafa é um ser "invisível ", que não é percebido pela maioria da sociedade. A sua potencial demissão apenas reforça o seu caráter de pessoa dispensável, descartável pelo sistema, "enferrujada".

b) A alienação de Macabéa a impede de considerar qualquer questão em toda a sua amplitude. Pensa "levemente", ou superficialmente, sem se aprofundar nas razões dos fenômenos que a circundam ou que a afetam.

1  2  3    45  

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: