dcsimg

Questões: Libertinagem, de Manuel Bandeira - 5


21. (PUC-SP) Das alternativas abaixo, indique a que NÃO condiz com as características presentes em Libertinagem, obra poética de Manuel Bandeira:

(A) Poesia marcada por biografismo e história de vida.
(B) Presença de forte dicção parnasiano-simbolista caracterizada por rigor formal.
(C) Obra de experimentação, caracterizada por liberdade vital e estética.
(D) Interiorização cada vez mais profunda dos vultos familiares.
(E) Registro de imagens brasileiras presentes em poemas como “Evocação do Recife” e “Cunhantã”.


22. (PUC-SP)

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei

Vou-me embora pra Pasárgada
Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existância é uma aventura
De tal modo inconseqüente
Que Joana a louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive.

As estrofes apresentadas são do poema de Manuel Bandeira, Vou-me embora pra Pasárgada. Do poema como um todo é incorreto afirmar que:

(A) a palavra Pasárgada refere-se ao nome de uma famosa cidade fundada pelo rei Ciro, na Pérsia.
(B) a metáfora dominante no poema é a busca da felicidade, materializada em Pasárgada, espécie de terra prometida.
(C) o texto é elaborado em redondilha maior e isso lhe dá a marca de poesia popular.
(D) dialoga com a Canção do Exílio, de Gonçalves Dias, por força do advérbio de lugar que designa dois espaços diferentes.
(E) constitui-se de versos brancos e de métrica irregular, caracterizadores da poética modernista.


23. (PUC-SP)

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconseqüente
Que Joana a louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive

E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d’água
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar

E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
– Lá sou amigo do rei –
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada.

Do poema anterior é INCORRETO afirmar que:

(A) sugere dinamismo provocado pelo ritmo marcado da redondilha maior e pela presença de verbos de movimento.
(B) projeta um lugar onde se pode viver pelo imaginário o que a vida madrasta não ofereceu.
(C) apresenta o tema da evasão da realidade como forma de libertar-se das limitações da vida presente.
(D) constrói-se pela oposição entre dois advérbios de lugar e estabelece diálogo com tema romântico.
(E) apresenta versos brancos e livres, bem como linguagem simples e coloquial, porém desprovida de procedimento metafórico.


24. (PUC-SP) Pensão Familiar

Jardim da pensãozinha burguesa.
Gatos espapaçados ao sol.
A tiririca sitia os canteiros chatos.
O sol acaba de crestar as boninas que murcharam.
Os girassóis

amarelo!

resistem.

E as dálias, rechonchudas, plebéias, dominicais.

Um gatinho faz pipi.
Com gestos de garçom de restaurante — Palace
Encobre cuidadosamente a mijadinha.
Sai vibrando com elegância a patinha direita:
— É a única criatura fina na pensãozinha burguesa.

O poema acima é de Manuel Bandeira e integra a obra Libertinagem. Do ponto de vista de sua construção, NÃO se pode afirmar que:

(A) é enfaticamente descritivo na primeira parte e caracteriza o cenário natural, valendo-se, principalmente de frases nominais.
(B) sugere atmosfera afetuosa e terna caracterizada pelo uso expressivo do diminutivo.
(C) opera o procedimento narrativo de tal forma a conciliá-lo com o descritivo, sem, no entanto, reduzi-lo a um mero pano de fundo.
(D) carece de exploração visual e perde poeticidade em deslizes semânticos e sintáticos.
(E) ilumina e colore o poema e a página, que se contaminam pela força invasora do amarelo.


25. (UFL(A) Do ponto de vista das vanguardas européias, o “Poema tirado de uma Notícia de Jornal” pode ser classificado como

(A) surrealista; os versos do poeta se reencontram com algumas propostas do Romantismo, especialmente a valorização do mistério.
(B) expressionista; além da representação dos horrores da guerra, o poeta registra a expressão do mundo.
(C) cubista; o poeta expressa a poesia sob uma nova dimensão, procurando fazer desenhos com as palavras.
(D) futurista; o poeta quer cantar o amor ao perigo, destruir a sintaxe, dispondo os substantivos ao acaso, como nascem.
(E) dadaísta; o poeta faz um reaproveitamento de uma notícia já existente.

1  2  3  4    56  

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: