dcsimg

Questões: O Primo Basílio, de Eça de Queirós - 6


26. (FUVEST) "Encostou a cabeça à mão com uma lassidão. Mil pensamentozinhos corriam-lhe no cérebro como os pontos de luz que correm num papel que se queimou. (...)
"Fechou a janela, espreguiçou-se; e sentada na caseuse, no seu quarto, ficou ali, numa imobilidade, pensando em Jorge, em lhe escrever, em lhe pedir que viesse. Mas bem depressa aquele cismar começou a quebrar-se a cada momento como uma tela que se esgarça em rasgões largos, e, por trás, aparecia logo com uma intensidade luminosa e forte a idéia do primo Basílio."
(O primo Basílio, Eça de Queirós)

Sobre o trecho de O primo Basílio, assinale a alternativa incorreta:

a) O emprego do diminutivo em "pensamentozinhos" revela em tom sarcástico o julgamento do narrador: Luísa é frágil e pueril intelectualmente.
b) Os termos "lassidão", "espreguiçou-se" e "imobilidade" indicam a inatividade e o ócio a que rotineiramente Luísa se entrega.
c) O trecho apresenta os raros momentos em que o narrador ameniza a culpa de Luísa, na medida em que mostra seu esforço em pensar em Jorge e resistir aos assédios de Basílio.
d) Simbolicamente, o narrador comunica a fragilidade de caráter de Luísa por meio da imagem da tela que se rasga.
e) As duas comparações presentes no trecho revelam, respectivamente, a superficialidade e dispersão de Luísa, e a força dos apelos sensuais.


27. (FUVEST) Leia o seguinte trecho, transcrito de uma carta a Eça de Queirós, na qual o pai do escritor comenta o romance O Primo Basílio:

"No ponto de vista da escola realista que te domina, o romance é uma obra de arte perfeita. Entretanto eu creio que, mesmo nessa escola, há um ponto além do qual não é permitido. Ou pelo menos não é conveniente passar. Pode-se mostrar a chaga, e o realismo está nisso; mostrar porém toda a podridão não dá mais caráter à escola realista e leva ao exagero, que é um defeito em todo gênero de composição."

Verifica-se que o autor da carta:

a) quando diz "há um ponto além do qual não é permitido ou pelo menos não é conveniente passar", refere-se aos procedimentos típicos do Naturalismo, que poderiam chocar o leitor pelo exagero descritivo.
b) condena a adesão de Eça de Queirós à escola realista, a qual considera defeituosa por sua apologia à descrição minuciosa.
c) acredita que o romance é bem realizado segundo os padrões do Realismo, mas sugere que a obra seria melhor se resgatasse o comedimento e os princípios morais que orientaram a literatura romântica.
d) censura o romance por ser representativo das propostas realistas que não respeitam o decoro, e os limites da moralidade social.
e) afirma que "mostrar toda a podridão" resulta em um realismo exacerbado, que deve ser obtido a qualquer custo por um escritor que queira fazer uma obra de arte.


28. (FUVEST) Como se sabe, Eça de Queirós concebeu o livro O primo Basílio como um romance de crítica da sociedade portuguesa cujas "falsas bases" ele considerava um "dever atacar". A crítica que ele aí dirige a essa sociedade incide mais diretamente sobre:

a) o plano da economia, cuja estagnação estava na base da desordem social.
b) os problemas de ordem cultural, como os que se verificavam na educação e na literatura.
c) a excessiva dependência de Portugal em relação às colônias, responsável pelo parasitismo da burguesia metropolitana.
d) a extrema sofisticação da burguesia de Lisboa, cujo luxo e requinte conduziam à decadência dos costumes.
e) os grupos aristocráticos, remanescentes da monarquia, que continuavam a exercer sua influência corruptora em pleno regime republicano.


29. (FUVEST) Assinale a alternativa correta acerca de O primo Basílio e suas personagens:

a) Eça de Queirós preocupa-se apenas em retratar uma questão doméstica, circunscrita ao âmbito familiar.
b) O ódio de Juliana a seus patrões tem como base a consciência trabalhista do cidadão português do século XIX.
c) Acácio é notório na narrativa por suas intervenções de feição sentenciosa ou gravemente ridículas.
d) Apaixonada pelo primo, Luísa arrisca seu casamento para viver um grande amor.
e) Leopoldina é o avesso social, insatisfeita e sofrida, busca na prostituição uma forma de satisfazer-se e vingar-se da sociedade que lhe agride e rejeita.

1  2  3  4  5    67  8  

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: