dcsimg

Questões: Os Lusíadas - Inês de Castro, de Luís Vaz de Camões


1. (PUC-SP)
Tu só, tu, puro amor, com força crua
Que os corações humanos tanto obriga,
Deste causa à molesta morte sua,
Como se fora pérfida inimiga.
Se dizem, fero Amor, que a sede tua
Nem com lágrimas tristes se mitiga,
É porque queres, áspero e tirano,
Tuas aras banhar em sangue humano.

Estavas, linda Inês, posta em sossego
De teus anos colhendo doce fruito,
Naquele engano da alma ledo e cego,
Que a fortuna não deixa durar muito,
Nos saudosos campos do Mondego,
De teus fermosos olhos nunca enxuito,
Aos montes ensinando e às ervinhas,
O nome que no peito escrito tinhas.

Os Lusíadas, obra de Camões, exemplificam o gênero épico na poesia portuguesa, entretanto oferecem momentos em que o lirismo se expande, humanizando os versos. O episódio de Inês de Castro, do qual o trecho acima faz parte, é considerado o ponto alto do lirismo camoniano inserido em sua narrativa épica. Desse episódio, como um todo, pode afirmar-se que seu núcleo central:

a) personifica e exalta o Amor, mais forte que as conveniências e causa da tragédia de Inês.
b) celebra os amores secretos de Inês e de D. Pedro e o casamento solene e festivo de ambos.
c) tem como tema básico a vida simples de Inês de Castro, legítima herdeira do trono de Portugal.
d) retrata a beleza de Inês, posta em sossego, ensinando aos montes o nome que no peito escrito tinha.
e) relata em versos livres a paixão de Inês pela natureza e pelos filhos e sua elevação ao trono português.


2. (FUVEST) Considere as seguintes afirmações do crítico Hernâni Cidade, a respeito do discurso feito por Inês de Castro em Os Lusíadas:

“O discurso é uma bela peça oratória, concebida por quem possui todos os segredos do gênero. (...) Nele a inteligência sonctrutiva do clássico superou, no poeta, o sentimento da verdade psicológica. A idéia fundamental - põe-me em triste desterro, mas poupa-me a vida em respeito de teus netos - alonga-se por toda uma eloqüente oração ciceroneana, em que não faltam as alusões mitológicas apropriadas.“

Sobre as palavras do crítico e o conteúdo do episódio de Inês de Castro, é correto afirmar que:

a) pode-se considerar a fala de Inês de Castro um exemplo de peça oratória graças à intensa expressão lírica que o discurso apresenta;
b) uma das alusões mitológicas presentes no episódio relaciona-se a Vênus, deusa do Amor, responsável pela paixão trágica de Inês de Castro;
c) o tom oratório presente no discurso da personagem vem somar à expressão lírica a organização lógica das idéias, conferindo à enunciação um caráter argumentativo;
d) segundo o crítico, verificam-se elementos da oratória no episódio de Inês de Castro, os quais são resultado da capacidade do poeta de revelar a verdade psicológica dos personagens;
e) a idéia fundamental do discurso da personagem relaciona-se à tristeza em relação aos amores dos quais ela reconhecia não ter culpa, já que o verdadeiro culpado é Amor.


3. (POLI) Os versos a seguir pertencem ao Episódio de Inês de Castro, do poema épico Os Lusíadas:

Do teu príncipe ali te respondiam
as lembranças que na alma lhe moravam,
que sempre ante seus olhos te traziam,
Quando dos teus fermosos se apartavam;
De noite, em doces sonhos que mentiam,
De dia, em pensamentos que voavam;
E quanto, enfim, cuidava e quanto via
Eram tudo memórias de alegria.

Camões, Os Lusíadas.

Em relação à composição formal (rima, métrica, ritmo) do trecho, NÃO podemos afirmar:

a) Nesta estrofe ocorre a única exceção da perfeição formal em que dizem ter Os Lusíadas, pois apresenta um verso com 11 sílabas.
b) A rima, combinação de sons das palavras, feita ao final de cada verso é a famosa composição abababcc, que Camões usou nas 1102 estrofes de Os Lusíadas.
c) Fazendo a divisão das sílabas poéticas (como se canta) dos versos, o terceiro verso da estrofe seria: que/ sem/ prean/ te/ seus/ o/ lhos/ te/ tra/zi.
d) Como em todo o poema épico de Camões, essa estrofe apresenta 8 versos.
e) Na divisão silábica do sexto verso a palavra "voavam" separa-se "vo/a" e conta-se até "a", pois a sílaba "vam" é átona, por isso não deve ser considerada.


4. (FUVEST) Texto para a questão.

Estavas, linda Inês, posta em sossego,
De teus anos colhendo doce fruito (fruto)
Naquele engano da alma, ledo e cego, (alegre)
Que a Fortuna não deixa durar muito, (Destino)
Nos saudosos campos do Mondego, (rio de Coimbra)
De teus fermosos olhos nunca enxuito, (enxuto)
Aos montes insinando e às ervinhas (ensinando)
O nome que no peito escrito tinhas.

(Camões, Os Lusíadas, III, 120)

O trecho acima inicia o episódio de Inês de Castro, aquela que 'depois de ser morta foi rainha'. Sobre ele, aponte a alternativa incorreta:

a) Os versos correspondem à chamada 'medida nova' (decassílabos).
b) Os versos transcritos formam uma oitava-rima, que é a estrofe utilizada no poema.
c) Camões narra o fato como um episódio guerreiro dentro de Os Lusíadas.
d) Os três atributos destacados em Inês são a beleza, a juventude e a paixão.
e) A natureza é apresentada como solidária de Inês em seu amor por D. Pedro.

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: