dcsimg

Febre amarela


Aspectos históricos

A febre amarela não era conhecida entre os povos antigos e só passou a ser conhecida depois da descoberta da América. Desconhecia-se, no entanto, seu agente causal e a forma de transmissão. No Brasil, as primeiras referências sobre a ocorrência de casos de febre amarela datam de 1685, quando teria ocorrido um surto em Olinda, Recife e outras cidades do interior pernambucano. Há, em seguida, o relato da ocorrência em Salvador (1686), que segundo o historiador Odair Franco, teria deixado 25.000 doentes e 900 pessoas mortas.

Não há notícias sobre o período colonial, fazendo-nos supor que a doença tenha se resumido a alguns casos isolados. Em 1849, reapareceu em Salvador, transportada por um navio procedente de Nova Orleans e Havana, que infectou os portos e se espalhou por todo o litoral brasileiro. Atacando no verão, a febre amarela acometeu as principais cidades litorâneas estigmatizando os portos nacionais.

Entre 1850 e 1902, foram registrados 58.063 óbitos somente na zona urbana do Rio de Janeiro. Estima-se que apenas no ano de 1850 ocorreram 90.000 casos na cidade com 4.160 óbitos para uma população de 166.000 habitantes. As embarcações brasileiras passaram a evitar a capital a todo o custo.

A província de São Paulo também conviveu por muito tempo com a febre amarela. Esta foi introduzida pelo Porto de Santos em 1850, assolando os centros urbanos da baixada litorânea. No verão de 1889, a febre amarela invadiu a cidade de Campinas (a porta da cafeicultura do planalto) e também provocou uma grande epidemia na cidade de Santos. Admite-se que esta epidemia tenha contribuído para um decréscimo real das populações atingidas. Adolfo Lutz, em suas reminiscências sobre a febre amarela, calculou em três quartos a população que deixou Campinas em direção a outras cidades, fugindo da febre amarela. Esta se espalhou imediatamente para as cidades vizinhas (Limeira e Rio Claro), alcançando nos anos seguintes, São Carlos, Pirassununga, Descalvado, Araraquara, Mogi-Mirim, Jaú, Casa Branca, São José do Rio Pardo. Em 1903, chegou a Ribeirão Preto. A febre amarela acompanhou o "progresso". Acompanhava as vias férreas: a Estrada de Ferro Paulista, depois a Estrada de Ferro Mogiana e, mais tarde, a Sorocabana. A indústria e o comércio fechavam suas portas durante os meses críticos. O porto de Santos acumulava embarcações, congestionando o estuário, e as autoridades sanitárias de Montevidéu e Buenos Aires, impunham quarentenas a todos os navios que tocassem os portos do Rio de Janeiro e Santos. O verão de 1889 apanhou também a hospedaria do Imigrante, já que o trânsito dos recém-chegados, contratados para o interior, foi interrompido instantaneamente. Os imigrantes, para pesadelo dos sanitaristas, eram muito suscetíveis à febre amarela e as precauções para protegê-los cresceram com o fluxo migratório. Os navios que apresentavam péssimas condições de higiene, após longos anos de protesto, passaram a ser fiscalizados. Um guia publicado na Europa por Santana Nery com o objetivo de promover a imigração para o Brasil, aconselhava o viajante. A hospedaria do Brás, funcionou como um centro de isolamento sanitário (entre outras coisas) enquanto não se descobriam meios eficazes de controlar a febre amarela. Durante mais de uma década, o confinamento foi a melhor maneira de resguardar os imigrantes.

Os serviços sanitários no Brasil foram concebidos como órgãos que estritamente trabalhavam para a prevenção das doenças infecto-contagiosas. Sacrificando os imigrantes, a febre amarela desestabilizaria a organização do mercado de trabalho que a oligarquia cafeeira vinha cultivando desde o fim da escravidão. Portanto, a febre amarela teve uma íntima relação com o desenvolvimento do Serviço Sanitário no Estado de São Paulo e este com a consolidação do capitalismo.

No início do século XX, tendo como base as teorias e observações do médico cubano Carlos Juan Finlay, uma comissão do exército americano realizou em Cuba experiências que mostraram ser a doença transmitida por mosquitos.

Este mosquito, conforme consta da literatura especializada, teve 36 nomes diferentes desde o ano de 1762, quando Lineu o classificou como Culex aegypti, até 1926, quando recebeu o nome pelo qual é hoje conhecido: Aedes aegypti. É tido como originário da África, tendo sido introduzido no continente americano durante o período da colonização.

Entusiasmado com os trabalhos da comissão do exército americano, Emílio Marcondes Ribas, então Diretor do Serviço Sanitário do Estado de São Paulo, publicou, em janeiro de 1901, o artigo intitulado "O mosquito considerado como agente da propagação da febre amarela". Foi o primeiro trabalho brasileiro sobre este assunto.

Em 1902, quando ocorreu um surto de febre amarela em São Simão, Emílio Ribas aplicou, pela primeira vez no Brasil, medidas de controle vetorial dentre elas: evitar águas paradas nas habitações e arredores, derramar querosene nas coleções de água irremovíveis, proteger os doentes dos mosquitos, proteger as habitações com telas, extinguir mosquitos com inseticidas e aplicá-los nas casas dos doentes. Estas medidas sanitárias eficazes levaram ao controle da febre amarela e forneceram subsídios fundamentais a campanhas maiores como a de Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro. A partir desta época, têm início as memoráveis campanhas anti-amarílicas realizadas sob o comando de Emílio Ribas, em São Paulo e de Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro.

Alguns grupos de médicos brasileiros obstinavam-se em não aceitar a transmissibilidade da febre amarela pelo mosquito, mesmo após o trabalho de Emílio Ribas em São Simão. Em 1902, larvas provenientes da cidade de Itu, tida como isenta de febre amarela eclodiram mosquitos e foram enviados a São Simão. Eles picaram indivíduos com febre amarela. Estes mosquitos foram levados a São Paulo, onde não havia a doença, e cerca de 2 semanas mais tarde no hospital (que é hoje o Hospital Emílio Ribas), picaram 6 pessoas incluindo Emílio Ribas, Adolfo Lutz e Oscar Moreira. Os três não desenvolveram a doença provavelmente por imunidade prévia. Os outros voluntários que jamais haviam entrado em contato com a doença, apresentaram os sintomas. Os experimentos confirmaram a transmissão vetorial da doença.

Em 1903, iniciou-se uma nova série de experimentos para provar que a doença não era transmitida pelas roupas sujas dos doentes como preconizavam alguns. Confinou-se um italiano em quarto de isolamento o qual vestiu-se com roupas dos pacientes mortos, e os lençóis foram preparados com sangue e vômitos dos pacientes doentes com o vírus da febre amarela. A ele, somaram-se mais dois italianos recém-chegados ao Brasil. Segundo as observações de Adolfo Lutz em visita ao quarto, embora o ar se apresentasse fétido, os pacientes apresentavam-se saudáveis e bem humorados. A partir de então, foram abandonadas as medidas sanitárias baseadas na contagiosidade da doença.

Existem dois tipos de febre amarela: a silvestre, transmitida pela picada do mosquito Haemagogus, e a urbana transmitida pela picada do Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue e que foi reintroduzido no Brasil na década de 1970. Embora os vetores sejam diferentes, o vírus e a evolução da doença são absolutamente iguais.

A febre amarela não é transmitida de uma pessoa para a outra. A transmissão do vírus ocorre quando o mosquito pica uma pessoa ou primata (macaco) infectados, normalmente em regiões de floresta e cerrado, e depois pica uma pessoa saudável que não tenha tomado a vacina.

A forma urbana já foi erradicada. O último caso de que se tem notícia ocorreu em 1942, no Acre, mas pode acontecer novo surto se a pessoa infectada pela forma silvestre da doença retornar para áreas de cidades onde exista o mosquito da dengue que prolifera nas cercanias das residências e ataca durante o dia.

Sintomas

Os principais sintomas da febre amarela - febre alta, mal-estar, dor de cabeça, dor muscular muito forte, cansaço, calafrios, vômito e diarréia aparecem, em geral, de três a seis dias após a picada (período de incubação). Aproximadamente metade dos casos da doença evolui bem. Os outros 15% podem apresentar, além dos já citados, sintomas graves como icterícia, hemorragias, comprometimento dos rins (anúria), fígado (hepatite e coma hepático), pulmão e problemas cardíacos que podem levar à morte. Uma vez recuperado, o paciente não apresenta seqüelas.

Diagnóstico

Como os sintomas da febre amarela são muito parecidos com os da dengue e da malária, o diagnóstico preciso é indispensável e deve ser confirmado por exames laboratoriais específicos, a fim de evitar o risco de epidemia em áreas urbanas, onde o vírus pode ser transmitido pelo mosquito da dengue.

Tratamento

Doente com febre amarela precisa de suporte hospitalar para evitar que o quadro evolua com maior gravidade. Não existem medicamentos específicos para combater a doença. Basicamente, o tratamento consiste em hidratação e uso de antitérmicos que não contenham ácido acetilsalicílico. Casos mais graves podem requerer diálise e transfusão de sangue.

Vacinação

Existe vacina eficaz contra a febre amarela, que deve ser renovada a cada dez anos. Nas áreas de risco, a vacinação deve ser feita a partir dos seis meses de vida. De maneira geral, a partir dos nove meses, a vacina deveria ser recomendada para as demais pessoas, uma vez que existe a possibilidade de novos surtos da doença caso uma pessoa infectada pela febre amarela silvestre retorne para regiões mais povoadas onde exista o mosquito Aedes aegypti.

A vacinação é recomendada, especialmente, aos viajantes que se dirigem para localidades, como zonas de florestas e cerrados, e deve ser tomada dez dias antes da viagem para que o organismo possa produzir os anticorpos necessários.

Recomendações (Veja mais sobre a febre amarela)

· Vacine-se contra febre amarela pelo menos dez dias antes de viajar para áreas de risco e não se esqueça das doses de reforço que devem ser repetidas a cada dez anos;
· Use, sempre que possível, calças e camisas que cubram a maior parte do corpo;
· Aplique repelente sistematicamente. Não se esqueça de passá-lo também na nuca e nas orelhas. Repita a aplicação a cada quatro horas, ou a cada duas horas se tiver transpirado muito;
· Não se esqueça de reaplicar o repelente toda a vez que molhar o corpo ou entrar na água;
· Use mosqueteiro, quando for dormir nas áreas de risco;
· Procure informar-se sobre os lugares para os quais vai viajar e consulte um médico ou os núcleos de atendimento ao viajante para esclarecimentos sobre cuidados preventivos;
· Erradicar o mosquito transmissor da febre amarela é impossível, mas combater o mosquito da dengue nas cidades é uma medida de extrema importância para evitar surtos de febre amarela nas áreas urbanas. Não se descuide das normas básicas de prevenção.

Fontes: Dr. Dráuzio Varella | Profissionais da Saúde

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: