dcsimg

Universidades privadas oferecem cursos gratuitos


Os vestibulandos que querem cursar o ensino superior gratuitamente podem levar também as universidades particulares em consideração.

Em São Paulo e no Rio, ao menos quatro instituições separaram carreiras em que não se paga mensalidade do começo ao fim do curso.

Três delas estão com as inscrições para o vestibular abertas.

Na Grande São Paulo, a Universidade Cruzeiro do Sul oferece vagas gratuitas em economia, geografia, história, música, serviço social e ciências sociais; a São Judas Tadeu, em filosofia; e o Unifieo (Centro Universitário Fundação Instituto de Ensino para Osasco), em engenharia de computação.

No Rio, as vagas estão no curso de pedagogia da UniverCidade (Centro Universitário da Cidade do Rio de Janeiro).

Os demais cursos oferecidos por essas entidades são pagos. A Cruzeiro do Sul, por exemplo, tem 40 graduações. As mensalidades vão de R$ 320,00 a R$ 1.425,00. De seus 20 mil estudantes, 276 estão nos cursos gratuitos.

Estratégia

Especialistas em educação elogiam a iniciativa, mas dizem que não se pode esquecer de que essas entidades têm interesses que vão além do educacional e do social. "Não são bondades, mas estratégias", diz João Roberto Alves, presidente do Ipae (Instituto de Pesquisas Avançadas em Educação).

Quando abre vestibular para uma graduação gratuita, a faculdade atrai mais candidatos que o habitual e, assim, pode selecionar alunos mais bem preparados que os dos cursos pagos. São os que obterão notas mais altas nas avaliações do Ministério da Educação. Bem colocada no ranking do governo, a faculdade fica mais atraente para novos estudantes.

"Quando saíram as notas do Enade [avaliação dos universitários], você viu o fuzuê que foi, o ministro falando todo dia na TV? Quando tem uma boa avaliação, você acaba ficando em evidência e mostrando o seu trabalho", afirma Carlos Andrade, pró-reitor da Cruzeiro do Sul.

Em 2005, seu curso de geografia, gratuito, foi o primeiro colocado no Enade.

Para que os alunos continuem empenhados, as instituições exigem que não sofram nenhuma reprovação. Quando isso ocorre, eles sumariamente perdem a gratuidade.

As vantagens continuam. Fábio Gallo, um dos coordenadores do MBA em gestão universitária da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), lembra que o aluno da graduação gratuita hoje é o aluno da pós-graduação paga amanhã. "Ele acaba comprando outros produtos da universidade."

"Como instituições empresariais, estão preocupadas em ampliar seus negócios", explica Carlos Benedito Martins, diretor do Núcleo de Pesquisas sobre o Ensino Superior da UnB (Universidade de Brasília).

As universidades dão explicações diferentes para as graduações gratuitas. O Unifieo quer que seu curso de engenharia de computação se torne referência para empresas de tecnologia. "Elas já vêm procurar estagiários aqui", diz a coordenadora do curso, Marlene Dias.

A Universidade Cruzeiro do Sul afirma que quer mostrar que tem "a mesma competência da universidade pública".

A UniverCidade explica que as vagas fazem parte de seu projeto social na Mangueira e em Rio das Pedras, os alunos precisam ser moradores dessas favelas do Rio. Para desfrutar das isenções tributárias da filantropia, a instituição é obrigada a oferecer um certo número de bolsas para alunos pobres.

Quer mais uma dica para passar no vestibular? Então, clique aqui.


Comentários

Veja mais artigos de Vestibular

<< Outros artigos de profissoes

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: