dcsimg

Vale a pena começar cursinho na metade do ano?


O que deve ser levado em conta na decisão de começar a estudar em um curso pré-vestibular no segundo semestre? Para os especialistas, o estudante deve verificar, primeiramente, como será seu cronograma do fim do ano. "O aluno tem que ter tempo para fazer os exercícios do cursinho; se tiver muitas atividades do colégio à tarde, ou se quiser só assistir às aulas, não vai aprender", avalia o coordenador Alberto Francisco do Nascimento, do Anglo Vestibulares, de São Paulo.

Segundo Nascimento, há diversos perfis de alunos que optam por começar a estudar para o vestibular nesta época do ano: "Temos alguns que entraram na faculdade e mudaram de ideia, há aqueles que foram fazer intercâmbio, tem quem faz colégio e já garantiu nota, e tem até aquele que 'acordou' agora", diz.

Intercâmbio

O intercâmbio foi o que motivou Ana Paula Ferreira, 17, a escolher o semi-extensivo: ela fez o último ano do colégio nos Estados Unidos. Para ela, esse ano foi decisivo na escolha da carreira: "Lá é você quem escolhe o que vai estudar pelas áreas que tem mais afinidade. Fiz muitas matérias de anatomia, dissecava animais e pude ver cadáveres. Quando fui para lá, ainda estava em dúvida, mas as matérias me ajudaram a escolher medicina", diz.

Como o ano letivo nos EUA terminou na metade do ano, só agora ela poderá se preparar para o vestibular. Apesar da dificuldade da prova de medicina, ela não desanima: "Vou fazer o cursinho de manhã e estudar à tarde. Tudo que eu conseguir fazer, já vai ser bom. Se não der, tento de novo", diz.

Quando vale fazer cursinho

Para o professor Nascimento, o cursinho é bom para o estudante que tenha um tempo mínimo para se dedicar aos exercícios propostos em sala.

Outra dica fundamental é a organização do tempo, para ter melhor aproveitamento: "O estudante tem que fazer um fluxograma e segui-lo religiosamente".

Carlos Eduardo Bindi, coordenador do curso Etapa, de São Paulo, ressalta que o cursinho, para quem está no ensino médio, só é aconselhável para os que já conseguiram garantir a aprovação no ano letivo. "Quando entra no cursinho, o estudante tem que ter foco no vestibular; se tiver problema com notas, aí é melhor se dedicar ao colégio", diz.

Para Bindi, esse vestibulando, que terá menos tempo de aulas no cursinho (cerca de quatro meses), deve dedicar horas de estudo em número proporcional à dificuldade de ingressar na graduação desejada: ou seja, quanto mais difícil o curso, mais tempo nos livros e apostilas.

Maturidade

Por mais que seja difícil estudar mais em menos tempo, Bindi diz que o cursinho semi-extensivo é bom para atingir maturidade: "Fazer o semi é um ótimo modo de calibrar os estudos, ver onde você tem mais dificuldades e ganhar mais maturidade; isso é muito bom para estudar". "No colégio o aluno vê a matéria recortada e não sente a concorrência do vestibular. Já no cursinho, com os simulados, ele vê que a coisa é mais complicada. Muitas vezes os estudantes têm uma ideia muito vaga do que é o vestibular e aqui eles veem que a brincadeira deve ocorrer em outra hora, que a única maneira de passar é se alinhando com as coisas certas. O cursinho é uma surpresa para muitos, é uma experiência que altera os estudos", diz Bindi.

Já o professor Nascimento afirma que o essencial é que o estudante tenha "espírito de luta". "Para fazer cursinho por fazer, vai ser um gasto de dinheiro à toa", diz.


Comentários

Veja mais artigos de Vestibular

<< Outros artigos de profissoes

Comentários

Siga-nos:

Instituições em Destaque

 
 

Newsletter

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas notícias do Vestibular além de dicas de estudo: