Home EstudosLivros Canção do berço (Poema da obra Sentimento do mundo), de Carlos Drummond de Andrade

Canção do berço (Poema da obra Sentimento do mundo), de Carlos Drummond de Andrade

by

O amor não tem importância.
No tempo de você, criança,
uma simples gota de óleo
povoará o mundo por inoculação,
e o espasmo
(longo demais para ser feliz)
não mais dissolverá as nossas carnes.

Mas também a carne não tem importância.
E doer, gozar, o próprio cântico afinal é indiferente.
Quinhentos mil chineses mortos, trezentos corpos
[de namorados sobre a via férrea
e o trem que passa, como um discurso, irreparável:
tudo acontece, menina,
e não é importante, menina,
e nada fica nos teus olhos.

Também a vida é sem importância.
Os homens não me repetem
nem me prolongo até eles.
A vida é tênue, tênue.
O grito mais alto ainda é suspiro,
os oceanos calaram-se há muito.
Em tua boca, menina,
ficou o gosto do leite?
ficará o gosto de álcool?

Os beijos não são importantes.
No teu tempo nem haverá beijos.
Os lábios serão metálicos,
civil, e mais nada, será o amor
dos indivíduos perdidos na massa
e só uma estrela
guardará o reflexo
do mundo esvaído
(aliás sem importância).

Um dos poemas mais interessantes e fortes do livro. De intensa carga negativa que
reforça as idéias contidas nos anteriores, como o reforço do mundo ser um “mundo
caduco” (em “Elegia 1938” e “Mãos dadas”), “tempo em que não se diz mais: meu amor”
(em “Os ombros suportam o mundo”), tudo está decomposto e nada mais tem importância,
pois a vida é tênue, pequena, frágil e ligeira, não adiantando gritar, pois nenhum
grito será ouvido; as pessoas não se solidarizam mais: “Os homens não me repetem /
nem me prolongo até eles”; há uma frieza nas relações pessoais: “Os lábios serão
metálicos”, e o mundo está acabado e sem importância.

Através deste poema Drummond transmite a mensagem de que desde o berço
o destino está marcado: o amor, a carne, a vida e os beijos não têm a importância
imediata que a sociedade de consumo lhe dá.

No poema é elaborado um tipo de conhecimento baseado no determinismo e nas
experiências negativas centradas num tipo de discurso dogmático: “o amor não tem
importância(…) nem a carne não tem importância(…)”. Tudo isto, à primeira
vista parece uma antífrase profetizante que nos mostra um poeta descrente da
autenticidade do amor a partir dos comportamentos mecanizados e formalizados
adotados pelos homens de seu tempo, que priorizavam a mecanização sobre os
sentimentos puros e naturais.

Posts Relacionados