Home EstudosSala de AulaAtualidades Prof. Ruy Espinheira Filho fala de Literatura Brasileira Contemporânea e dá dicas para quem quer cursar Letras

Prof. Ruy Espinheira Filho fala de Literatura Brasileira Contemporânea e dá dicas para quem quer cursar Letras

by


Ruy Espinheira Filho

Ruy Espinheira Filho nasceu no Brasil, na cidade de Salvador,
Bahial, no dia 12 de dezembro de 1942. Filho de Ruy Alberto de Assis Espinheira,
advogado, e de Iracema D’Andréa Espinheira, de ascendência
italiana, passou a infância na cidade de Poções e a adolescência
na cidade de Jequié, no Sudoeste baiano. De volta a Salvador, em 1961,
estudou no Colégio Central da Bahia e, levado pelo poeta Affonso Manta,
que conhecia desde Poções, ingressou no grupo boêmio capitaneado
por Carlos Anísio Melhor. Ainda nos anos 60, começou a publicar
na revista Serial, criada por Antonio Brasileiro, e se iniciou no jornalismo
— como cronista da Tribuna da Bahia (1969-1981), onde também
trabalhou como copidesque e editor (1974-1980). Colaborou ainda com o Pasquim,
como correspondente na Bahia (1976-1981), e foi contratado como cronista diário
do Jornal da Bahia (1983-1993). Atualmente assina artigos quinzenas
em A Tarde. Graduado em Jornalismo (1973), mestre em Ciências
Sociais (1978) e doutor em Letras (1999) pela Universidade Federal da Bahia,
UFBA, e doutor honoris causa pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia,
UESB (1999), é professor associado do Departamento de Letras Vernáculas
do Instituto de Letras da UFBA, membro da Academia de Letras de Jequié
e da Academia de Letras da Bahia. Publicou 11 livros de poemas: Heléboro
(1974), Julgado do Vento (1979), As Sombras Luminosas
(1981 — Prêmio Nacional de Poesia Cruz e Sousa), Morte Secreta
e Poesia Anterior
(1984), A Guerra do Gato (infantil — 1987),
A Canção de Beatriz e outros poemas (1990), Antologia
Breve
(1995), Antologia Poética (1996), Memória
da Chuva
(1996 — Prêmio Ribeiro Couto, da União Brasileira
de Escritores), Livro de Sonetos (1998; 2. ed. revista, ampl. e il.,
2000), Poesia Reunida e Inéditos (1998), A Cidade e os Sonhos
(2003), Elegia de agosto e outros poemas (2005; em 2006 – Prêmio
de Poesia da Academia Brasileira de Letras, Prêmio Jabuti – 2º
lugar –, da Câmara Brasileira do Livro; Menção Especial
do Prêmio Cassiano Ricardo, da UBE-RJ). Tem ainda publicados vários
livros em prosa: Sob o Último Sol de Fevereiro (crônicas,
1975), O Vento no Tamarindeiro (contos, 1981); as novelas O Rei
Artur Vai à Guerra
(1987, finalista do Prêmio Nestlé),
O Fantasma da Delegacia (1988), Os Quatro Mosqueteiros Eram Três
(1989); os romances Ângelo Sobral Desce aos Infernos (1986 —
Prêmio Rio de Literatura [2º lugar], 1985), Últimos Tempos
Heróicos em Manacá da Serra
(1991); Um Rio Corre na Lua
(2007) e os ensaios O Nordeste e o Negro na Poesia de Jorge de
Lima
, dissertação de Mestrado em Ciências Sociais pela
Universidade Federal da Bahia (1990), Tumulto de Amor e Outros Tumultos
– Criação e Arte em Mário de Andrade
, tese de
Doutorado em Letras, também pela UFBA (2001), Forma e alumbramento
— poética e poesia em Manuel Bandeira (2004). Lançou ainda
o CD Poemas, gravado pelo próprio autor, com 48 textos extraídos
de seus livros, além de alguns inéditos (2001). Contos e poemas
seus foram incluídos em diversas antologias, no Brasil e no exterior
(Portugal, Itália, França, Espanha e Estados Unidos).

Em entrevista a Leonardo Campos*, ele nos fala sobre Literatura Brasileira
Contemporânea. Leia a seguir.

Leonardo Campos – A primeira pergunta é crucial para
um professor como o senhor: o que acha da literatura brasileira contemporânea?

Ruy Espinheira Filho – Falar da literatura contemporânea
nunca é facil, pois as coisas ainda estão acontecendo, muitos
autores só conheceremos depois. Mas, pelo que acompanho, há autores
importantes, obras importantes, embora ainda em formação ou desenvolvimento.
Neste momento, a prosa (apesar do realismo meio idiota do politicamente correto,
quando se vê a valorização do tema acima da qualidade, como
se tema tivesse mesmo alguma importância para julgamento da obra), a prosa,
repito, me parece estar melhor do que a poesia, pois o que mais há por
aí é poeta culturalmente pobre e sem nenhum domínio das
técnicas.

LC – Na sua opinião, qual seria a diferença
entre literatura moderna e literatura contemporânea?

REF – Esse negócio de definições e classificações
é sempre precário. Contemporâneo é o que acontece
em nosso tempo – e Moderno é a mesma coisa. Eu costumo usar Contempoânea,
falando de literatura, para não confundir com o Modernismo – e o muito
menos com o pós-moderno, que é uma bobagem.

LC – O senhor acha que a internet prejudicou de alguma forma
a literatura?

REF – A Internet não prejudicou nada, pelo contrário:
é uma grande ajuda ao escritor e ao leitor. Agora, quem achava que o
computador iria solucionar a falta de talento, esses já eram tolos e
tolos continuam sendo. E até mais tolos, pois a Internet divulga ainda
mais suas tolices… No meu caso, a Internet é uma grande ajuda na correspondência,
agendamento de compromissos e, eventualmente, uma ou outra pesquisa auxiliar.
E o computador – uma maravilhosa máquina de escrever…

LC – Um dos temas mais recorrentes nos estudos literários
é a reutilização de temas. Percebe-se na literatura modernista
um certo retorno aos modelos trovadorescos. Como o senhor definiria isso? Poderia
exemplificar?

REF – A literatura atual não é mais do que
a continuação da literatura de todos os tempos, com características
de época. Estamos sempre voltando ao passado – porque o passado é
tudo o que temos. O passado é a única coisa que realmente possuímos.
Quanto aos temas, não dispomos, na verdade, de mais do que três
ou quatro: a vida, o amor, a morte. O resto é só variação.
Todos os temas humanos já foram usados e reusados milhões de vezes.
Não se esgotam porque os tratamentos são diferentes – já
que cada autor tem a sua originalidade própria. E atenção:
a originalidade não está nos temas nem em cacoetes de moda: está
na individualidade do autor. A originalidade está em cada um de nós
– ou não está em parte alguma.

LC – Em sua opinição, quem seria o maior representante
da nacionalidade em nossa literatura?

REF – Eu não gosto dessa coisa de maiores. A rigor,
não dá para fazer tal julgamento – porque cada artista tem suas
próprias características, cada um serve algo que é único.
Não se pode dizer, por exemplo, que João Guimarães Rosa
é maior do que Graciliano Ramos, mais representativo da nacionalidade
etc. – porque um não poderia fazer a obra do outro. E, se os lemos bem,
observamos que são autores complementares e profundamente nacionais.

LC – E o mercado editorial nacional? Percebe-se uma quantidade
maior de livros de auto-ajuda em relação à produção
literária de qualidade.

REF – A complicação do mercado editorial está
ligada ao analfabetismo nacional. Pouca gente compra livros – e, quando compra,
não consegue lê-los. Isto, é claro, quanto à literatura.
O sujeito aprende a ler jornal, anúncio, comunicado, mas não consegue
chegar à linguagem metafórica. Vejo isto até na universidade.
Assim, como as editoras vendem pouco, acabam editando pouca literatura de qualidade.
Preferem textos mais simples, de linguagem mais acessível – romanções
lacrimosos ou carregados de violência pura e simples. Leitor de qualidade
é algo muito raro entre nós.

LC – Para quem pretende cursar Letras, quais seriam
as principais dicas que o senhor daria?

REF – É preciso saber por que alguém quer cursar
Letras. Se é por interesse na literatura, é bom saber que é
o que menos vai encontrar por lá. Encontrará muito mais teoria,
crítica, gramática, linguística etc. Mas há sempre
alguma literatura, pois há também alguns professores que gostam
dela – como arte. Mas, se a literatura é uma arte, o que acontece? Não
pode ser ensinada… Mário de Andrade dizia que arte é aquilo
que não pode ser ensinado. E Noel Rosa já falou, num samba imortal,
que “ninguém aprende samba no colégio”… Quem for cursar
Letras tem que pensar nisto.

*Graduando em Letras Vernáculas com Habilitação em Língua
Estrangeira Moderna – Inglês – UFBA | Membro do grupo de pesquisas “Da
invenção à reivenção do Nordeste” –
Letras – UFBA | Pesquisador na área de cinema, literatura e cultura

Posts Relacionados